Crônicas

Um dia muito especial

quarta-feira, 7 de agosto de 2013 Texto de

Ho­je foi um dia mui­to es­pe­ci­al pra mim.

Mas o que acon­te­ceu?

Na­da.

Quer di­zer, na­da que se­ja dig­no de no­ta (do ti­po que nos acos­tu­ma­mos a con­si­de­rar im­por­tan­te – pas­sei num con­cur­so, fiz um óti­mo ne­gó­cio na mi­nha em­pre­sa, ga­nhei na lo­te­ria, ti­ve au­men­to sa­la­ri­al, com­prei o car­ro que sem­pre quis, es­tou mu­dan­do pa­ra a ca­sa dos meus so­nhos, aque­la me­ni­na fi­nal­men­te me en­xer­gou).

Na­da dis­so.

Ape­nas o se­guin­te:

a) Saí pa­ra al­mo­çar a pé e na vol­ta, nas ime­di­a­ções de on­de mo­ro, ao pas­sar em fren­te à ca­sa de um ca­chor­ro gran­de, pe­lo cur­to, cor cre­me (acho que é la­bra­dor), eu o ou­vi cor­ren­do ao por­tão. Num ou­tro dia, ele es­ta­va la­tin­do fei­to lou­co, em­pi­na­do na gra­de do por­tão que dá pa­ra a rua, co­mo se fos­se aca­bar com to­do mun­do. Bom, aí ho­je eu es­ta­va pas­san­do lá e per­ce­bi que ele vi­nha cor­ren­do, ofe­gan­te, pa­ra a gra­de. Pen­sei lá vem ele la­tir que nem um lou­co. Di­mi­nuí o pas­so e es­pe­rei por ele. Só que, ao in­vés de la­tir, ele tra­zia uma bo­la ver­me­lha na bo­ca e fi­cou fa­zen­do aque­les mo­vi­men­tos tí­pi­cos de ca­chor­ro que quer brin­car, a bo­la co­la­da ao chão, ele a se­gu­ran­do com a bo­ca, ore­lhas em­pi­na­das, olhos cra­va­dos em mim, “vem pe­gar, vem!”.

b) De­pois de to­mar ca­fé com um ami­go, fui ao su­per­mer­ca­do com­prar umas coi­si­nhas que es­ta­va pre­ci­san­do. No ca­mi­nho, pe­guei o DVD do fil­me An­na Ka­re­ni­na. E en­tão me vi­e­ram à ca­be­ça Tols­tói, Dos­toiévs­ki, Tchekhov, Tur­gue­ni­ev, Pas­ter­nak, gi­gan­tes rus­sos da li­te­ra­tu­ra cu­jas obras tor­nam pos­sí­vel acre­di­tar na hu­ma­ni­da­de. Res­pi­rei o ar quen­te do in­ver­no bau­ru­en­se, tão opos­to ao am­bi­en­te qua­se sem­pre ge­la­do dos li­vros de to­dos eles, e res­pon­di com bom hu­mor à per­gun­ta de um ca­ra que pro­cu­ra­va um lu­gar pa­ra fa­zer a re­car­ga do ce­lu­lar.

c) No su­per­mer­ca­do, vi um sa­co com uma ver­du­ra tão bo­ni­ta que me deu von­ta­de de abrir o plás­ti­co e en­fi­ar a ca­be­ça lá den­tro, e nis­so me lem­brei da ter­ra ao qual sou li­ga­do por uma fi­bra po­ten­te que não me faz per­der a es­pe­ran­ça de um dia vol­tar a ela (e is­so, bem en­ten­di­do, não tem na­da a ver com a mor­te, pois na ver­da­de eu, quan­do mor­rer, se­rei cre­ma­do!). Com­prei a ver­du­ra, cla­ro. E vou co­mê-la!

d) À noi­ti­nha, saí pa­ra mi­nha an­dan­ça diá­ria de dez quilô­me­tros e por aca­so en­con­trei um ca­chor­ro que mo­ra aqui per­to de ca­sa, um pas­tor com ca­ra de ve­lho, meio de­sen­gon­ça­dão, que às ve­zes la­te pra mim co­mo se de­se­jas­se me tru­ci­dar e ou­tras ve­zes, dei­ta­do no ci­men­to e sem me­xer um úni­co mús­cu­lo, me olha com ca­ra de coi­ta­do, ho­je não, Már­cio, to meio cai­da­ço, fi­ca pra ou­tro dia. Um ca­ra, acho que o do­no (que nun­ca vi), es­ta­va dan­do umas cor­ri­di­nhas com ele, mas ele, pe­lo que per­ce­bi, não es­ta­va aguen­tan­do o tran­co. Cor­ria por al­guns me­tros e pa­ra­va, e as­sim por di­an­te. Fi­quei con­ten­te por­que gos­to de­le (do ca­chor­ro). E sem­pre que pas­so em fren­te ao quin­tal on­de ele mo­ra, pen­so se­rá que não pas­sei­am com es­se ca­chor­ro, se­rá que não ti­ram ele do quin­tal uma ou ou­tra vez, se­rá que não o le­vam pa­ra mi­jar na rua, pa­ra chei­rar a bun­da das ca­de­las, pa­ra gas­tar a ener­gia bru­ta dos cães? Ho­je, quan­do o vi, co­me­cei a rir so­zi­nho.

e) E as­sim as coi­sas fo­ram ro­lan­do. E eu, na vol­ta da ca­mi­nha­da, ou­vin­do no MP4 ou sei lá o que se cha­ma es­se tro­ço que a gen­te bo­ta no ou­vi­do pa­ra ou­vir mú­si­ca, ou­vin­do as mú­si­cas que mi­nha fi­lha gra­vou pra mim, pen­sei que eu, se fos­se ne­ces­sá­rio, da­ria a vi­da por ela (mi­nha fi­lha). Di­zem que o amor pa­ter­no não che­ga aos pés do amor ma­ter­no. Mas quem po­de pro­var al­go tão sub­je­ti­vo? Exis­te a mãe, que sen­te o amor de­la. E o pai, que sen­te o amor de­le. Não dá pa­ra com­pa­rar. Não exis­te um termô­me­tro pa­ra me­dir a fe­bre do amor. Eu só sei, fi­quei pen­san­do, que ven­de­ria mi­nha al­ma por ela (mi­nha fi­lha), que pas­sa­ria a eter­ni­da­de no fo­go do in­fer­no ou na in­cer­te­za do pur­ga­tó­rio ou na mo­no­to­nia ce­les­ti­al por ela (mi­nha fi­lha). Até aqui na ter­ra! Até aqui na ter­ra eu fi­ca­ria pa­ra sem­pre (ve­ja on­de é ca­paz de che­gar um amor pa­ter­no!) por ela (mi­nha fi­lha).

f) En­quan­to as flo­res de São João (mi­nhas pre­fe­ri­das) ra­bis­ca­vam meu ros­to, pen­sei tam­bém que to­dos es­ses pen­sa­men­tos pen­sa­dos num dia qual­quer po­dem não ser lá es­sas coi­sas pa­ra mui­ta gen­te. Mas eu te­nho cer­te­za de que um ou ou­tro com­pre­en­de­rá es­te meu rom­pan­te, uma qua­se fe­li­ci­da­de im­pe­tu­o­sa que var­re vo­cê em mi­nu­tos e de­pois vai em­bo­ra com a mai­or ca­ra de sa­ca­na. Por­que gen­te co­mo eu, que car­re­ga con­si­go uma eter­na an­gús­tia, uma tris­te­za en­rai­za­da, uma ine­vi­tá­vel que­da pe­la so­li­da­ri­e­da­de ao so­fri­men­to mun­di­al, aque­le aper­to no co­ra­ção que nin­guém ja­mais po­de­rá tra­du­zir ou nem mes­mo ten­tar ex­pli­car, gen­te as­sim se sur­pre­en­de quan­do, por al­guns mi­nu­tos ou al­gu­mas ho­ras, en­tra nes­se es­ta­do, di­ga­mos, de sa­tis­fa­ção cu­ja ori­gem e cu­ja con­sequên­cia não pas­sam de um sus­pi­ro. E é só is­so mes­mo. Não há na­da a acres­cen­tar, coi­sas co­mo “en­tão ele sen­tiu o so­pro da fe­li­ci­da­de e sua vi­da se trans­for­mou”. Não! Trans­for­mou coi­sa ne­nhu­ma. Em se­gui­da é a an­gús­tia ou­tra vez, é a tris­te­za en­rai­za­da ou­tra vez, é o aper­to ou­tra vez, até que, num be­lo dia, não sei quan­do, vo­cê sen­te no­va­men­te a pre­sen­ça de um dia es­pe­ci­al.

g) Com to­das es­sas idei­as cha­fur­dan­do meu crâ­nio va­zio, on­de há ape­nas uma es­pu­ma que um dia des­ses po­de se des­fa­zer co­mo a es­pu­ma de um de­ter­gen­te va­ga­bun­do que dei­xa a bu­chi­nha da pia na mão, com to­das es­sas elu­cu­bra­ções, es­sa ver­da­dei­ra mas­tur­ba­ção exis­ten­ci­al, che­guei ao por­tão do pré­dio on­de mo­ro. E es­ta­va sain­do um ca­sal com um ca­chor­ro na co­lei­ra. Pa­ra pas­se­ar. Olhei pa­ra ele (pa­ra o ca­chor­ro) e ele ime­di­a­ta­men­te se em­pi­nou nas mi­nhas per­nas. Um bul­do­gue cam­pei­ro, dis­se­ram os do­nos. Seis me­ses. É bra­vo? Não, mas cui­da­do com as unhas de­le. E ele me cra­van­do as unhas na ber­mu­da, me lam­ben­do as mãos, gru­nhin­do bai­xi­nho, co­mo se fos­se meu ami­gão de ve­lhos tem­pos. Mi­ke, o no­me de­le. Me deu von­ta­de de ajo­e­lhar e abra­çá-lo, mas ti­ve ver­go­nha. Mi­ke, pra fe­char o dia. Co­mo se me co­nhe­ces­se há um tem­pão. Co­mo se gos­tas­se de mim.

E é is­so. Não tem con­clu­são. Não tem fim. Não tem li­ção de mo­ral. Não tem o que com­pre­en­der.

Palavras-chave

Compartilhe