Impressões

Como eu festejei o fim do mundo

sábado, 16 de abril de 2011 Texto de

Há um con­cei­to já bas­tan­te di­fun­di­do mes­mo en­tre crí­ti­cos de ci­ne­ma: não são ne­ces­sá­ri­as gran­des pro­du­ções pa­ra se fa­zer um bom fil­me. Mui­tas ve­zes, a sen­si­bi­li­da­de e a na­tu­ra­li­da­de ga­ran­tem um re­sul­ta­do fa­vo­rá­vel. Prin­ci­pal­men­te quan­do obras que se apoi­am nes­ses re­qui­si­tos são vis­tas por um pú­bli­co não de­pen­den­te de ti­ros, bom­bas e ex­plo­sões. “Co­mo eu fes­te­jei o fim do mun­do” é as­sim.

Es­tá cer­to que o fil­me tem a pro­du­ção exe­cu­ti­va de dois mons­tros do ci­ne­ma – Wim Wen­ders e Mar­tin Scor­se­se -, mas o que mais con­tri­bui pa­ra sua efi­cá­cia é mes­mo o mer­gu­lho no co­ti­di­a­no da Ro­mê­nia dos anos 1980. Tu­do co­me­ça quan­do uma ga­ro­ta de 17 anos e seu na­mo­ra­do que­bram um bus­to do di­ta­dor Ce­au­ses­cu e ela é en­vi­a­da a uma es­pé­cie de re­for­ma­tó­rio.

O dra­ma de um país en­vol­vi­do pe­lo atra­so e pe­la fal­ta de pers­pec­ti­va trans­pa­re­ce em pe­que­nos epi­só­di­os de seus per­so­na­gens. Mas o di­re­tor Ca­ta­lin Mi­tu­les­cu sou­be evi­tar que o fil­me se trans­for­mas­se num re­tra­to pe­sa­do da­que­les anos ter­rí­veis pa­ra o po­vo ro­me­no.

E is­so foi pos­sí­vel gra­ças ao olhar de um ga­ro­ti­nho, ir­mão da pro­ta­go­nis­ta, que em sua in­ge­nui­da­de (afei­ta a to­dos os me­ni­nos do uni­ver­so, vi­vam eles em de­mo­cra­ci­as ou em di­ta­du­ras) pla­ne­ja ma­tar o di­ta­dor Ce­au­ses­cu. Uma das ce­nas fi­nais, quan­do os ami­gos do ga­ro­ti­nho vi­bram pen­san­do que ele con­se­gui­ra o fei­to, ilus­tra es­se tom le­ve e hi­lá­rio que se mis­tu­ra com a at­mos­fe­ra lú­gu­bre de um po­vo sub­ju­ga­do.

Exa­ge­rou – Eu não ti­nha vis­to ain­da “Apa­re­ci­da, o mi­la­gre”. E acho que só pe­guei na lo­ca­do­ra por­que le­va a as­si­na­tu­ra de Ti­zu­ka Ya­ma­sa­ki. Di­fi­cil­men­te, es­se ti­po de obra con­se­gue en­cai­xar o tom. E a ve­lha e boa Ti­zu­ka tam­bém não con­se­guiu. A his­tó­ria, ao con­trá­rio do que pos­sa pa­re­cer, é até boa. Mas a ma­nei­ra co­mo o ho­mem cé­ti­co (Mu­ri­lo Ro­sa) é to­ca­do pe­la fé de­cep­ci­o­nou e fi­cou pa­re­cen­do no­ve­la das seis. En­fim, não é ruim. Mas fal­tou, tal­vez, uma isen­ção mai­or.

Aler­ta má­xi­mo – Só ago­ra vi “A re­de so­ci­al”. Um fil­me in­te­li­gen­te e re­ve­la­dor so­bre a atu­al ge­ra­ção hu­ma­na – pes­so­as cu­jos es­crú­pu­los fu­gi­ram com­ple­ta­men­te ao seu do­mí­nio. Pes­so­as, pa­ra­do­xal­men­te, pe­din­do so­cor­ro sem que al­guém pos­sa ou­vi-las num uni­ver­so ha­bi­ta­do por mi­lhões de pes­so­as: o uni­ver­so das si­lhu­e­tas, on­de as pes­so­as se es­con­dem das pes­so­as.

Compartilhe