Colaboradores

Dois minicontos de Ana Flores

sábado, 20 de junho de 2009 Texto de

É DOCE MORRER DE AMOR

Vo­cê não faz ideia do que es­ses brin­cos de pin­gen­te de ame­tis­ta vão fa­zer ao seu pes­co­ci­nho lon­gi­lí­neo e ma­cio. Ao seu per­fil su­a­ve. E aos seus olhos cor de hor­tên­sia. Ex­pe­ri­men­ta e vê se não te­nho ra­zão.

Di­zia coi­sas as­sim quan­do me pre­sen­te­a­va com en­fei­tes e bi­ju­te­ri­as acom­pa­nha­dos de bei­jos. Tu­do o que vi­nha de­le me fa­zia bem, me ale­gra­va o co­ra­ção, des­per­ta­va a mu­lher lin­da que se es­con­dia em mim e que só acor­dou quan­do ele apa­re­ceu. É as­sim que me lem­bro de­le, de ca­da mo­men­to amo­ro­so que pas­sa­mos jun­tos nes­sa fe­li­ci­da­de di­fí­cil de ex­pli­car.

Foi ele que, mui­to tem­po de­pois, aos pran­tos, me pôs os brin­cos de ja­de, pre­sen­te do pri­mei­ro Na­tal que pas­sa­mos jun­tos, es­co­lheu o ves­ti­do, pe­diu à ma­ni­cu­re a cor de­fi­ni­ti­va pa­ra mi­nhas unhas e me ar­ru­mou no cai­xão.

Eu mor­ria de amo­res por ele. Li­te­ral­men­te.

O AMOR É LINDO

Seu amor e uma ca­ba­na à bei­ra-mar é o que bas­ta pa­ra eu vi­ver fe­liz com vo­cê.

Mas even­tu­al­men­te tam­bém um bi­nó­cu­lo, pa­ra quan­do seu amor aca­bar e eu fi­car a ver na­vi­os pe­la ja­ne­la de nos­sa ca­ba­na.

E-mail: anaflores.rj@terra.com.br

Palavras-chave

Compartilhe