Colaboradores

Com o devido respeito

quinta-feira, 13 de março de 2008 Texto de

Quan­do Mi­cha­el Jack­son gra­vou um cli­pe nu­ma fa­ve­la do Rio, em 1996, tu­do foi com­bi­na­do an­te­ri­or­men­te com os, di­ga­mos, do­nos do pe­da­ço, e a gra­va­ção trans­cor­reu em paz. Diz-se que o di­re­tor, Spi­ke Lee, pe­diu au­to­ri­za­ção aos “ver­da­dei­ros do­nos do mor­ro” pa­ra gra­var o cli­pe e não às au­to­ri­da­des po­li­ci­ais ou aos ad­mi­nis­tra­do­res da ci­da­de.

A pas­sa­gem do Pa­pa João Pau­lo II, em 1980, por um dos mor­ros ha­bi­ta­dos do Rio tam­bém foi de­vi­da­men­te com­bi­na­da com an­te­ce­dên­cia en­tre as au­to­ri­da­des ofi­ci­ais e as, di­ga­mos, ex­tra-ofi­ci­ais. E na­da man­chou a vi­si­ta do Pon­tí­fi­ce, que até dei­xou seu anel de ou­ro pa­ra a co­mu­ni­da­de vi­si­ta­da.

Fil­ma­gens, vi­si­tas, re­por­ta­gens, pas­sei­os tu­rís­ti­cos, cur­sos, en­tre­vis­tas, co­ber­tu­ra de ocor­rên­ci­as po­li­ci­ais nos mor­ros, en­fim, qual­quer acon­te­ci­men­to fo­ra da ro­ti­na das fa­ve­las de­ve ter, com o de­vi­do res­pei­to, o aval dos que de­têm a úl­ti­ma pa­la­vra so­bre es­sas co­mu­ni­da­des es­pe­ci­ais. Se o as­sun­to não in­te­res­sar às pes­so­as cer­tas, na­da fei­to, mer­mão. Vá can­tar nou­tra fre­gue­sia, be­le­za?

Ago­ra, com o de­vi­do res­pei­to, eu e qual­quer pes­soa que mo­re no Rio ou que es­te­ja vi­si­tan­do a ci­da­de tam­bém que­re­mos pas­sar pe­las Li­nhas Ver­me­lha e Ama­re­la, ca­mi­nhar pe­la La­goa, pe­lo su­búr­bio, pe­la Ti­ju­ca, pe­las cal­ça­das, freqüen­tar par­ques e pra­ças, atra­ves­sar os tú­neis que cru­zam a ci­da­de, sem pre­ci­sar­mos usar car­ro blin­da­do ou aga­char atrás dos pos­tes pa­ra fu­gir do ri­co­che­te de ba­las cru­za­das. Ah, e tam­bém que­re­mos freqüen­tar qual­quer praia da or­la, ir e vol­tar do tra­ba­lho, da es­co­la, do te­a­tro ou do pa­go­de a qual­quer ho­ra do dia ou da noi­te, sem ser­mos atro­pe­la­dos por aque­les ti­pos que se acham no di­rei­to de in­ter­rom­per nos­sos pas­sos pa­ra le­var-nos o sa­lá­rio, a bol­sa e a vi­da só por­que têm aces­so fá­cil às ar­mas. Não es­tou rei­vin­di­can­do ne­nhum pri­vi­lé­gio, mas sos­se­go no sim­ples co­ti­di­a­no dos ci­da­dãos. Sim­ples mes­mo, com to­das as le­tras.

Se não for pe­dir mui­to nem abu­sar, com o de­vi­do res­pei­to tam­bém tor­ço pa­ra que to­dos es­ses, di­ga­mos, con­tra­tem­pos, não con­si­gam com­ple­tar a des­trui­ção já em cur­so da­qui­lo que o ca­ri­o­ca tem de me­lhor, que é a des­con­tra­ção e o bom hu­mor. Não sei exa­ta­men­te a quem de­vo pe­dir is­so, se ao go­ver­na­dor do Es­ta­do, ao pre­fei­to e se­cre­tá­ri­os dis­so e da­qui­lo ou às equi­pes va­ri­a­das e com no­mes pom­po­sos. Por­que na fal­ta de atu­a­ção efe­ti­va na se­gu­ran­ça da ci­da­de por par­te dos elei­tos pa­ra es­sa ta­re­fa, acho que o re­ca­do vai mes­mo é pa­ra os, di­ga­mos, ver­da­dei­ros do­nos da ci­da­de.

E-mail: anaflores.rj@terra.com.br

Compartilhe