Para quem não teve a sorte de acom­pa­nhar a Olim­píada de Pe­quim na TV fe­chada, ver Ana Ma­ria Braga in­te­ra­gindo com a equipe de es­por­tes Globo foi um mar­tí­rio — a Band, com me­nos pur­pu­rina, pega mal no meu bairro. Mas, sim, houve algo mais de­ses­pe­ra­dor do que a torcedora-comentarista-leiga do ca­belo loiro. Gal­vão Bu­eno e sua eterna ma­nia de achar que o bra­si­leiro vai se jo­gar da ponte por causa de uma der­rota. Após a prata do vô­lei mas­cu­lino, ele se saiu com essa, de­pois de tan­tos cho­ra­min­gos e jus­ti­fi­ca­ti­vas (como se o time de Ber­nar­di­nho ainda ti­vesse que pro­var al­guma coisa): “Ama­nhã Fe­lipe Massa é pole po­si­tion!”. Quase jo­guei o con­trole na TV.

Ter­mi­nada mais uma edi­ção dos Jo­gos, um as­sunto muito mais im­por­tante vem à tona, as elei­ções. É no voto que es­tão to­das as so­lu­ções para o so­nho bra­si­leiro de ser po­tên­cia olím­pica: es­co­lher quem vai tra­ba­lhar pelo bem do pró­ximo, por saúde e edu­ca­ção de qua­li­dade. As­sim, multiplicar-se-ão cri­an­ças e jo­vens pra­ti­cando es­porte (pri­o­ri­zando o lú­dico, a ap­ti­dão à com­pe­ti­ção é con­seqüên­cia).

O ca­mi­nho para as ver­bas pú­bli­cas é esse, não o que leva aos me­ga­e­ven­tos que, nesse Bra­sil sem en­tu­si­asmo, não dei­xam le­gado al­gum. Ou o Pan 2007 fez a pro­me­tida trans­for­ma­ção so­cial do Rio de Ja­neiro? O com­plexo aquá­tico Ma­ria Lenk está re­ve­lando ta­len­tos? Não. Tam­pouco aquela bela arena de bas­quete tem se­di­ado jo­gos su­fi­ci­en­tes para cus­tear sua ma­nu­ten­ção. Pior é ou­vir que es­sas pra­ças es­por­ti­vas não são viá­veis para os Jo­gos de 2016. Tem que fa­zer tudo novo. Isso é ras­gar di­nheiro!
Olha, eu amo es­por­tes. Isso não é mau hu­mor. É en­ca­rar a re­a­li­dade. Emocionei-me vá­rias ve­zes com as ima­gens de Pe­quim e es­pero con­ti­nar vendo gran­des even­tos, a me­nos a mé­dio prazo, longe da­qui. As ne­ces­si­da­des bá­si­cas do bra­si­leiro não po­dem con­ti­nuar no fim da fila. Já bas­tam os bi­lhões do Pan e os que, cer­ta­mente, vão tur­bi­nar a Copa de 2014. De gla­mour no meio da mi­sé­ria, já nos basta o Car­na­val.

E-mail: fernando_bh@yahoo.com.br

Compartilhe