Pa­ra quem não te­ve a sor­te de acom­pa­nhar a Olim­pía­da de Pe­quim na TV fe­cha­da, ver Ana Ma­ria Bra­ga in­te­ra­gin­do com a equi­pe de es­por­tes Glo­bo foi um mar­tí­rio -- a Band, com me­nos pur­pu­ri­na, pe­ga mal no meu bair­ro. Mas, sim, hou­ve al­go mais de­ses­pe­ra­dor do que a tor­ce­do­ra-co­men­ta­ris­ta-lei­ga do ca­be­lo loi­ro. Gal­vão Bu­e­no e sua eter­na ma­nia de achar que o bra­si­lei­ro vai se jo­gar da pon­te por cau­sa de uma der­ro­ta. Após a pra­ta do vô­lei mas­cu­li­no, ele se saiu com es­sa, de­pois de tan­tos cho­ra­min­gos e jus­ti­fi­ca­ti­vas (co­mo se o ti­me de Ber­nar­di­nho ain­da ti­ves­se que pro­var al­gu­ma coi­sa): “Ama­nhã Fe­li­pe Mas­sa é po­le po­si­ti­on!”. Qua­se jo­guei o con­tro­le na TV.

Ter­mi­na­da mais uma edi­ção dos Jo­gos, um as­sun­to mui­to mais im­por­tan­te vem à to­na, as elei­ções. É no vo­to que es­tão to­das as so­lu­ções pa­ra o so­nho bra­si­lei­ro de ser po­tên­cia olím­pi­ca: es­co­lher quem vai tra­ba­lhar pe­lo bem do pró­xi­mo, por saú­de e edu­ca­ção de qua­li­da­de. As­sim, mul­ti­pli­car-se-ão cri­an­ças e jo­vens pra­ti­can­do es­por­te (pri­o­ri­zan­do o lú­di­co, a ap­ti­dão à com­pe­ti­ção é con­seqüên­cia).

O ca­mi­nho pa­ra as ver­bas pú­bli­cas é es­se, não o que le­va aos me­ga­e­ven­tos que, nes­se Bra­sil sem en­tu­si­as­mo, não dei­xam le­ga­do al­gum. Ou o Pan 2007 fez a pro­me­ti­da trans­for­ma­ção so­ci­al do Rio de Ja­nei­ro? O com­ple­xo aquá­ti­co Ma­ria Lenk es­tá re­ve­lan­do ta­len­tos? Não. Tam­pou­co aque­la be­la are­na de bas­que­te tem se­di­a­do jo­gos su­fi­ci­en­tes pa­ra cus­te­ar sua ma­nu­ten­ção. Pi­or é ou­vir que es­sas pra­ças es­por­ti­vas não são viá­veis pa­ra os Jo­gos de 2016. Tem que fa­zer tu­do no­vo. Is­so é ras­gar di­nhei­ro!
Olha, eu amo es­por­tes. Is­so não é mau hu­mor. É en­ca­rar a re­a­li­da­de. Emo­ci­o­nei-me vá­ri­as ve­zes com as ima­gens de Pe­quim e es­pe­ro con­ti­nar ven­do gran­des even­tos, a me­nos a mé­dio pra­zo, lon­ge da­qui. As ne­ces­si­da­des bá­si­cas do bra­si­lei­ro não po­dem con­ti­nu­ar no fim da fi­la. Já bas­tam os bi­lhões do Pan e os que, cer­ta­men­te, vão tur­bi­nar a Co­pa de 2014. De gla­mour no meio da mi­sé­ria, já nos bas­ta o Car­na­val.

E-mail: fernando_bh@yahoo.com.br

Compartilhe