Contos

Aquela bala de hortelã - 6

segunda-feira, 20 de abril de 2009 Texto de

Epílogo

De­pois da­que­la tar­de pa­vo­ro­sa, es­ti­ve na ca­sa de Eli­sa ape­nas uma vez, pa­ra des­pe­dir-me de­la e tam­bém da mãe e do ir­mão. Com a mor­te de Da­mião Faus­to, des­co­bri­ram-se os me­an­dros de sua vi­da. Co­mo sus­pei­ta­va-se na­que­la épo­ca em Mi­ran­te Nor­te, vi­via em meio a ati­vi­da­des cri­mi­no­sas, cu­jas ca­rac­te­rís­ti­cas pre­fi­ro omi­tir nes­te mo­men­to. Com a aju­da de fa­mi­li­a­res, a se­nho­ra Wan­der mu­dou-se pa­ra a ca­pi­tal, on­de pas­sou a tra­tar o fi­lho com es­pe­ci­a­lis­tas. O ga­ro­to, no en­tan­to, mor­reu pou­cos anos de­pois, por com­pli­ca­ções pul­mo­na­res.

Tu­do is­so fi­ca­mos sa­ben­do ain­da em Mi­ran­te Nor­te, nos di­as em que se su­ce­de­ram às tra­gé­di­as, a tra­gé­dia fa­mi­li­ar de­les e a tra­gé­dia amo­ro­sa mi­nha, se é que um ga­ro­to de do­ze anos po­de ser le­va­do a sé­rio quan­do se in­se­re nu­ma tra­gé­dia amo­ro­sa pró­pria. O que fi­quei sa­ben­do há pou­co foi que, ao mor­rer, Ho­me­ro tam­bém o fez de mo­do mis­te­ri­o­so. So­men­te os apa­re­lhos eram ca­pa­zes de man­tê-lo res­pi­ran­do. Con­ven­ci­da pe­los mé­di­cos de que não ha­ve­ria re­tor­no, a se­nho­ra Wan­der, pen­san­do, te­nho cer­te­za dis­to, ape­nas no so­fri­men­to do fi­lho, per­mi­tiu que fos­sem des­li­ga­dos. An­tes que is­so ocor­res­se, en­tre­tan­to, Ho­me­ro re­cu­sou-se a se­guir as­pi­ran­do aque­le ar que lhe era obri­ga­to­ri­a­men­te en­fi­a­do pe­las na­ri­nas. Mor­reu an­tes da ho­ra.

- Acho que se ti­ves­sem cro­no­me­tra­do o tem­po en­tre a mor­te e o mo­men­to em que os mé­di­cos iri­am des­li­gar os apa­re­lhos, se­ri­am dois mi­nu­tos.

Dis­se-me as­sim a pró­pria Eli­sa. Por um des­ses aca­sos, en­con­trei-a sain­do de uma lo­ja. Eu a re­co­nhe­ci por tê-la vis­to, psi­qui­a­tra fa­mo­sa que é, em no­tí­ci­as de jor­nais e nu­ma opor­tu­ni­da­de tam­bém na te­le­vi­são. Des­sa vez, não pre­ci­sei de ba­las de hor­te­lã. Con­ver­sei com ela sen­tin­do o gos­to de uma es­tra­nha nos­tal­gia, não sei se mar­ca­da pe­la tris­te­za ou pe­la fe­li­ci­da­de, ape­nas uma nos­tal­gia. Mas o que me ator­men­ta des­de en­tão é ou­tra coi­sa. Se­rá que eu de­ve­ria ter con­ta­do a ela so­bre o que se pas­sou na­que­la tar­de fa­tí­di­ca? O que só eu pu­de ver e nin­guém mais? Que an­tes do dis­pa­ro fei­to pe­lo fa­zen­dei­ro con­tra Da­mião Faus­to, e lo­go de­pois que Ho­me­ro bei­jou e es­fre­gou sua fa­ce na do pa­dras­to, que já nes­se mo­men­to tes­te­mu­nhei, ater­ro­ri­za­do, os lá­bi­os do me­ni­no, e mes­mo seu ros­to, man­cha­dos de um san­gue que ain­da es­gui­cha­ria?

(Fim)

Compartilhe