Impressões

A menina e o diabo

domingo, 15 de agosto de 2010 Texto de

As­sim co­mo mui­tos ou­tros que as­so­lam o pla­ne­ta to­dos os di­as, o ca­so da me­ni­na de 5 anos de ida­de que mor­reu no Rio de Ja­nei­ro e foi en­ter­ra­da nes­te do­min­go de­pois de apre­sen­tar si­nais de maus-tra­tos, de­pois de fi­car qua­se um mês em co­ma e de­pois de ter si­do aten­di­da por um mé­di­co que não era mé­di­co, o ca­so des­sa po­bre cri­an­ça é a ar­qui­te­tu­ra sór­di­da de um mun­do que, en­fim, não é bom.

O ro­tei­ro de ter­ror a que foi sub­me­ti­da es­sa cri­an­ça mos­tra cla­ra­men­te co­mo o ser hu­ma­no, en­tre to­dos os se­res vi­vos, é o mais fi­lho da pu­ta que exis­te. Igre­jas dos mais di­ver­sos gê­ne­ros, pa­dres, pas­to­res, ra­bi­nos e o di­a­bo que o par­ta vi­vem num mun­do di­vi­di­do en­tre o bem e o mal, en­tre o céu e o in­fer­no, en­tre Deus e o di­a­bo. Mas pa­ra que tan­ta fi­lo­so­fia? Pa­ra que tan­to pa­po fu­ra­do? Pa­ra que tu­do is­so, se na ver­da­de tu­do é tão cla­ro co­mo um dia en­so­la­ra­do?

O di­a­bo so­mos nós. Pon­to fi­nal.

Palavras-chave

Compartilhe