Contos

O pastor

terça-feira, 7 de setembro de 2010 Texto de

Ele era bri­lhan­te.

Pou­cas ve­zes as pes­so­as que pas­sam di­an­te da igre­ja ou mes­mo aque­las que en­tram sen­ti­ram-se tão ad­mi­ra­das. Ele es­ta­va ali na­que­la tar­de em que a som­bra da tor­re de con­cre­to já to­ma­va me­ta­de das es­ca­da­ri­as.

Seu olhar era tran­qui­lo e aten­to. E pas­sa­va aos fiéis a sen­sa­ção de um es­tra­nho bem es­tar. Pa­re­cia mes­mo sor­rir pa­ra as pes­so­as, em­bo­ra não o fi­zes­se. Al­guém pen­sou: “olho pa­ra ele e não sin­to a opres­são e até o me­do que às ve­zes te­nho de al­guns pas­to­res”.

O sol es­con­deu-se atrás do pré­dio. As es­ca­das as­som­bre­a­das en­che­ram-se de pas­sos. To­dos ob­ser­va­vam aque­la fi­gu­ra cu­ja ima­gem im­po­nen­te, lo­go à por­ta do tem­plo, trans­mi­tia um quê de bon­da­de. Os fiéis, sem per­ce­ber, sor­ri­am pa­ra si mes­mos.

À ho­ra da pa­la­vra, os úl­ti­mos cren­tes em Deus, os úl­ti­mos te­men­tes a Deus, os úl­ti­mos fi­lhos de Deus, os úl­ti­mos que che­ga­ram, es­tes per­sig­na­ram-se sob seu olhar. Nin­guém o con­vi­dou pa­ra en­trar. Fe­cha­ram-lhe a por­ta na ca­ra.

E ele des­ceu os de­graus com a mes­ma ca­ra tran­qui­la, com o mes­mo olhar aten­to, e foi sen­tar-se à por­ta de um bar qual­quer, on­de um bê­ba­do qual­quer o cha­mou de um no­me qual­quer e ati­rou-lhe um os­so qual­quer.

*** Ho­me­na­gem a um lin­do pas­tor ale­mão que vi ho­je ao en­tar­de­cer.

Compartilhe