Colaboradores

Hífens, acentos e vaidades

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008 Texto de

São oi­to os paí­ses lu­só­fo­nos. A mai­o­ria de­les ain­da con­se­gue se co­mu­ni­car sem in­tér­pre­tes, mas na es­cri­ta... ah, na es­cri­ta... co­mo di­ver­gem! Mes­mo as­sim, al­guns au­to­res do país da lín­gua ori­gi­nal não per­mi­tem que sua obra te­nha vo­ca­bu­lá­rio e or­to­gra­fia adap­ta­dos quan­do é pu­bli­ca­da nos ou­tros se­te paí­ses lu­só­fo­nos. De­fen­dem a idéia de que a lín­gua é a mes­ma e as even­tu­ais di­ver­gên­ci­as or­to­grá­fi­cas e se­mân­ti­cas são um re­fle­xo das di­fe­ren­ças cul­tu­rais, im­por­tan­tes no uni­ver­so li­te­rá­rio, e nin­guém vai mor­rer se ti­ver que con­sul­tar o di­ci­o­ná­rio meia dú­zia de ve­zes, ou mais, du­ran­te a lei­tu­ra.

Já ou­tros au­to­res não se im­por­tam de se­rem adap­ta­dos aos lei­to­res dos ou­tros paí­ses ir­mãos. Pa­ra eles, o im­por­tan­te é que sua obra se­ja am­pla­men­te com­pre­en­di­da pe­los lei­to­res e, se pa­ra is­so é pre­ci­so acen­tu­ar ou não pa­la­vras de ma­nei­ra di­ver­sa da de seu país, que ve­nham ou sai­am os acen­tos, pois. Di­zem que a vi­da de to­dos se­ria bem mais fá­cil se nas tran­sa­ções po­lí­ti­cas e co­mer­ci­ais - aí in­clui­dís­si­mo o mun­do edi­to­ri­al – hou­ves­se uma gra­fia úni­ca pa­ra o idi­o­ma co­mum a eles. Pa­ra re­for­çar seus ar­gu­men­tos, ale­gam que cri­an­ças de An­go­la e de Mo­çam­bi­que, por exem­plo, não en­ten­dem a gra­fia dos li­vros do Bra­sil.

Fa­la­do em três con­ti­nen­tes, em si­tu­a­ções di­fe­ren­tes sob vá­ri­os as­pec­tos, já se es­pe­ra­va que a uni­fi­ca­ção do por­tu­guês fos­se, se­não im­pos­sí­vel, bas­tan­te di­fí­cil. Mas tu­do pe­lo en­ten­di­men­to! Pa­ra ten­tar uma so­lu­ção ao im­pas­se e des­fa­zer a idéia de que o idi­o­ma co­mum se trans­for­mou em po­mo de dis­cór­dia, lá se fo­ram Por­tu­gal, Bra­sil, São To­mé e Prín­ci­pe, Ca­bo Ver­de, An­go­la, Mo­çam­bi­que, Gui­né-Bis­sau e Ti­mor Les­te em bus­ca do en­ten­di­men­to lingüís­ti­co. En­tre ta­pas e bei­jos, le­va­ram dé­ca­das pa­ra che­gar a al­gu­mas mo­di­fi­ca­ções, vá­ri­os acor­dos fo­ram ce­le­bra­dos, mas pas­sou-se qua­se uma eter­ni­da­de até que os oi­to paí­ses as­si­nas­sem um acor­do qua­se de­fi­ni­ti­vo e con­sen­su­al.

Quan­do fi­nal­men­te é ras­cu­nha­do o quar­to e mais re­cen­te acor­do num pe­río­do de qua­se 100 anos des­de a pri­mei­ra re­for­ma, em 1911, es­ta não ex­ten­si­va ao Bra­sil, ele não sa­tis­faz nem a gre­gos nem a troi­a­nos, es­tes re­cla­man­do que aque­les agem co­mo se pro­pri­e­tá­ri­os da lín­gua fos­sem, que por sua vez res­pon­dem que os ou­tros é que es­tão re­cla­man­do de bar­ri­ga cheia.

O ruí­do é tão al­to, que não per­ce­bem que, a des­pei­to de mu­dan­ças nos si­nais ex­ter­nos da es­cri­ta, fa­la-se o por­tu­guês do jei­to que pe­dem o sol ou a fal­ta de­le, a chu­va ou a se­ca, o tem­pe­ra­men­to ale­gre ou me­lan­có­li­co, tu­do es­cul­pi­do pe­la ge­o­gra­fia e por fa­to­res pe­cu­li­a­res a ca­da país que ins­pi­ram seus cos­tu­mes e sua ma­nei­ra de le­var e ver a vi­da. Não vêem que di­fe­ren­te não é er­ra­do, que o di­gam a man­di­o­ca, o ai­pim e a ma­ca­xei­ra. Brin­cam os miú­dos por lá e as cri­an­ças por aqui; os des­por­tos de lá emo­ci­o­nam tan­to quan­to os es­por­tes por aqui; en­quan­to os de lá “es­tão a de­gus­tar” um ba­ca­lhau com um tin­to alen­te­ja­no, por aqui “es­tão co­men­do” bo­li­nhos de ba­ca­lhau com cho­pe ge­la­do. E to­dos se di­ver­tem.

Ago­ra que mais um acor­do or­to­grá­fi­co en­tra em ce­na, se­ria bom ce­le­brar­mos as di­fe­ren­ças que não ma­tam nin­guém, ao con­trá­rio, só en­ri­que­cem, e apa­rar­mos ares­tas e vai­da­des que, es­tas sim, com­pli­cam a co­mu­ni­ca­ção en­tre paí­ses que um dia se con­si­de­ra­ram ir­mãos.

E-mail: anaflores.rj@terra.com.br

Compartilhe