Era uma cai­xa d’água vi­ra­da pa­ra bai­xo, e lá de den­tro es­piá­va­mos o mun­do por um fu­ri­nho qua­se de na­da. As­sim nós sa­bía­mos de tu­do. Por exem­plo, quan­do ma­ta­ram o ga­lo Ri­co. Os adul­tos com­bi­na­ram o as­sas­si­na­to no co­chi­cho. En­tão o Ri­co apa­re­ceu na me­sa do jan­tar, e nós sa­bía­mos que era ele. Mas não dei­xa­mos so­brar na­da no pra­to: mais nos im­por­ta­va man­ter o es­con­de­ri­jo, por­que a pri­ma e eu des­con­fiá­va­mos, em si­lên­cio, que da­li a pou­co ele te­ria ou­tro fim.

E-mail: lbrasiliense@uol.com.br

Compartilhe