Crônicas

Vivendo e (não) aprendendo a jogar

sábado, 1 de agosto de 2015 Texto de

macaco pensando

Es­tou apren­den­do a an­dar de me­trô em São Pau­lo.

Já sei que, ao su­bir a es­ca­da ro­lan­te, de­vo fi­car à di­rei­ta, per­mi­tin­do as­sim a pas­sa­gem pe­la es­quer­da de quem es­tá com pres­sa. Mi­nha fi­lha me en­si­nou na se­ma­na pas­sa­da. Aliás, dei­xar se con­du­zir, pre­gui­ço­sa­men­te, por al­guém (no meu ca­so, pe­la mi­nha fi­lha) tem seu pre­ço. Pa­guei ho­je. Ver­go­nho­sa­men­te, não sa­bia on­de en­fi­ar o bi­lhe­te na ca­tra­ca. Sor­te que bem atrás vi­nha uma mo­ça sim­pá­ti­ca e me mos­trou (cla­ro, de­ve ter pen­sa­do Que ba­ba­ca ou al­go as­sim).

Nu­ma das pa­ra­das, en­tra uma se­nho­ra com du­as sa­co­las nas mãos. Não era ido­sa, mas ti­nha du­as sa­co­las nas mãos. Quan­do se apro­xi­mou do ban­co, per­ce­beu que al­guém dis­pu­ta­va o lu­gar com ela: um ra­paz jo­vem, que me pa­re­ceu bas­tan­te sa­tis­fei­to ao ter ven­ci­do a dis­pu­ta pe­lo lu­gar.

Ao la­do de­le, um se­nhor, es­te sim já ido­so, um ho­men­zi­nho bai­xo, bi­go­de bran­co, le­van­tou-se e deu lu­gar à mu­lher com du­as sa­co­las nas mãos. Já em pé, bem ao meu la­do, ele não con­se­guiu al­can­çar aque­la al­ça pen­du­ra­da pra gen­te se se­gu­rar e, acho que in­vo­lun­ta­ri­a­men­te, se­gu­rou no meu bra­ço quan­do o trem ar­ran­cou. De­pois, ten­tou no­va­men­te al­can­çar o tro­ço lá no al­to, mas de no­vo não con­se­guiu. Po­de se se­gu­rar em mim, eu dis­se a ele.

En­quan­to is­so – o ra­paz que dis­pu­tou o lu­gar com a mu­lher que car­re­ga­va du­as sa­co­las ain­da ins­ta­la­do tran­qui­la­men­te em seu acon­che­gan­te as­sen­to – che­gou mi­nha es­ta­ção. Ou­tra pes­soa à mi­nha fren­te se le­van­tou e o ve­lho te­ve on­de sen­tar. Ou­vi um Obri­ga­do, mo­ço às mi­nhas cos­tas, e saí com o pen­sa­men­to zi­gue­za­gue­an­do, sem sa­ber di­rei­to em que es­ta­ção do cé­re­bro pa­rar. Nu­ma zo­na de cré­di­to ao ser hu­ma­no? Nu­ma zo­na de des­con­fi­an­ça? De­ses­pe­ran­ça?

Ao sair à rua, ten­tei res­pi­rar um ar no­vo que pu­des­se me aju­dar a abs­trair a ce­na do me­trô, mas an­tes de pu­xar o fô­le­go uma mu­lher sen­ta­da, com uma cri­an­ci­nha dor­min­do apoi­a­da em sua per­na, me pe­diu um tro­ca­do. Mas quan­to? Um re­al? Dois? Dez? O que po­de apla­car a mi­sé­ria do mun­do? O que po­de apla­car es­ta an­gús­tia aqui den­tro?

Palavras-chave

Compartilhe