Crônicas

Cafezinho com Flávio de Angelis

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012 Texto de

Aci­ma, frag­men­to de uma mú­si­ca que emo­ci­o­na­va Flá­vio de An­ge­lis. Ao la­do, o pró­prio.

Nun­ca gos­tei de to­mar ca­fé em co­po de plás­ti­co. Aliás, não gos­to de to­mar na­da em co­po de plás­ti­co, em­bo­ra às ve­zes se­ja ne­ces­sá­rio. No ca­so do ca­fé, per­de-se um frag­men­to mar­can­te do mo­men­to: o su­a­ve ba­da­lar da co­lhe­ri­nha nas bor­das da xí­ca­ra, qua­se co­mo um pe­que­no si­no de uma pe­que­na igre­ja avi­san­do que es­tá na ho­ra do ri­tu­al.

Acho que to­mar ca­fé é um ri­tu­al. Des­de o ins­tan­te em que vo­cê vê ape­nas aque­la fu­ma­ci­nha sain­do da xí­ca­ra até quan­do, no fun­do, só res­tam resquí­ci­os da bor­ra. E es­se ri­tu­al pre­ci­sa ser res­pei­ta­do, mas nem sem­pre é as­sim.

Ou­tro dia mes­mo, a ga­ro­ta me ser­viu o ca­fé nu­ma xí­ca­ra ra­cha­da (exa­ta­men­te no lu­gar on­de vo­cê põe a bo­ca pa­ra be­ber). Pe­di ou­tra xí­ca­ra. Ela, gen­til­men­te, quis tro­car o ca­fé. Eu dis­se que não ha­via ne­ces­si­da­de. Só pre­ci­sa­va mes­mo de ou­tra xí­ca­ra. Ela me deu a ou­tra xí­ca­ra. Com a bor­da to­da su­ja. Pe­di pa­ra tro­car ou­tra vez. Aí veio uma lim­pi­nha, sem ra­cha­du­ra.

En­tre­tan­to, já es­ta­va per­di­do o es­pí­ri­to do ri­tu­al. Por­que um ca­fe­zi­nho bem to­ma­do tam­bém exi­ge se­re­ni­da­de, de­sa­pe­go, le­ve­za de es­pí­ri­to.

Ho­je, no Fran’s (on­de a xí­ca­ra nun­ca veio ra­cha­da nem su­ja), sen­tei-me à bei­ra-rua, mes­mo com um ca­lor dos di­a­bos. Ali em fren­te há al­gu­mas ár­vo­res. Gos­to de chu­par o lí­qui­do olhan­do pa­ra elas, en­fi­an­do-me em seus ga­lhos, em su­as fo­lhas: lem­bran­ças de um pas­sa­do dis­tan­te e lem­bran­ças de um fu­tu­ro quem sa­be.

E, por na­da não, lem­brei-me do Flá­vio. Flá­vio de An­ge­lis. Nos­so di­re­tor quan­do abri­mos o jor­nal Bom Dia em Bau­ru.

O Flá­vio sa­bia des­se meu “lu­xo” – o de to­mar ca­fé em xí­ca­ra. Ha­via no bal­cão do jor­nal uma ma­qui­ni­nha de ex­pres­so e, cla­ro, seus co­pi­nhos de plás­ti­co. Eu os usa­va na­tu­ral­men­te. Fa­zer o quê? Mas ha­via di­as, em cer­tas ho­ras im­pre­vis­tas, que o Flá­vio des­cia de sua sa­la, pas­sa­va pe­la mi­nha me­sa e, to­do ani­ma­do com aque­le ros­to sim­pá­ti­co, so­bran­ce­lhas er­gui­das por ci­ma dos ócu­los, da­va uma pa­ra­di­nha, olha­va pa­ra mim meio que rin­do e di­zia: “Va­mos to­mar um ca­fé de xí­ca­ra?”.

E lá ía­mos nós dois, “rou­bar” no ar­má­rio as xí­ca­ras guar­da­das pa­ra as vi­si­tas im­por­tan­tes. De­pois, me­xía­mos o lí­qui­do com as co­lhe­ri­nhas que bus­cá­va­mos na ga­ve­ta da pe­que­na co­zi­nha e to­má­va­mos o ca­fé num meio mi­nu­to de fu­gaz re­a­le­za.

Olhan­do pa­ra os ipês e pa­ra a ve­ge­ta­ção tí­mi­da da ci­da­de, fi­quei pen­san­do que ho­je não de­ve ser ne­nhu­ma da­ta es­pe­ci­al so­bre o Flá­vio – ani­ver­sá­rio, es­sas coi­sas. E, num rom­pan­te poé­ti­co, emen­dei pa­ra mim mes­mo: e daí? Sau­da­de não tem da­ta pa­ra de­sa­bar.

Nis­so, um car­ro mais ba­ru­lhen­to pas­sou em fren­te ao Fran’s e a re­cor­da­ção di­luiu-se no mor­ma­ço das du­as da tar­de.

Compartilhe