Impressões

A mão que pega o filme

quarta-feira, 14 de novembro de 2012 Texto de

Não sei se acon­te­ce com mui­ta gen­te, mas co­mi­go é di­re­to. Na lo­ca­do­ra, gos­to de pe­gar fil­mes so­bre os quais não li, obras ex­cluí­das da in­ter­mi­ná­vel lis­ta do bes­tei­rol hollywo­o­di­a­no. Cla­ro que às ve­zes é de Hollywo­od mes­mo: pri­va­da tam­bém tem pa­pel hi­gi­ê­ni­co. En­fim, sem­pre acer­to (pa­ra meu gos­to, bem di­to). E acon­te­ceu de no­vo. Ti­rei “A pri­mei­ra coi­sa be­la”. Aliás, em ita­li­a­no fi­ca ain­da mais be­la: “La pri­ma co­sa bel­la”.

O fil­me é do ita­li­a­no Pa­o­lo Vir­zi. Pe­lo que vi na in­ter­net, nas­ceu no mes­mo ano que eu: 1964. Que in­ve­ja! Co­mo eu gos­ta­ria de ter fei­to es­se fil­me! Um dra­ma com to­dos os in­gre­di­en­tes de um dra­ma ita­li­a­no: pai­xão, trai­ção, fu­ne­ral, ca­sa­men­to, gen­te que fa­la sem pa­rar...

A his­tó­ria se pas­sa em Li­vor­no, li­to­ral da Itá­lia, em dois mo­men­tos: no iní­cio dos anos 1970, quan­do uma mu­lher (An­na) cheia de in­fe­li­ci­da­des e fo­ra dos pa­drões con­ven­ci­o­nais da épo­ca so­fre pa­ra cui­dar de seus dois fi­lhos – um me­ni­no e uma me­ni­na, e nos di­as atu­ais, quan­do Bru­no, o fi­lho, é cha­ma­do pe­la ir­mã pa­ra acom­pa­nhar os úl­ti­mos di­as da mãe, do­en­te ter­mi­nal.

A par­tir des­se cha­ma­do é que tu­do se de­sen­ro­la. O fi­lho, que se afas­tou de to­dos, vol­ta e pas­sa a re­vi­ver e a en­fren­tar as amar­gu­ras do pas­sa­do, épo­ca em que con­vi­veu com os trau­mas da se­pa­ra­ção dos pais e da fa­ma de sua mãe, com­pos­ta a par­tir de sua be­le­za e dos amo­res que te­ve.

Fil­me co­mo­ven­te que, pa­ra me co­mo­ver ain­da mais, to­ca aque­la par­te ma­ra­vi­lho­sa de “Ca­val­le­ria Rus­ti­ca­na”, o cha­ma­do in­ter­mez­zo, num mo­men­to cru­ci­al: o ca­sa­men­to (mas não é um sim­ples ca­sa­men­to).

Compartilhe