Colaboradores

A Festa no Castelo de Moacyr Scliar

domingo, 30 de setembro de 2007 Texto de

O ro­man­ce não é ex­ten­so, mas a nar­ra­ti­va pren­de o lei­tor por con­tar du­as his­tó­ri­as: o mun­do re­quin­ta­do da aris­to­cra­cia ide­a­lis­ta e a ami­za­de de um ve­lho sa­pa­tei­ro e um jo­vem ide­a­lis­ta, que vi­vem no Sul do Bra­sil nos me­a­dos de 1964, ano do Gol­pe mi­li­tar. No iní­cio as his­tó­ri­as pa­re­cem não ter li­ga­ção. Con­tu­do, com o pas­sar das pá­gi­nas, per­ce­be-se que há uma in­ter­ces­são.

Além de con­tar um pou­co a his­tó­ria do Bra­sil re­cen­te, A Fes­ta no Cas­te­lo faz uma crí­ti­ca tan­to da So­ci­e­da­de Ca­pi­ta­lis­ta ex­plo­ra­do­ra co­mo aos re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os ide­a­lis­tas da épo­ca. Prin­ci­pal­men­te a di­fí­cil ta­re­fa de con­ci­li­ar a te­o­ria so­ci­a­lis­ta ou co­mu­nis­ta com a prá­ti­ca.

O nar­ra­dor e pro­ta­go­nis­ta, o jo­vem ide­a­lis­ta Fer­nan­do, dei­xa cla­ro que as his­tó­ri­as que con­ta­va não eram o que gos­ta­ria de nar­rar. Há uma cer­ta de­si­lu­são por não con­cre­ti­zar os seus so­nhos ide­a­lis­tas e re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os de aju­dar o po­vo. De­cep­ci­o­na-se com seu me­lhor ami­go, o sa­pa­tei­ro co­mu­nis­ta Ni­col­la Col­le­ti.

A his­tó­ria mos­trou o pro­ces­so de de­sen­can­ta­men­to que so­fre­mos quan­do cres­ce­mos, prin­ci­pal­men­te uma ge­ra­ção que acre­di­ta­va que o so­ci­a­lis­mo aca­ba­ria com as in­jus­ti­ças do Ca­pi­ta­lis­mo.

Con­ci­so, Mo­acyr Scli­ar evi­den­ci­ou num pris­ma par­ti­cu­lar os pa­ra­dig­mas e ide­ais de uma épo­ca.

E-mail: dudu.oliva@uol.com.br

Compartilhe