Impressões

O filósofo da palavra fácil

segunda-feira, 25 de outubro de 2010 Texto de

“Se Deus exis­tir, pen­so que pou­co se lhe da­rá se eu
afir­mar ou ne­gar sua exis­tên­cia. Não se­rá a mi­nha cren­ça que irá
criá-lo, nem ele dei­xa­rá de exis­tir se ne­le eu não crer.”

Luiz Vi­tor Mar­ti­nel­lo aca­ba de lan­çar mais dois li­vros: “Po­e­mas da qua­se re­li­gi­o­si­da­de” e “Gos­to dos di­as de mui­to sol (só pra fi­car na som­bra)”. Se­ria re­dun­dân­cia fa­lar da qua­li­da­de e da pe­ga­da poé­ti­ca do es­cri­tor bau­ru­en­se. A his­tó­ria de Luiz Vi­tor, que na dé­ca­da de 1970 co­me­çou com tu­do na cha­ma­da po­e­sia mar­gi­nal e que lá pe­los anos 1980 cau­sou po­lê­mi­ca na­ci­o­nal com o po­e­ma “Fi­nal Fe­liz, Na­tal!”, é ri­ca em ver­sos, sá­ti­ras e emo­ções.

Com­prei os dois li­vros e não os li nu­ma ta­ca­da só por­que fi­quei com pe­na de aca­bar lo­go du­as obras de­li­ci­o­sas. En­fim, não deu pa­ra es­pe­rar mui­to e no ou­tro dia, fe­chei a lei­tu­ra. Cla­ro que a boa li­te­ra­tu­ra, es­pe­ci­al­men­te a po­e­sia, nun­ca se es­go­ta, mes­mo de­pois de li­da. Ela vai, aos pou­cos, co­lan­do em nos­sa al­ma e nos­sa al­ma vai, aos pou­cos, ab­sor­ven­do sua gran­di­o­si­da­de.

São de­ze­nas de po­e­mas que fa­lam prin­ci­pal­men­te do co­ti­di­a­no, uni­ver­so ao qual Luiz Vi­tor de­di­ca-se com pro­fun­di­da­de. É cu­ri­o­so que al­guns de seus es­cri­tos não pas­sam de du­as ou três li­nhas, e mes­mo as­sim, mes­mo bre­ves, são ca­pa­zes de nos le­var às pro­fun­das de sua fa­bu­lo­sa en­ge­nho­si­da­de. Al­go que tam­bém me atraiu bas­tan­te é a aber­tu­ra de “Po­e­mas...”, o que ele cha­ma de in­trói­to e in­ti­tu­la “Qual­quer pa­la­vra”.

Nes­sas li­nhas, o po­e­ta tra­duz ra­pi­da­men­te e com in­crí­vel ca­pa­ci­da­de de sín­te­se sua re­la­ção po­lê­mi­ca com o To­do-po­de­ro­so. Num li­vro de po­e­sia, a pro­sa ini­ci­al faz de Luiz Vi­tor Mar­ti­nel­lo um fi­ló­so­fo da pa­la­vra fá­cil, com­pre­en­sí­vel e, di­ga-se, ma­du­ra. Ma­du­ra pa­ra um ca­ra que bri­gou com Deus (quan­do o fi­lho mor­reu) e que ago­ra, num ges­to de ge­ne­ro­si­da­de, é até ca­paz de de­di­car-se a re­ve­rên­ci­as se cru­zar com o ex-ini­mi­go do mes­mo la­do da cal­ça­da.

Compartilhe