Impressões

O trabalho e os homens

domingo, 20 de outubro de 2013 Texto de

A úl­ti­ma vez que eu o vi foi na cal­ça­da de uma ave­ni­da. Car­re­ga­va seu co­mér­cio am­bu­lan­te. De cha­péu e man­gas lon­gas pa­ra se pro­te­ger do sol.

Uns di­as an­tes, ca­su­al­men­te, es­ta­va à mi­nha fren­te na fi­la do cai­xa de cer­to es­ta­be­le­ci­men­to. Quan­do che­gou mi­nha vez, o ra­pa­zi­nho do cai­xa des­pe­jou em tom de re­pul­sa “Nos­sa, por que es­sa gen­te não to­ma ba­nho? Que chei­ro! Deu von­ta­de de vo­mi­tar”.

Eu lem­bro va­ga­men­te do chei­ro do meu pai quan­do ele vol­ta­va da ro­ça. Era um va­por pe­sa­do de su­or bru­to ob­ti­do nos pés de ca­fé e na po­ei­ra, ao sol.

Te­nho res­pei­to pe­lo am­bu­lan­te su­a­do de sua lu­ta. E pe­na do ra­pa­zi­nho en­go­ma­do e fres­co sob o ar con­di­ci­o­na­do.

Palavras-chave

Compartilhe