Impressões

Cuidado, grandões!

quinta-feira, 17 de junho de 2010 Texto de

Es­ta Co­pa es­tá meio es­qui­si­to­na, hein? Fran­ça qua­se fo­ra de­pois da der­ro­ta de 2 a 0 pa­ra o Mé­xi­co. A fa­vo­ri­ta Es­pa­nha per­deu pa­ra a Sui­ça. Os do­nos da ca­sa, pe­la pri­mei­ra vez na his­tó­ria, po­dem cair já na pri­mei­ra fa­se. Os afri­ca­nos de­cep­ci­o­nan­do exa­ta­men­te quan­do jo­gam “em ca­sa”. A Ale­ma­nha jo­gan­do bo­ni­to!!!

Sei lá... Co­pa do Mun­do tem sem­pre seu se­le­to gru­po – são ape­nas se­te cam­peões mun­di­ais. Qua­se to­das as fi­nais ex­clu­em as cha­ma­das ze­bras. Mas a ver­da­de é que uma ho­ra des­sas a coi­sa po­de mu­dar. Se­rá que che­gou a vez de um no­vo cam­peão mun­di­al nes­ta Co­pa es­tra­nha em que tu­do pa­re­ce ser pos­sí­vel?

Bom, eu não acre­di­to. Acho que, mais uma vez, te­re­mos um cam­peão do se­le­to gru­po. No má­xi­mo, no má­xi­mo, dá Ho­lan­da, que, aliás, já me­re­ce faz tem­po. Mas é bom os gran­dões fi­ca­rem de olho.

Ma­ra­do­na

O jo­gui­nho que o Ma­ra­do­na faz com a im­pren­sa é fa­bu­lo­so. Além de ter si­do um cra­que em cam­po, fo­ra de­le o ca­ra tam­bém sa­be atrair os ho­lo­fo­tes. Mas aqui vai mi­nha im­pres­são: acho que é mui­ta fa­ro­fa pra pou­co chur­ras­co.

Já vi vá­ri­os jor­na­lis­tas bra­si­lei­ros res­pon­den­do às pro­vo­ca­ções fei­tas con­tra o Pe­lé, por exem­plo. Ele tam­bém pro­vo­cou os fran­ce­ses. En­fim, ele dis­pa­ra pa­ra o la­do que es­ti­ver vi­ra­do. Mas, afi­nal, quem é Ma­ra­do­na?

Ma­ra­do­na é um su­jei­to que até po­de ser cam­peão mun­di­al co­mo téc­ni­co, mas foi no cam­po seu pe­que­no rei­na­do. Foi um gran­de cra­que, co­mo Zi­co, Ri­vel­li­no, Pla­ti­ni, Eu­zé­bio e mais al­guns. Fo­ra das qua­tro li­nhas, e prin­ci­pal­men­te ago­ra na Co­pa do Mun­do, Ma­ra­do­na é um bo­bo da cor­te. Na­da mais.

Dá até pra ima­gi­nar o bai­xi­nho gor­do fa­zen­do pi­ru­e­tas à fren­te do rei que ele man­dou “vol­tar pa­ra o mu­seu”.

En­fim, ele é en­gra­ça­do. Faz a gen­te rir. Se ele ga­nhar a Co­pa, pal­mas pra ele. Às ve­zes, uma gran­de con­quis­ta tor­na as pes­so­as hu­mil­des por­que, da­li em di­an­te, pou­ca coi­sa se po­de fa­zer a mais.

Im­pren­sa vi­ci­a­da

É cu­ri­o­so co­mo a im­pren­sa es­por­ti­va tra­ta cer­tos re­sul­ta­dos da Co­pa. O Mé­xi­co faz uma gran­de par­ti­da e der­ro­ta os vi­ce-cam­peões mun­di­ais, mas não ven­cem: é a Fran­ça que per­de. O Pa­ra­guai dei­xa a al­ma no gra­ma­do, mas é a Itá­lia que, de no­vo, co­me­çou mal. O Uru­guai faz tu­do cer­to, me­te 3 a 0, mas a Áfri­ca es­tá tris­te. Eu dis­se que é cu­ri­o­so. Não que es­tá er­ra­do.

Compartilhe