Impressões

Guerras do presente e do passado

segunda-feira, 11 de outubro de 2010 Texto de


En­quan­to nes­te fim de se­ma­na um mon­tão de gen­te foi ver “Tro­pa de eli­te 2”, eu vi três fil­mes. O pri­mei­ro foi “Lord Jim”, que eu com­prei no Sub­ma­ri­no. Fa­zia tem­po que eu que­ria as­sis­tir. Mas nun­ca achei nas lo­ca­do­ras. “Ah, acho que es­se eu vou fi­car de­ven­do.” “Vou es­tar pro­cu­ran­do em nos­so ar­qui­vo, mas não sei não...” “Se­rá que já che­gou ao Bra­sil?” Bem, o fil­me é de 1965. E tem Pe­ter O’ To­o­le no pa­pel prin­ci­pal.

Ba­se­a­do no li­vro ex­tra­or­di­ná­rio de Jo­seph Con­rad, o fil­me nar­ra a sa­ga de Ja­mes Bur­ke, pri­mei­ro ofi­ci­al de um na­vio a va­por que aban­do­na a em­bar­ca­ção du­ran­te uma tem­pes­ta­de e vai car­re­gar pa­ra sem­pre o pe­so de sua co­var­dia.

Além de Pe­ter O’ To­o­le, des­ta­que pa­ra Eli Wal­la­ch, ex­cep­ci­o­nal ator que fez mui­tos fil­mes que eu gos­to. Ele foi o feio Tu­co em “Três ho­mens em con­fli­to” e o Don Al­to­bel­lo em “O po­de­ro­so che­fão – par­te III”. Tra­ba­lhou tam­bém, en­tre ou­tros, em “Se­te ho­mens e um des­ti­no” e “So­bre me­ni­nos e lo­bos”.

Cla­ro que o fil­me, di­ri­gi­do por Ri­chard Bro­oks, não po­de­ria se apro­xi­mar da gran­di­o­si­da­de do li­vro de Con­rad, mas mes­mo as­sim va­le a pe­na. Um mo­men­to es­pe­ci­al: quan­do Bur­ke diz que a di­fe­ren­ça en­tre um he­rói e um co­var­de não che­ga à es­pes­su­ra de uma fo­lha de pa­pel.

Os ou­tros dois fil­mes que vi fo­ram: “Ca­ro Sr. Hor­ten” e “De­pois da vi­da”. O pri­mei­ro é do no­ru­e­guês Bent Ha­mer e con­ta os úl­ti­mos di­as de tra­ba­lho de um con­du­tor de trem pe­la ge­la­da no­ru­e­ga. Ele es­tá pres­tes a se apo­sen­tar e a per­gun­ta é: o que es­se su­jei­to cir­cuns­pec­to fa­rá a par­tir de ago­ra?

O ou­tro fil­me, de 1998, é o ja­po­nês “De­pois da vi­da”, do re­no­ma­do di­re­tor Ki­ro­ka­zu Ko­re-eda. Num lu­gar en­tre a Ter­ra e o des­co­nhe­ci­do, gui­as es­pi­ri­tu­ais tra­tam de des­co­brir das pes­so­as que aca­ba­ram de mor­rer mo­men­tos que elas gos­ta­ri­am que fos­sem a prin­ci­pal re­cor­da­ção de sua vi­da. É com es­sa lem­bran­ça que elas pas­sa­rão a eter­ni­da­de.

O ba­ca­na do fil­me é a sim­pli­ci­da­de do ro­tei­ro: o mo­men­to es­co­lhi­do pe­los mor­tos é trans­for­ma­do em fil­me pe­la “equi­pe” de gui­as. O que eu po­de­ria di­zer? To­can­te? Acho que sim.

Cu­ri­o­sa­men­te, os três fil­mes mos­tram, sob ân­gu­los di­fe­ren­tes, a guer­ra que uma ho­ra ou ou­tra pre­ci­sa­re­mos tra­var com nos­so pas­sa­do. E es­sa guer­ra, pa­re­ce-me, po­de ser mais cru­el e de­vas­ta­do­ra do que as guer­ras que tra­va­mos no pre­sen­te.

Abai­xo, trai­ler de “De­pois da vi­da” (não achei le­gen­da­do)

Abai­xo, trai­ler de “Ca­ro Sr. Hor­ten”

Compartilhe