Colaboradores

Irrelevâncias essenciais

segunda-feira, 8 de setembro de 2008 Texto de

Num jor­nal do sul, li a crô­ni­ca de Ar­nal­do Ja­bor, “A mor­te tem vi­da pró­pria”. Sem­pre in­ten­so e cri­a­ti­vo em su­as idéi­as, o cro­nis­ta fa­la da ine­vi­tá­vel che­ga­da da mor­te pa­ra to­dos e la­men­ta a par­ti­da de al­guns ami­gos nu­ma só se­ma­na. E ten­ta ima­gi­nar-se mor­to, con­jec­tu­ran­do so­bre do que ele re­al­men­te sen­ti­rá fal­ta quan­do par­tir. Se­gun­do ele, não se­rá dos me­gashows nem dos gran­des amo­res, mas do que ele ge­ni­al­men­te cha­ma de “ir­re­le­vân­ci­as es­sen­ci­ais”. Cer­tos lu­ga­res, es­cri­to­res e mú­si­cos ines­que­cí­veis, os pa­pos de ci­né­fi­los no bar, a in­se­gu­ran­ça com a pri­mei­ra na­mo­ra­da, “per­nas cru­za­das de mu­lhe­res ina­tin­gí­veis” e os ter­re­nos bal­di­os de sua in­fân­cia. A lis­ta se­gue lon­ga, ple­na da pers­pi­cá­cia de um ob­ser­va­dor sen­sí­vel co­mo é Ja­bor.

Pa­ra quem ain­da não a co­nhe­ce, re­co­men­do a lei­tu­ra in­te­gral da crô­ni­ca. De mi­nha par­te, não con­si­go pa­rar de pen­sar nes­sa ex­pres­são tão pa­ra­do­xal quan­to ver­da­dei­ra, que são as ir­re­le­vân­ci­as es­sen­ci­ais da vi­da. Que po­dem ser bem di­fe­ren­tes de uma pes­soa pa­ra ou­tra, jus­ta­men­te o que as tor­nam mais en­can­ta­do­ras e sur­pre­en­den­tes.

Se, pa­ra uns, cer­tos pa­péis e jor­nais ama­re­la­dos não po­dem ja­mais ser jo­ga­dos fo­ra pe­lo que car­re­gam de sig­ni­fi­ca­dos es­sen­ci­ais, pes­so­ais e in­trans­fe­rí­veis, pa­ra ou­tros são ape­nas um fo­co de po­ei­ra e tra­ças. Se al­guém cho­ra quan­do ou­ve “Re­tra­to em pre­to e bran­co” ou os ver­sos “Vo­cê é a sau­da­de que eu gos­to de ter,só as­sim sin­to vo­cê bem per­to de mim ou­tra vez”, ou­tros po­dem con­si­de­rar fres­cu­ra, que cho­rar por amor es­tá fo­ra de mo­da. To­li­nhos... não en­ten­dem na­da de dor de co­to­ve­lo, da­que­las es­sen­ci­ais, que en­tor­tam o co­ra­ção e nos fa­zem ui­var pra lua em ple­no meio-dia.

Em­bar­can­do na vi­a­gem de Ja­bor, di­ria que quan­do eu par­tir vou sen­tir fal­ta do chei­ro de ma­re­sia no Rio, da água trans­pa­ren­te do mar do Ar­po­a­dor, das amen­do­ei­ras da rua da mi­nha in­fân­cia no Jar­dim Bo­tâ­ni­co, do chei­ro dos ce­dri­nhos de Ara­ras, ines­que­cí­veis e es­sen­ci­ais por to­da a mi­nha vi­da, en­tre tan­tas ou­tras que­rên­ci­as. Mi­nha ra­zão pa­ra gar­ga­lhar que nem bo­ba, me emo­ci­o­nar com um ges­to im­per­cep­tí­vel a ou­tros olhos, acor­dar fe­liz ou com o âni­mo no pé po­de não ser a mes­ma de ou­tras pes­so­as. Mas quais­quer que se­jam as ra­zões, as mi­nhas e as alhei­as, pra ca­da um de nós elas são es­sen­ci­ais, em­bo­ra pa­ra ou­tros olhos pa­re­çam ir­re­le­van­tes. O im­por­tan­te é que emo­ções eu vi­vi...

E-mail: anaflores.rj@terra.com.br

Compartilhe