Impressões

‘Uísque sem gelo’, de Vitor Biasoli

sábado, 1 de setembro de 2012 Texto de

“Ar­dem as mon­ta­nhas so­bre as mi­nhas cos­tas”. As­sim co­me­ça o con­to que dá no­me ao li­vro “Uís­que sem ge­lo” (Edi­to­ra Mo­vi­men­to, 2007), do gaú­cho Vi­tor Bi­a­so­li. In­ten­sa e mor­daz, e de uma sen­si­bi­li­da­de des­con­cer­tan­te, a obra reú­ne do­ze his­tó­ri­as tão bem fun­da­das que a im­pres­são é de um fer­ven­te cal­dei­rão, bem ao nos­so la­do, so­bre a bra­sa, exa­lan­do aque­la le­ve fu­ma­ça que nu­bla nos­sa vi­são e aro­mas que cla­rei­am nos­sos sen­ti­dos.

Quem leu “Ca­li­bre 22”, de 1999, co­nhe­ce a pro­fun­di­da­de do au­tor. É um li­vro de po­e­mas cu­ja for­ça li­te­rá­ria se re­pro­duz na pro­sa de “Uís­que”.

Es­te po­e­ma, por exem­plo, me dei­xou doi­do à épo­ca e ja­mais me es­que­ci de­le (não exa­ta­men­te da or­dem das pa­la­vras, não o de­co­rei, ape­nas o guar­dei no sen­ti­do mais am­plo de quan­do apre­en­de­mos al­go que nos va­ra):

Ven­to frio

Quan­do meu pai mor­reu
um ven­to frio que­brou o es­pe­lho
on­de meu ros­to se re­fle­tia

As car­tas que não es­cre­vi
fi­ca­ram per­di­das pa­ra sem­pre

 

É o que eu mais gos­to, em­bo­ra res­pei­te o po­der do “Ca­li­bre 22”:

Guar­do no meu bol­so
uma ba­la ca­li­bre 22
pa­ra mo­ti­vo de ur­gên­cia

Em ca­so de ne­ces­si­da­de
a usa­rei co­mo bi­lhe­te de vi­a­gem
e irei mor­rer num ban­co de pra­ça

Mas se tu­do cor­rer bem
a usa­rei co­mo lem­bre­te
da som­bra que me acom­pa­nha

Há al­guns di­as, ao con­cluir “Uís­que sem ge­lo”, num im­pul­so bus­quei no­va­men­te o “Ca­li­bre 22” pa­ra re­ler, ale­a­to­ri­a­men­te, seus po­e­mas. E ali es­tá, sem dú­vi­da, a por­ta de en­tra­da pa­ra “Uís­que”. Mas es­ta é ape­nas a opi­nião de um lei­tor, não de um crí­ti­co. Pos­so es­tar en­ga­na­do, mas foi o que sen­ti.

Os con­tos que reú­nem adul­té­rio, re­la­ções des­gas­ta­das, lem­bran­ças ju­ve­nis, ques­tões po­lí­ti­cas e ou­tros te­mas do co­ti­di­a­no car­re­gam con­si­go, co­mo se um en­fei­te su­til no ca­be­lo de uma per­so­na­gem ou ocul­to na tin­ta das le­tras im­pres­sas, um quê poé­ti­co que os tor­nam ain­da mais atra­en­tes.

De­ve ser bom ser po­e­ta. Por­que quan­do vo­cê es­cre­ve, a po­e­sia vem jun­to, na­tu­ral­men­te. Se­rá que é as­sim mes­mo? Não sei. Vi­tor Bi­a­so­li me dá es­sa im­pres­são.

No fim de “Uís­que”, a sen­sa­ção foi de que tam­bém nas mi­nhas cos­tas pas­sa­ram a ar­der as mon­ta­nhas.

Ser­vi­ço: pa­ra quem qui­ser com­prar, cli­que aqui

Compartilhe