Ao pu­lar ágil da ca­ma no pri­mei­ro to­que do des­per­ta­dor, João Al­fre­do de Mou­ra e An­dra­de, pai de fa­mí­lia exem­plar, fi­lho de­di­ca­do, ami­go fi­el, co­le­ga so­lí­ci­to, não ti­nha co­mo adi­vi­nhar o que es­ta­va pa­ra acon­te­cer na­que­le dia. Se pu­des­se, tal­vez não se le­van­tas­se, nem saís­se de ca­sa. Se­ria pru­den­te? Co­var­de? A so­lu­ção? Mas le­van­tou, es­co­vou os den­tes, to­mou ca­fé com lei­te, foi pa­ra o tra­ba­lho. Tu­do bem, não ha­via co­mo, era im­pos­sí­vel pre­ver, não há co­mo cul­pá-lo. Por­que não acon­te­ceu na­da. Co­mo sem­pre.

E-mail: lbrasiliense@uol.com.br

Compartilhe