Impressões

Filme: Comandante Abul Raed

domingo, 25 de agosto de 2013 Texto de

De uma emo­ção con­tida. De uma sen­si­bi­li­dade su­til. De uma von­tade de agir.

Na ca­pi­tal da Jor­dâ­nia, Amã, um sim­ples fun­ci­o­ná­rio do ae­ro­porto in­ter­na­ci­o­nal ali­menta o so­nho de cri­an­ças sem gran­des pers­pec­ti­vas. Um prato cheio para quem gosta de he­róis anô­ni­mos. Para quem gosta de ter es­pe­rança. Um filme da­que­les.

Pena que o Ca­nal Fu­tura (do qual sou te­les­pec­ta­dor) fez uma pre­se­pada no Cine Co­nhe­ci­mento.

Per­ce­bam que no fim, quando a apre­sen­ta­dora en­tra e faz os co­men­tá­rios, há uma con­fu­são: ela diz que o co­man­dante in­ter­vém num con­flito fa­mi­liar de uma das cri­an­ças com quem ele tem con­tato. E en­tra a cena em que ele con­versa com o pai do Ta­req (um dos ga­ro­tos). E dá a en­ten­der que o Ta­req foi o mais in­flu­en­ci­ado por ele.

Só que na ver­dade o co­man­dante en­tra pra va­ler no con­flito da fa­mí­lia do Mu­rad (ou­tro ga­roto), este sim com­ple­ta­mente in­flu­en­ci­ado por ele. En­fim, o Cine Co­nhe­ci­mento mos­trou tam­bém uma ou­tra face do co­nhe­ci­mento: o co­nhe­ci­mento da produção/edição.

Cer­ta­mente, fi­ze­ram o texto e a apre­sen­ta­dora, sem nem ter as­sis­tido ao filme, foi lá, fez toda aquela ma­qui­a­gem, a ca­ri­nha de quem sabe tudo e man­dou ver.

Na atu­a­li­dade, quando tudo vai se trans­for­mando em li­nha de pro­du­ção, não sei nem se o pró­prio Ca­nal Fu­tura vai des­co­brir a gafe e cor­ri­gir.

Palavras-chave

Compartilhe