Os gran­des mo­men­tos da his­tó­ria guar­dam tam­bém gran­des his­tó­ri­as de per­so­na­gens que per­ma­ne­cem anô­ni­mos... até que su­as his­tó­ri­as se­jam con­ta­das.  Em agos­to, PATER, o no­vo ro­man­ce de Már­cio ABC


No ani­ver­sá­rio de vin­te anos da que­da do go­ver­no Col­lor, a his­tó­ria co­mo­ven­te de um co­ro­nel do exér­ci­to e um es­tu­dan­te ca­ra-pin­ta­da, pai e fi­lho vi­ven­do um dra­ma per­tur­ba­dor.


VEJA COMO SURGIU A IDEIA

Foi mais ou me­nos as­sim.

En­tre os di­as 18 de ou­tu­bro e 28 de no­vem­bro de 2011, es­cre­vi com­pul­si­va­men­te. Eu ha­via acor­da­do no meio da ma­dru­ga­da com uma his­tó­ria na ca­be­ça. Is­so já ha­via acon­te­ci­do an­tes, mas ape­nas de mo­do frag­men­ta­do. Par­tes de um dos meus ro­man­ces ou de um con­to qual­quer ex­plo­di­am do na­da. Des­sa vez, foi tu­do, a ideia to­da.

Cu­ri­o­sa­men­te, ha­via pou­co tem­po al­guns ami­gos ti­nham co­me­ça­do a ler a pri­mei­ra ver­são (que de­pois des­co­bri es­tar ain­da num es­ta­do bem bru­to) de ou­tro ro­man­ce meu, que nem sei se se­rá pu­bli­ca­do um dia por­que es­tá di­fí­cil la­pi­dar. Dar um tex­to meu pa­ra al­guém ler é pa­ra mim um exer­cí­cio pe­no­so. Me sin­to cons­tran­gi­do, não sei ex­pli­car exa­ta­men­te o porquê.

No ca­so de “Des­ru­mo”, por exem­plo, en­vi­ei ao es­cri­tor gaú­cho Le­o­nar­do Bra­si­li­en­se, de quem fi­quei ami­go pe­la in­ter­net. Tal­vez a dis­tân­cia e a au­sên­cia do con­ta­to pes­so­al te­nham fa­ci­li­ta­do as coi­sas pa­ra mim. O Le­o­nar­do, um ven­ce­dor do Ja­bu­ti, foi co­mo sem­pre fan­tás­ti­co, ana­li­san­do pa­ci­en­te­men­te um li­vro ex­ten­so. Meu pri­mei­ro ro­man­ce, “Pa­ra­ba­la”, foi li­do por ou­tro es­cri­tor gaú­cho, o Vi­tor Bi­a­so­li, tam­bém for­mi­dá­vel, de­di­can­do-se a uma obra de al­guém que ele nun­ca ou­vi­ra fa­lar.

Des­ta vez, co­mo al­guns ami­gos pró­xi­mos já es­ta­vam len­do o tal ou­tro ro­man­ce que eu não sei se um dia se­rá pu­bli­ca­do, re­sol­vi ten­tar uma aná­li­se crí­ti­ca da obra com um pro­fis­si­o­nal sem qual­quer re­la­ção co­mi­go. E, por meio de si­tes es­pe­ci­a­li­za­dos em li­te­ra­tu­ra, a in­di­ca­ção re­caiu so­bre a crí­ti­ca li­te­rá­ria e dou­to­ra em li­te­ra­tu­ra Lú­cia Fac­co. Ela é do Rio de Ja­nei­ro e en­vi­ou uma res­pos­ta que me sur­pre­en­deu pe­la re­cep­ti­vi­da­de e en­tu­si­as­mo so­bre o tex­to. As­sim pu­de me sen­tir se­gu­ro pa­ra man­dá-lo a al­gu­mas edi­to­ras.

Há cer­ca de três me­ses, a Giz Edi­to­ri­al se in­te­res­sou pe­la pu­bli­ca­ção. O li­vro es­tá em fa­se de pro­du­ção. A pre­vi­são é que o li­vro che­gue ao mer­ca­do no iní­cio do se­gun­do se­mes­tre.

Compartilhe