Contos

O poder do olhar

sexta-feira, 10 de setembro de 2010 Texto de

Di­zem que em cer­tas oca­siões um olhar va­le mais que mil pa­la­vras. Co­mo aqui não po­de­rei ex­pri­mir, atra­vés da ima­gem re­ti­da em mi­nha men­te, o olhar ao qual me re­fi­ro, ten­ta­rei ex­pli­cá-lo com pa­la­vras. Não sei se mil se­rão su­fi­ci­en­tes, mas as­sim mes­mo aí vão elas.

Des­de a pri­mei­ra vez que a vi, in­co­mo­dei-me. Is­so já faz bas­tan­te tem­po, mas eu sou ca­paz de lem­brar-me per­fei­ta­men­te. Co­mo fa­zia to­dos os di­as na­que­le ho­rá­rio, en­cos­tei-me ao bal­cão e pe­di um ca­fé. Ao vi­rar-me, en­quan­to es­pe­ra­va pe­la gar­ço­ne­te, foi bem quan­do acon­te­ceu. A ve­lha, de ca­be­los com­pri­dos e far­tos, abriu uma bo­ca gran­de pa­ra di­zer-me umas pa­la­vras de pou­co sen­ti­do pa­ra di­zer-se a um es­tra­nho, al­go co­mo “o se­nhor ago­ra só vi­a­ja du­ran­te o dia...” Sim, eu já vi­a­ja­va ape­nas du­ran­te o dia, mas por que a ob­ser­va­ção em tom de cons­ta­ta­ção de uma des­co­nhe­ci­da qual­quer? Con­fes­so que so­men­te pen­sei nes­se por­me­nor um pou­co mais tar­de. Na­que­le ins­tan­te, quan­do ela fi­ta­va-me de ma­nei­ra em­ble­má­ti­ca, só pu­de mes­mo pres­tar aten­ção em seu olhar, um olhar cu­jos con­tor­nos e in­ten­si­da­de não me pa­re­ci­am iné­di­tos.

Le­vei ain­da al­gum tem­po pa­ra des­co­brir a ori­gem de meu incô­mo­do. De­pois do epi­só­dio ocor­ri­do no res­tau­ran­te de um pos­to ao pé da ser­ra, on­de a pa­ra­da do ôni­bus era obri­ga­tó­ria pa­ra aque­la li­nha, nos­sos en­con­tros tor­na­ram-se fre­quen­tes. As­sim, lo­go pu­de ima­gi­nar que a pri­mei­ra vez não fo­ra um lan­ce oca­si­o­nal. Em du­as ou três ve­zes na se­ma­na, a ve­lha es­for­ça­va-se em apro­xi­mar-se e, com o mes­mo ar in­tri­gan­te de sem­pre, fa­zer um ou ou­tro co­men­tá­rio cu­jo pro­pó­si­to pa­re­cia ser in­ci­tar-me a ex­pli­car o mo­ti­vo da mu­dan­ça em meu ho­rá­rio de tra­ba­lho. “O se­nhor não vi­a­ja mais du­ran­te a noi­te” e coi­sa e tal. Mi­nhas res­pos­tas con­fi­gu­ra­vam-se cons­tan­te­men­te em eva­si­vas, des­cul­pas rá­pi­das e va­zi­as di­an­te da co­bran­ça inu­si­ta­da so­bre um as­sun­to que eu pro­cu­ra­va evi­tar, mes­mo em meus pen­sa­men­tos.

En­tão, nu­ma cer­ta tar­de, du­ran­te um des­ses rá­pi­dos diá­lo­gos que tra­vá­va­mos en­tre o bal­cão do ca­fé e a por­ta do res­tau­ran­te, tal­vez oca­si­o­na­da por um ân­gu­lo de vi­são a par­tir do qual até ali eu não a ti­nha ob­ser­va­do, a fa­gu­lha de mi­nha lem­bran­ça acen­deu-se e eu sou­be exa­ta­men­te do que se tra­ta­va aque­le olhar.

Es­sa his­tó­ria co­me­ça há mui­to tem­po, mas en­con­tra-se tão vi­va em mi­nha me­mó­ria que pos­so per­cor­rer seus mais pro­fun­dos de­ta­lhes. Ao con­trá­rio de ou­tras noi­tes da­que­le pe­río­do de in­ver­no, quan­do a ne­bli­na tu­mul­tu­a­va a des­ci­da, aque­la ma­dru­ga­da de ju­nho en­tra­va mui­to lim­pa, per­mi­tin­do mes­mo às es­tre­las dis­tan­tes um bri­lho in­ten­so que en­fei­ta­va o fir­ma­men­to de ma­nei­ra ex­tra­or­di­ná­ria em meio à es­cu­ri­dão. Com o vul­to da ser­ra cres­cen­do so­bre nos­sas ca­be­ças, fa­zía­mos uma des­sas vi­a­gens que se po­de con­si­de­rar ab­so­lu­ta­men­te sos­se­ga­da. Meio de se­ma­na, pas­sa­va um pou­co da meia-noi­te, e qua­se nin­guém se atre­via a en­fren­tar o frio. Vi­a­já­va­mos com me­ta­de da lo­ta­ção, a mai­o­ria ti­ran­do um co­chi­lo ou dor­min­do pro­fun­da­men­te. Es­se era o am­bi­en­te. De re­pen­te, hou­ve o ines­pe­ra­do. A ra­pi­dez com que tu­do ocor­reu im­pe­diu qual­quer re­a­ção de mi­nha par­te. Foi-me pos­sí­vel ape­nas re­du­zir a ve­lo­ci­da­de à me­di­da que per­ce­bi o aci­den­te. No meio da es­tra­da, ris­can­do o as­fal­to de san­gue, es­ta­va o cor­po de um ho­mem, com­ple­ta­men­te des­fi­gu­ra­do.

O pro­ces­so ju­di­ci­al, na­tu­ral­men­te, isen­tou-me de cul­pa. Di­fi­cil­men­te, um mo­to­ris­ta po­de­ria ser acu­sa­do do quer que fos­se nu­ma si­tu­a­ção da­que­las. Os pe­ri­tos con­cluí­ram que o su­jei­to ati­rou-se à fren­te do ôni­bus. Por­tan­to, sui­ci­dou-se. Du­as se­ma­nas de­pois, foi en­ter­ra­do co­mo in­di­gen­te. Por uns di­as, fi­quei afas­ta­do de meu tra­ba­lho. Na ver­da­de, era vi­sí­vel até aos me­nos avi­sa­dos que eu me en­con­tra­va mui­to per­tur­ba­do. Se vo­cê já pas­sou por um epi­só­dio as­sim, po­de achar que sa­be do que es­tou fa­lan­do, mas, meu ca­ro, nes­se ca­so eu di­ria que vo­cê es­tá com­ple­ta­men­te equi­vo­ca­do.

Nos me­ses se­guin­tes, ami­gos e fa­mi­li­a­res vi­nham di­zer-me pa­la­vras cui­da­do­sa­men­te es­co­lhi­das, cu­ja pre­ten­são pa­re­cia ser res­ga­tar-me do que con­si­de­ra­vam tra­tar-se de um ter­rí­vel sen­ti­men­to de cul­pa. Co­mo eu po­de­ria re­a­gir a tal com­por­ta­men­to da par­te de­les? Co­mo eu po­de­ria ex­pli­car-lhes o con­teú­do de meu tor­men­to? Não foi por pou­co tem­po que me de­ti­ve à pos­si­bi­li­da­de de ter si­do atin­gi­do por uma sú­bi­ta lou­cu­ra, tal­vez fru­to do ine­vi­tá­vel cho­que de pa­vor. Às mi­nhas cren­ças, agar­rei-me o quan­to pu­de, mas na­da se mos­tra­va ca­paz de sos­se­gar meus pen­sa­men­tos, até o dia em que, num lap­so, re­ve­lou-se a mim a es­sên­cia do olhar da ve­lha fa­çu­da.

Des­de en­tão, es­tou cer­to de mi­nhas fa­cul­da­des men­tais. Não há lou­cu­ra, a não ser a por­ção co­mum exis­ten­te em to­dos os se­res hu­ma­nos. Tam­pou­co hou­ve alu­ci­na­ção ou coi­sa pa­re­ci­da. Ocor­reu ape­nas al­go que cos­tu­ma fu­gir aos nos­so ce­gos olha­res. Pou­co an­tes do aci­den­te, quem sa­be por aca­so, quem sa­be por­que as­sim quis um des­ti­no que mui­tos su­põem exis­tir, mi­nha vi­são des­vi­ou-se por um se­gun­do da es­tra­da à fren­te. Foi exa­ta­men­te quan­do ele atra­ves­sa­va a pis­ta, não o ho­mem que um mi­nu­to de­pois ja­zia es­ti­ra­do no meio do as­fal­to, de ma­nei­ra ne­nhu­ma. É cu­ri­o­so es­cre­ver es­sas pa­la­vras com ta­ma­nha cer­te­za quan­do me lem­bro de tan­tas dú­vi­das que me per­tur­ba­ram na­que­les di­as; quan­do me lem­bro de ter-me for­ça­do a crer nu­ma men­ti­ra bem mais con­for­tá­vel do que a ver­da­de que ho­je de­fen­do com ab­so­lu­ta se­gu­ran­ça.

À me­di­da que, em sua sel­va­gem be­le­za ne­gra, ele ocu­pa­va-se de seu úl­ti­mo sal­to bem di­an­te dos fa­róis, à mar­gem, as­sus­ta­da com o pe­ri­go imi­nen­te, ela de­ti­nha-se a tem­po. As­sim, fre­an­do o ôni­bus, não pu­de ti­rar meus olhos dos de­la. De­pois, quan­do des­ci, en­quan­to os de­mais cor­ri­am na di­re­ção da tra­sei­ra, acom­pa­nhan­do o ris­co de san­gue que a cri­a­tu­ra, ago­ra já ape­nas um ho­mem nu, des­pe­ja­va na es­tra­da, apres­sei-me em se­guir por al­guns me­tros a fê­mea apa­vo­ra­da so­bre su­as pa­tas he­si­tan­tes. Mas, sú­bi­to, ela dis­pa­rou pa­ra a ma­ta, ve­loz, a cau­da ne­gra con­fun­din­do-se com o breu, dei­xan­do-me ape­nas a mar­ca da­que­le olhar, cu­ja lem­bran­ça ocor­reu-me tem­pos mais tar­de, no pos­to ao pé da ser­ra. Ali, per­ce­ben­do-me des­con­ser­ta­do e de­fi­ni­ti­va­men­te ci­en­te da­que­la ver­da­de in­con­tes­tá­vel que se es­ta­be­le­cia bem di­an­te de mi­nha vi­são, ela afrou­xou o sem­blan­te e seus tra­ços ali­vi­a­ram-se co­mo se de­la afluís­se um en­ter­ne­ci­men­to ca­paz de con­ce­der-me seu per­dão.

Des­de en­tão, des­de es­se acer­to de con­tas, nun­ca mais a vi. Ago­ra, são ou­tros os meus tor­men­tos. Pen­so ne­la em su­as noi­tes so­li­tá­ri­as, em seus pas­sos em meio à es­cu­ri­dão da ma­ta, e uma an­gús­tia per­cor­re-me a al­ma, co­mo se es­ti­ves­se me cha­man­do a um de­ver ou, quem sa­be, a um des­ti­no. A um des­ti­no re­a­vi­va­do quan­do, em mi­nha men­te, aque­les olhos pou­sam so­bre mim to­do o seu po­der.

Compartilhe