Eis uma bre­ve si­nop­se:
Es­cri­tor é in­for­ma­do so­bre a mor­te de um ve­lho fa­zen­dei­ro re­clu­so cu­jo ex­tra­or­di­ná­rio dra­ma pes­so­al lhe fo­ra nar­ra­do em qua­ren­ta e pou­cas car­tas re­ce­bi­das e guar­da­das há al­gum tem­po. Ago­ra, a nar­ra­ti­va é res­ga­ta­da da ga­ve­ta e vai tra­zer à luz a sa­ga de um su­jei­to que pas­sa a vi­da ob­ce­ca­do pe­lo seu gran­de amor.

Sua pas­sa­gem da ado­les­cên­cia pa­ra a fa­se adul­ta, em me­a­dos do sé­cu­lo pas­sa­do nu­ma re­gião agres­te, re­ve­la a cons­tru­ção de uma per­so­na­li­da­de que aos pou­cos é en­du­re­ci­da pe­las se­ve­ras li­ções da vi­da – no amor e na re­la­ção com seus úni­cos dois gran­des ami­gos.

En­tre­me­a­da de pre­sen­te e pas­sa­do, a nar­ra­ção ex­põe os ex­tre­mos do adul­to en­ve­lhe­ci­do e mar­ca­do pe­las do­lo­ro­sas per­das so­fri­das em sua ju­ven­tu­de e do jo­vem às vol­tas com aven­tu­ras, so­nhos e tra­gé­di­as cu­jas ori­gem e con­sequên­ci­as in­di­cam sem­pre o mes­mo ru­mo: a ob­ses­são por um amor que cons­tan­te­men­te lhe es­ca­pa de ma­nei­ra ine­xo­rá­vel, trans­for­man­do sua exis­tên­cia no tí­tu­lo da obra: Des­ru­mo.

Si­mul­ta­ne­a­men­te à sa­ga do pro­ta­go­nis­ta, com­põem-se a cô­mi­ca ce­na po­lí­ti­ca da re­gião on­de se pas­sa o en­re­do; os acon­te­ci­men­tos que bei­ram o fan­tás­ti­co e in­clu­em um in­qui­e­tan­te mer­gu­lho em ce­ná­ri­os cri­mi­no­sos; e os ca­sos que re­ve­lam a sim­pli­ci­da­de e as pro­fun­de­zas que ha­bi­tam o co­ti­di­a­no cru do cam­po.

As ale­gri­as, os dra­mas e as frus­tra­ções do pro­ta­go­nis­ta en­tre­cru­zam-se com os ca­mi­nhos im­pen­sá­veis aber­tos pe­la vi­da, que po­dem a qual­quer mo­men­to trans­for­mar os ru­mos de uma exis­tên­cia. Des­ru­mo é uma ver­da­dei­ra ode ao amor e à ami­za­de.

Pri­mei­ro lan­ça­men­to se­rá em Bau­ru, no Tem­plo Bar

Palavras-chave

Compartilhe