Impressões

Costureiras, cozinheiras e jornalistas

terça-feira, 16 de junho de 2009 Texto de

Tem jor­na­lis­ta bra­vo pra bur­ro. O Gil­mar Men­des an­dou com­pa­ran­do jor­na­lis­ta a co­zi­nhei­ra e a cos­tu­rei­ra. Pra mim, a com­pa­ra­ção é uma gran­de hon­ra. Se to­dos os jor­na­lis­tas fos­sem tão cui­da­do­sos na mes­ma pro­por­ção que o são as co­zi­nhei­ras e cos­tu­rei­ras, a qua­li­da­de do jor­na­lis­mo se­ria me­lhor.

Mas is­so não li­vra o pre­si­den­te do Su­pre­mo e sua tur­ma de um gra­ve pe­ca­do: a ex­tin­ção da exi­gên­cia do di­plo­ma de jor­na­lis­mo é ra­di­cal e des­ne­ces­sá­ria.

O exer­cí­cio da pro­fis­são po­de­ria ser me­lho­ra­do com mais fle­xi­bi­li­da­de quan­to à par­ti­ci­pa­ção na es­fe­ra jor­na­lís­ti­ca de pes­so­as de ou­tras áre­as.

Mas o fim do di­plo­ma abre um pe­ri­go­so flan­co. E não ape­nas pa­ra a pro­fis­são e os pro­fis­si­o­nais, cu­ja qua­li­da­de po­de des­pen­car ca­so as em­pre­sas de co­mu­ni­ca­ção abram mão de con­tra­tar jor­na­lis­tas for­ma­dos.

Ha­ve­rá um gran­de ris­co tam­bém pa­ra a so­ci­e­da­de, com­pos­ta de lei­to­res, te­les­pec­ta­do­res e ou­vin­tes. O pú­bli­co aca­ba­rá, em mui­tas ou pou­cas oca­siões, nas mãos de gen­te que nem tem idéia da im­por­tân­cia e das con­seqüên­ci­as da in­for­ma­ção. Gen­te, por exem­plo, co­mo Gil­mar Men­des.

Se­ria al­go co­mo ima­gi­nar uma se­da ca­ra sob o fio da te­sou­ra ma­nu­se­a­da por um jor­na­lis­ta que não sa­be cos­tu­rar. Ou uma car­ne no­bre pre­pa­ra­da por um mi­nis­tro do Su­pre­mo ig­no­ran­te em cu­li­ná­ria. Não há es­ca­pa­tó­ria: o re­sul­ta­do pa­ra o con­su­mi­dor se­rá pés­si­mo.

*** ***

Por úl­ti­mo, uma pe­que­na no­ta: é cu­ri­o­so que o que­ri­di­nho dos jor­na­lis­tas no Su­pre­mo, o mi­nis­tro Jo­a­quim Bar­bo­sa, não te­nha com­pa­re­ci­do à ses­são que de­ci­diu aca­bar com o di­plo­ma.

Compartilhe