Crônicas

Tese sobre monstros

quinta-feira, 9 de outubro de 2014 Texto de
Tubarões petistas e tucanos cercam nosso barquinho à deriva

Tu­ba­rões pe­tis­tas e tu­ca­nos cer­cam nos­so bar­qui­nho à de­ri­va

Dil­ma diz que o Bra­sil não quer a vol­ta dos mons­tros do pas­sa­do. Aé­cio re­ba­te: o país tem me­do dos mons­tros do pre­sen­te.

Pra di­zer a ver­da­de, te­nho me­do dos dois.

Mas, afo­ra as me­tá­fo­ras, o mons­tro re­al­men­te vi­sí­vel nes­te mo­men­to é Aé­cio. E foi o PT quem o cri­ou.

Aé­cio na­da mais era do que um can­di­da­to me­dío­cre. Aliás, aqui es­tá o fun­da­men­to: per­deu a elei­ção em seu pró­prio quin­tal. Dil­ma ga­nhou em Mi­nas, es­ta­do que ele co­man­dou. E, de que­bra, o PT le­vou o go­ver­no es­ta­du­al já no pri­mei­ro tur­no.

Era ou não era fra­qui­nho?

Sim, era.

Mas não é mais. Ago­ra vi­rou um mons­tro. For­ja­do pe­la in­com­pe­tên­cia, pe­la pre­po­tên­cia e pe­la in­co­e­rên­cia do go­ver­no pe­tis­ta.

In­com­pe­tên­cia por não ter si­do ca­paz de le­var o país a uma pro­fun­da trans­for­ma­ção po­lí­ti­ca. Lu­la, mais do que Dil­ma, ti­nha for­ça su­fi­ci­en­te pa­ra is­so, mas fa­lhou. As mu­dan­ças não pas­sa­ram da flor d’água.

Pre­po­tên­cia por con­si­de­rar que a es­pe­ran­ça de­po­si­ta­da por mi­lhões de bra­si­lei­ros em idei­as avan­ça­das fos­se du­rar pa­ra sem­pre sem sua re­al efe­ti­va­ção.

In­co­e­rên­cia por tro­car os pla­nos pro­gres­sis­tas que fun­da­ram e for­ta­le­ce­ram sua his­tó­ria pe­las ve­lhas po­lí­ti­cas do tro­ca-tro­ca, do cli­en­te­lis­mo e do fi­si­o­lo­gis­mo.

Não en­tro aqui no âm­bi­to da cor­rup­ção. Por­que nes­se cam­po to­dos têm o ra­bo pre­so. Dá em­pa­te. E não há pror­ro­ga­ção ou pê­nal­tis que de­ci­dam.

O go­ver­no pe­tis­ta ob­te­ve im­por­tan­tes avan­ços so­ci­ais, é ine­gá­vel. Tan­to é que os pro­gra­mas que be­ne­fi­ci­am as po­pu­la­ções ca­ren­tes cons­tam tam­bém na pla­ta­for­ma go­ver­na­men­tal do Aé­cio. E cer­ta­men­te cons­ta­vam nas que fi­ca­ram pe­lo ca­mi­nho. Por­que, em­bo­ra a idi­o­ti­ce e o des­co­nhe­ci­men­to que as­so­lam boa par­te dos bra­si­lei­ros per­mi­tam ata­ques a es­se ti­po de ação, o bol­sa-fa­mí­lia e afins são efi­ci­en­tes ins­tru­men­tos pa­ra re­du­zir o imen­so abis­mo so­ci­al pa­ra o qual o go­ver­no tu­ca­no sem­pre deu as cos­tas.

O go­ver­no tu­ca­no, na ver­da­de, sem­pre es­te­ve mais in­te­res­sa­do em ri­far o país com su­as tres­lou­ca­das pri­va­ti­za­ções. Só não ten­ta­ram ven­der a mãe por­que a mãe es­tá en­ve­lhe­ci­da e fra­ca num can­ti­nho sim­pá­ti­co da Eu­ro­pa, ba­nha­da pe­lo Atlân­ti­co e so­nhan­do com a vol­ta de Dom Se­bas­tião.

Aliás, fa­lan­do em coi­sas an­ti­gas, até ho­je eu me per­gun­to se o FHC ti­nha no­ção de que o re­al se­ria um ti­ro cer­to ou se foi por aca­so. Mi­nha ten­dên­cia é acre­di­tar que foi por aca­so. Por­que na­que­la épo­ca os ti­ros eram dis­pa­ra­dos pa­ra qual­quer la­do. Acer­tas­sem em quem fos­se.

Mas es­se é ou­tro ca­pí­tu­lo des­sa his­tó­ria.

E aqui es­tá o epí­lo­go: o PT não ti­nha o di­rei­to de co­me­ter os mes­mos er­ros que co­me­te­ram seus an­te­pas­sa­dos no go­ver­no. Por­que dos tu­ca­nos e de sua cas­ta eli­tis­ta, sem­pre foi na­tu­ral es­pe­rar gol­pes cruéis con­tra o gros­so da po­pu­la­ção, con­tra os tra­ba­lha­do­res, con­tra os apo­sen­ta­dos, con­tra as do­nas de ca­sa, con­tra os mi­se­rá­veis etc etc. Sem­pre foi na­tu­ral por­que não é fá­cil pa­ra qual­quer po­vo dei­xar a sub­mis­são de­pois de sé­cu­los e sé­cu­los de amém.

Só que ao ti­rar a ca­be­ça fo­ra d’água, a gran­de mas­sa in­dig­na­da pas­sou a iden­ti­fi­car ve­lhas prá­ti­cas nas ca­ras no­vas, e tam­bém vol­tou a le­var as ca­ce­ta­das de sem­pre. E co­me­çou a se per­gun­tar: “Até tu, Bru­tus?”.

Es­sa é mi­nha bre­ve te­se, ge­né­ri­ca eu sei, so­bre a ori­gem do mons­tro Aé­cio. Te­se fun­da­da nu­ma gran­de de­cep­ção.

Por fim, ten­to ima­gi­nar o ce­ná­rio pós-se­gun­do tur­no. E a con­clu­são é an­gus­ti­an­te: com Dil­ma ou Aé­cio, va­mos ain­da le­var um bom tem­po pa­ra su­pe­rar a pas­sa­gem de tan­tos mons­tros, di­nos­sau­ros, dra­gões e ra­tos por nos­sa de­vas­ta­da po­lí­ti­ca.

Compartilhe