Impressões

Eu confesso

segunda-feira, 23 de julho de 2012 Texto de

Es­ta é mi­nha avó. To­das as tar­des, ela bo­ta­va um co­po d’água pa­ra ben­zer di­an­te do rá­dio na ho­ra da con­sa­gra­ção; de­pois, ela nos da­va um go­li­nho

Não sou um cren­te con­vic­to. Sem­pre es­ti­ve lon­ge des­sa po­si­ção. Te­nho mui­to mais dú­vi­das e in­cer­te­zas do que fé. En­tre­tan­to, que­ro crer. Qua­se me obri­go a crer na­que­le ros­to no­bre e afe­tu­o­so, de ca­be­los le­ve­men­te lon­gos, que me fi­ta­va des­de a pin­tu­ra re­ves­ti­da de vi­dro na pa­re­de da ca­sa de mi­nha avó. A quem – in­co­e­rên­cia? – sem­pre pe­ço pe­la saú­de e fe­li­ci­da­de de mi­nha fa­mí­lia, de meus ami­gos e de to­dos por aí, em­bo­ra eu sai­ba cla­ra­men­te des­sa im­pos­si­bi­li­da­de.

Di­to is­to, es­tou len­do o li­vro “Pa­la­vras de vi­da”, do Pa­dre Be­to (vou es­cre­ver so­bre o li­vro quan­do aca­bar de ler, es­tou len­do aos pou­cos em meio a ou­tras obras). E ne­le en­con­trei on­tem es­te pen­sa­men­to ex­tra­or­di­ná­rio de San­ta Te­re­sa de Ávi­la: “Uma pro­va de que Deus es­tá co­nos­co não é o fa­to de que não ve­nha­mos a cair, mas que nos le­van­te­mos de­pois de ca­da que­da”.

Por cau­sa des­ta fra­se, li­da on­tem pou­co an­tes de pe­gar no so­no, acor­dei ho­je mais cren­te. Por­que es­sa ideia é uma ideia apli­cá­vel. Es­se Deus me­nos “oni” is­so “oni” aqui­lo, es­se Deus me­nos in­fa­lí­vel, es­se Deus que de re­pen­te po­de es­tar lu­tan­do ao nos­so la­do sem uma cer­te­za pa­ra na­da, me atrai mais, é ca­paz de me fa­zer en­ten­der me­lhor as ma­ra­vi­lhas e as des­gra­ças do mun­do.

Compartilhe