Contos

Síndrome rara

quinta-feira, 3 de Janeiro de 2013 Texto de


For­mi­dá­veis mos­tram-se as pers­pec­ti­vas da fe­li­ci­da­de! Ali es­tá, per­cor­ren­do a or­la da praia de Bo­ta­fo­go, o ser­vi­dor pú­bli­co Mé­rio Tron­co­so Pa­to­pas. Ja­mais foi vis­to mais exul­tan­te. – São mis­te­ri­o­sos os ca­mi­nhos do Se­nhor – re­ci­tou, ben­zen­do-se sob sua rí­gi­da re­li­gi­o­si­da­de, um co­le­ga mui­to an­ti­go da re­par­ti­ção on­de tra­ba­lha­ram jun­tos por mais de du­as dé­ca­das. – Ca­ra­lho! – ad­mi­rou-se o co­le­ga do fu­te­bol das quin­tas. Am­bos, e ou­tros, nun­ca ima­gi­na­ri­am Mé­rio Tron­co­so Pa­to­pas num mo­men­to de fe­li­ci­da­de ex­pos­ta.

Mas, a des­pei­to dos mis­té­ri­os da re­li­gião ou dos ca­ra­lhos do fu­te­bol, o fa­to é que o acon­te­ci­men­to aqui es­tá, en­tre to­da es­sa gen­te su­a­da do meio do dia.

Tu­do co­me­çou há pou­cos me­ses, no sá­ba­do de Car­na­val, du­ran­te o tra­di­ci­o­nal des­fi­le de blo­cos, ali pe­la ho­ra do al­mo­ço. Mé­rio Tron­co­so Pa­to­pas es­ta­va de­bru­ça­do na ja­ne­la de seu apar­ta­men­to no quin­to an­dar, quan­do, bem per­to de­le, es­po­ca­ram di­ver­sos ro­jões e fo­gos de ar­ti­fí­cio. O mau hu­mor trans­for­mou-se em al­go lú­gu­bre e, lo­go, num sal­ti­tar es­tra­nho que o le­vou a dar du­as vol­tas pe­lo quar­to até cair, de­sa­cor­da­do, na ca­ma.

Vi­e­ram a mu­lher neu­ró­ti­ca com a qual ele mal con­ver­sa­va nos úl­ti­mos tem­pos a não ser pa­ra me­ter-lhe uns sa­fa­nões e a en­te­a­da sar­den­ta ado­les­cen­te de quem ele pas­sa­ra a não mais to­mar co­nhe­ci­men­to des­de que ela res­pon­deu-lhe sem pa­pas na lín­gua a uma de­sar­ra­zo­a­da re­pre­en­são.

Ven­do-o sem sen­ti­dos, cha­ma­ram o mé­di­co. – Tal­vez o sus­to te­nha pro­vo­ca­do al­gum trau­ma, mas ele ape­nas dor­me pro­fun­da­men­te – dis­se o dou­tor. – Nem mes­mo pre­ci­sa­re­mos apli­car-lhe um tran­qui­li­zan­te – acres­cen­tou. E os três ri­ram da pi­a­di­nha, en­quan­to lá em­bai­xo os fo­liões bo­ta­vam o blo­co na rua.

Co­mo se Mé­rio Tron­co­so Pa­to­pas não acor­das­se até o fim da tar­de, a mu­lher neu­ró­ti­ca li­gou pa­ra o aman­te sa­ra­do e avi­sou que o sá­ba­do es­ta­va per­di­do. Às oi­to, a en­te­a­da sar­den­ta ado­les­cen­te ba­ten­do pa­po pe­la in­ter­net em seu quar­to, e a mu­lher neu­ró­ti­ca as­sis­tin­do à TV na sa­la, deu-se a ba­ra­fun­da. Mé­rio Tron­co­so Pa­to­pas apa­re­ceu nu em pe­lo e de ga­ti­nhas.

A mu­lher neu­ró­ti­ca ber­rou e a en­te­a­da sar­den­ta ado­les­cen­te lo­go apa­re­ceu cor­ren­do. Ves­ti­ram o su­jei­to e o dei­ta­ram, mas na­da de­le fi­car na ca­ma. Ros­nan­do e de­ba­ten­do-se, in­sis­tia em dei­tar-se so­bre o ta­pe­te, não sem an­tes dar al­gu­mas lam­bi­di­nhas nos pró­pri­os chi­ne­los. Quan­do, in­tri­ga­das, as du­as ten­ta­ram for­çá-lo a su­bir no col­chão, ele la­tiu gra­ve­men­te.

Cha­ma­ram o mé­di­co. – Sem dú­vi­da, uma sín­dro­me ra­ra – cons­ta­tou o dou­tor, exa­lan­do um in­dis­far­çá­vel chei­ro etí­li­co. A mu­lher neu­ró­ti­ca e a en­te­a­da sar­den­ta ado­les­cen­te en­tre­o­lha­ram-se. – Va­mos dei­xá-lo no ta­pe­te es­ta noi­te e ver co­mo as coi­sas evo­lu­em – ani­mou-se o dou­tor, dei­xan­do ra­pi­da­men­te o lo­cal e avi­san­do que es­ta­ria à dis­po­si­ção no dia se­guin­te, ca­so não hou­ves­se evo­lu­ção no qua­dro.

A mu­lher neu­ró­ti­ca acor­dou no do­min­go e, com uma das mãos, to­cou le­ve­men­te as cos­tas do ma­ri­do. Pre­gui­ço­sa­men­te, ele es­ti­cou bra­ços e per­nas, sol­tou um bre­ve ge­mi­do e, qua­se ao mes­mo tem­po, um pei­do, e vi­rou-se de bar­ri­ga pra ci­ma, mem­bros er­gui­dos, a ga­nir. Pri­mei­ro um ga­ni­do qua­se ca­ri­nho­so, de­pois um ga­ni­do qua­se ui­vo, sis­te­má­ti­co, e por fim la­ti­dos al­tos e es­tri­den­tes.

O dou­tor che­gou às dez. – Re­al­men­te, uma sín­dro­me ra­ra! – ex­cla­mou ao dei­xar o quar­to e dar de ca­ra com a mu­lher neu­ró­ti­ca.

Sem que hou­ves­se pro­fi­la­xia co­nhe­ci­da pa­ra os di­as que vi­ri­am, de­ci­di­ram in­ter­ná-lo. Mé­rio Tron­co­so Pa­to­pas foi pa­ra o hos­pi­tal, a en­te­a­da sar­den­ta ado­les­cen­te de­sa­ba­lou-se a pas­sar o res­to do Car­na­val com uns ami­gos não sei de on­de e o aman­te sa­ra­do ins­ta­lou-se em Bo­ta­fo­go.

Os di­as cor­re­ram. O Car­na­val aca­bou. A mu­lher neu­ró­ti­ca vol­tou ao sa­lão on­de tra­ba­lha­va. A en­te­a­da sar­den­ta ado­les­cen­te vol­tou a fin­gir que es­tu­da­va. O aman­te sa­ra­do vol­tou pa­ra a praia.

Três se­ma­nas de­pois, o mé­di­co cha­mou a fa­mí­lia. – Te­nho bo­as e más no­tí­ci­as – co­me­çou – e vou dar pri­mei­ro a má – avi­sou. A mu­lher neu­ró­ti­ca e a en­te­a­da sar­den­ta ado­les­cen­te en­tre­o­lha­ram-se. – De­ci­di­da­men­te, é uma sín­dro­me ra­ra – ad­ver­tiu pe­sa­da­men­te, os olhos pre­ga­dos na blu­si­nha que nem es­ti­can­do po­dia co­brir os dois pei­ti­nhos du­ros da en­te­a­da sar­den­ta ado­les­cen­te. – Mas pos­so di­zer – vol­tou-se as­sus­ta­do e sor­ri­den­te pa­ra a mu­lher neu­ró­ti­ca – que nos­so pa­ci­en­te es­tá mui­to fe­liz.

To­cou uma si­ne­ta e, ao seu ru­mor, aden­trou o con­sul­tó­rio uma lin­da en­fer­mei­ra pu­xan­do uma co­lei­ra. Lo­go em se­gui­da, ar­fan­te, de shor­ti­nho ver­me­lho de bo­li­nhas e ca­mi­se­ta ca­va­da cheia de de­se­nhos com os­sos em pe­que­nos la­ços, Mé­rio Tron­co­so Pa­to­pas sal­ti­tou fe­liz en­tre o mé­di­co e a fa­mí­lia.

E ago­ra ve­ja: ali mes­mo, ao la­do da bar­ra­ca de água de co­co, Mé­rio Tron­co­so Pa­to­pas, de gros­sas lu­vas e jo­e­lhei­ras, de qua­tro, ca­be­ça em­pi­na­da e bun­di­nha re­bo­lan­te, vai à re­bo­que da co­lei­ra que lhe foi en­cai­xa­da e ago­ra é pu­xa­da pe­lo aman­te sa­ra­do da mu­lher neu­ró­ti­ca. Per­to do Pos­to Ma­ne­qui­nho, ele fa­re­ja a cal­ça­da e lam­be o tra­sei­ro des­cui­da­do de uma po­o­dle en­fei­ta­da de la­ci­nho. To­do fe­liz, er­gue a pa­ta di­rei­ta na fren­te de um pos­te e, pe­la or­la do shor­ti­nho ver­me­lho de bo­li­nhas, es­ca­pa-lhe o pi­pi, de on­de jor­ra um mi­jo dou­ra­do que bri­lha ao sol gos­to­so das on­ze.

Palavras-chave

Compartilhe