Crônicas

Novos desafios

segunda-feira, 12 de Abril de 2010 Texto de

Em 2004, nu­ma de mi­nhas vi­a­gens a tra­ba­lho (na épo­ca eu da­va au­las de jor­na­lis­mo em du­as ci­da­des do In­te­ri­or), se­guia bem à mi­nha fren­te um ca­mi­nhão pe­que­no, e so­bre a car­ro­ce­ria ba­lan­ça­vam al­guns en­gra­da­dos nu­ma car­ga mui­to mal ar­ru­ma­da em que pes­co­ços de ga­li­nhas ou fran­gos, sei lá, mos­tra­vam-se sob aque­le ar pers­cru­ta­dor tí­pi­co des­sas aves.

Por um des­ses ins­tan­tes de per­di­dos pen­sa­men­tos, em que me es­que­ci com­ple­ta­men­te dos fi­lés em­pa­na­dos, das ga­li­nha­das e das co­xi­nhas, veio-me à men­te uma bre­ve co­mi­se­ra­ção. Po­bres bi­chos pre­sos, de­vo ter pen­sa­do.

Co­mo a ro­do­via era de pis­ta sim­ples e apro­xi­ma­va-se pe­ri­go­sa­men­te uma cur­va, man­ti­ve-me atrás, obe­de­cen­do a cer­ta dis­tân­cia que me per­mi­tis­se uma ma­no­bra de emer­gên­cia ca­so uma da­que­las cai­xas vi­es­se abai­xo. E não deu ou­tra. Pou­co an­tes da cur­va, uma de­las vo­ou fo­ra da pis­ta e es­pa­ti­fou-se no acos­ta­men­to, li­ber­tan­do al­gu­mas aves.

Di­an­te do pe­que­no aci­den­te, eu pra­ti­ca­men­te pa­rei o car­ro, en­quan­to ob­ser­va­va dois su­jei­tos cor­ren­do atrás dos ex-de­ten­tos à bei­ra da es­tra­da. E, não sei por que mo­ti­vo, tor­cen­do pa­ra que eles es­ca­pas­sem.
E um de­les re­al­men­te adi­an­tou-se em meio a um pe­que­no ma­ta­gal, atra­ves­sou a cer­ca e dei­xou pa­ra trás os per­se­gui­do­res, que cer­ta­men­te fa­zi­am seus cál­cu­los e con­cluíam que an­tes meia dú­zia de ga­li­nhas ou fran­gos, sei lá, nas mãos do que um a mais ten­tan­do li­vrar-se de­les.

O di­a­bo é que – eu pu­de ver en­quan­to já tra­fe­ga­va ao la­do do ca­mi­nhão es­ta­ci­o­na­do – o fu­gi­ti­vo foi sur­pre­en­di­do por um be­lo vi­ra-la­ta, que pas­sou a al­mo­çá-lo sem qual­quer ce­rimô­nia.

Às ve­zes, não com­pen­sa fu­gir de nos­so des­ti­no quan­do ele se mos­tra con­trá­rio aos nos­sos pla­nos. Po­de ha­ver al­go ain­da pi­or a nos es­pe­rar nu­ma ou­tra en­cru­zi­lha­da. Mas quem sa­be­rá? Quem diz que aque­la ave bran­ca que le­vou a pri­mei­ra bo­ca­da do ca­chor­ro não vi­veu na­que­les pou­cos me­tros a mai­or aven­tu­ra de sua vi­da e por is­so mes­mo foi en­go­li­da fe­liz? E quem po­de afir­mar que tão lo­go eu me vol­tei no­va­men­te à es­tra­da, a ga­li­nha ou fran­go, sei lá, não se sol­tou do vi­ra-la­ta e, em vo­os cur­tos, me­teu-se no meio da plan­ta­ção e foi-se em­bo­ra vi­ver um no­vo de­sa­fio? Quem?

Ve­lhos de­sa­fi­os

O jor­na­lis­mo im­pres­so es­tá na bo­ca do vi­ra-la­ta. Sen­do al­mo­ça­do. A re­fei­ção já co­me­çou, mas ain­da há tem­po pa­ra o jor­na­lis­mo im­pres­so. Ca­be­rá aos que o fa­zem es­co­lher en­tre as pe­que­nas e de­fi­ni­das di­men­sões do en­gra­da­do e as in­cer­te­zas da vas­ti­dão lá fo­ra. O ca­mi­nhão pa­rou e pa­re­ce ser um bom mo­men­to pa­ra a es­co­lha.

Palavras-chave

Compartilhe