Impressões

‘O museu da inocência’

terça-feira, 23 de agosto de 2011 Texto de

Ca­pa do li­vro edi­ta­do pe­la Com­pa­nhia das Le­tras

Aca­bei de ler “O mu­seu da ino­cên­cia” (Com­pa­nhia das Le­tras, 568 pgs.), do tur­co Orhan Pa­muk, Prê­mio No­bel de Li­te­ra­tu­ra em 2006. Pa­ra quem gos­ta de sa­bo­re­ar um li­vro com cal­ma, sem pres­sa de che­gar ao fim, ab­sor­ven­do a nar­ra­ti­va de mo­do a acei­tar a ve­lo­ci­da­de im­pos­ta pe­lo au­tor, é um pra­to cheio. A his­tó­ria de uma im­pres­si­o­nan­te pai­xão vi­vi­da pe­lo pro­ta­go­nis­ta, Ke­mal, um su­jei­to de trin­ta e pou­cos anos que es­tá pa­ra se ca­sar mas de re­pen­te co­me­ça a mer­gu­lhar num sen­ti­men­to que o do­mi­na com­ple­ta­men­te, não po­de­ria ser con­ta­da de ou­tro mo­do que não fos­se a pas­sos len­tos, com a pa­ci­ên­cia e a per­sis­tên­cia dos aman­tes que não se atro­pe­lam nas ca­rí­ci­as por cau­sa do de­se­jo de che­gar ao clí­max.

Ge­ral­men­te não é fá­cil con­tro­lar nos­so ím­pe­to, is­so em vá­ri­os sen­ti­dos. Mui­tas ve­zes mal sa­bo­re­a­mos o pra­to que pla­ne­ja­mos co­mer, não apro­vei­ta­mos co­mo de­ve­ría­mos a vés­pe­ra de uma fes­ta im­por­tan­te, fi­ca­mos ce­gos pa­ra lan­ces bo­ni­tos do fu­te­bol por­que que­re­mos de­ses­pe­ra­da­men­te que nos­so ti­me fa­ça um gol lo­go e se pos­sí­vel o jo­go aca­be, e cla­ro que­re­mos tan­to sa­ci­ar nos­so de­se­jo se­xu­al que aca­ba­mos eli­mi­nan­do eta­pas pra­ze­ro­sas do pro­ces­so. “O mu­seu...” é, além de tu­do, um en­si­na­men­to pa­ra que nos con­te­nha­mos e sai­ba­mos apro­vei­tar ao má­xi­mo ca­da se­gun­do de nos­sas vi­das.

Em meio às tur­bu­lên­ci­as po­lí­ti­cas da Tur­quia nos anos 1970 e 1980, Orhan Pa­muk te­ce uma teia que aos pou­cos vai nos en­vol­ven­do nu­ma his­tó­ria de amor da­que­las que du­ram dé­ca­das, mas cer­ta­men­te po­de­ri­am le­var sé­cu­los. Cli­que aqui pa­ra ler a si­nop­se do li­vro no si­te da Com­pa­nhia das Le­tras. A nar­ra­ção con­tra­põe tam­bém as acen­tu­a­das di­fe­ren­ças cul­tu­rais e com­por­ta­men­tais da­que­la Tur­quia, cu­jo atra­so tor­na-se la­ten­te nas pá­gi­nas de “O mu­seu...”, e a Eu­ro­pa oci­den­tal. Ques­tões co­mo a vir­gin­da­de e os com­pro­mis­sos im­plí­ci­tos que a re­la­ção en­tre um ho­mem e uma mu­lher su­ge­re à so­ci­e­da­de são pro­fu­sa­men­te de­ba­ti­das no de­cor­rer da nar­ra­ti­va. O au­tor, em­bo­ra dei­xe cla­ro cer­ta des­po­li­ti­za­ção do pro­ta­go­nis­ta, tra­ça um ma­pa es­cla­re­ce­dor de seu país nos anos em que se pas­sa o ro­man­ce.

E é ma­ra­vi­lho­sa a ma­nei­ra en­con­tra­da por Orhan Pa­muk pa­ra con­tar es­sa his­tó­ria, atre­lan­do ao seu de­sen­ro­lar uma gran­de au­la so­bre a im­por­tân­cia dos mu­seus, da his­tó­ria, da me­mó­ria de ca­da um pa­ra que a li­nha mes­tra de ca­da so­ci­e­da­de não se per­ca no va­zio de sua pró­pria de­sin­for­ma­ção. É atra­vés dos ob­je­tos ma­nu­se­a­dos por seu gran­de amor que Ke­mal en­con­tra con­for­to e for­ça pa­ra le­var até o fim seus ob­je­ti­vos na bus­ca da tão es­pe­ra­da con­quis­ta. Por fim, a li­ção de fe­li­ci­da­de di­an­te das coi­sas sim­ples da vi­da, que co­mu­men­te cos­tu­ma­mos dei­xar de la­do, é uma ver­da­dei­ra po­e­sia no meio de uma pro­sa que tam­bém vai nos con­quis­tan­do aos pou­cos, sem pres­sa, até que nos en­con­tre­mos com­ple­ta­men­te sub­ju­ga­dos à ma­es­tria de um dos gran­des es­cri­to­res mun­di­ais.

Compartilhe