Não se fa­la em ou­tra coi­sa: o Co­rinthi­ans, me­re­ci­da­men­te, foi re­bai­xa­do pa­ra a se­gun­da di­vi­são do Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro. Ta­ma­nho o ape­lo po­pu­lar do clu­be, es­se “de­sas­tre” ga­nhou mais cor­po na mí­dia do que o tí­tu­lo do São Pau­lo. A im­pren­sa pau­lis­ta, en­tão, pra­ti­ca­men­te fi­cou de lu­to - num mo­men­to ex­plí­ci­to de que o tor­ce­dor que há em ca­da jor­na­lis­ta não ador­me­ce.

Cor­re­ta­men­te, o his­tó­ri­co da de­sas­tra­da par­ce­ria com a MSI - que trans­for­mou o clu­be em ca­so de po­lí­cia - foi res­ga­ta­do. Quem era con­tra na épo­ca bra­dou ba­ten­do no pei­to: “Eu avi­sei!”. Mas hou­ve quem se res­trin­gis­se a ana­li­sar a úl­ti­ma ro­da­da, a co­lo­car sob sus­pei­ta a le­gí­ti­ma vi­tó­ria do Goiás, o ri­val que se sal­vou do re­bai­xa­men­to.

Há ain­da os que apon­tam o de­do pa­ra a câ­me­ra, pro­me­tem li­gar o ven­ti­la­dor pa­ra es­can­ca­rar o que to­dos já sa­bem: a de­sor­ga­ni­za­ção do Ti­mão. As pro­vas, que se­jam en­tre­gues ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, pois guar­dá-las de­bai­xo do bra­ço pa­ra mo­men­to opor­tu­no é obs­tru­ção da Jus­ti­ça.

O ce­ná­rio atu­al re­ve­la co­mo o jor­na­lis­mo es­por­ti­vo es­tá mais pa­ra uma gran­de nar­ra­ti­va, que aguar­da o mo­men­to cer­to pa­ra abor­dar o que já é sa­bi­do - um exem­plo: a fa­mo­sa “Ta­ça das Bo­li­nhas” es­ta­va es­que­ci­da, mo­fan­do num co­fre, há 15 anos e só ago­ra veio à to­na.

Nas úl­ti­mas se­ma­nas, o Co­rinthi­ans con­ti­nu­a­va pés­si­mo den­tro e fo­ra de cam­po, mas o cli­ma era de “Va­mos em­pur­rar o Ti­mão!”. Re­den­ção, ra­ça e to­dos os re­cur­sos de mo­ti­va­ção to­ma­ram con­ta de li­nhas, ima­gens e lo­cu­ções. Com to­do os res­pei­to aos co­rin­ti­a­nos, me­lhor cair. Es­se pur­ga­tó­rio tra­rá mais equí­vo­cos à to­na, a co­bran­ça se­rá mai­or e o clu­be po­de­rá sair for­ta­le­ci­do. Do con­trá­rio, te­ría­mos es­tam­pa­do fal­sos he­róis e pro­vo­ca­do eu­fo­ria ri­dí­cu­la após uma ve­xa­mo­sa cam­pa­nha.

Cer­ta­men­te, es­tou ge­ne­ra­li­zan­do - e por is­so mes­mo usan­do a pri­mei­ra pes­soa do plu­ral. O Co­rinthi­ans foi co­lo­ca­do na ber­lin­da por al­guns veí­cu­los, sim, mas as men­sa­gens que ga­nha­ram mais eco sem­pre fo­ram as de mo­ti­va­ção, exal­tan­do a ca­mi­sa que ga­nha jo­go. Pois a ca­mi­sa se can­sou de ser mal re­pre­sen­ta­da. In­clu­si­ve pe­los jor­na­lis­tas-tor­ce­do­res, que as­sim co­mo o ti­me de­vem re­ver 2007, o que fi­ze­ram, o que pu­bli­ca­ram.

O Ti­mão tem ape­lo, ven­de mais, é sa­bi­do. Mas oba-oba não co­la mais. O Co­rinthi­ans não de­ve ser ape­nas pa­tru­lha­do, ge­rar um pou­co de oti­mis­mo tam­bém faz par­te do jor­na­lis­mo. Mas pre­ci­sa­mos to­mar cui­da­do pa­ra não con­ta­mi­nar clu­be e tor­ci­da com o re­tor­no obri­ga­tó­rio à eli­te em 2009. Cal­çar sal­to al­to na Sé­rie B po­de cau­sar um tom­bo mai­or. Pa­ra quem acha que o fun­do do po­ço já che­gou, a Ter­cei­ro­na é lo­go ali.

E-mail: fernando_bh@yahoo.com.br

Compartilhe