Colaboradores

Segundamente - Texto de Otávio Nunes

sábado, 15 de dezembro de 2007 Texto de

Não sei o mo­ti­vo, mas a ca­da do­min­go fi­co mais ten­so à es­pe­ra do
pró­xi­mo dia, a se­gun­da. Mi­nha es­po­sa atu­al, a se­gun­da, vem pa­ra mim e ques­ti­o­na meus atos. Diz que tu­do que fa­ço tem se­gun­da in­ten­ção, o que me dei­xa mui­to ma­go­a­do. Quan­do va­mos pas­se­ar nos fins de se­ma­na, en­tão, ela me con­ta que pas­sa ver­go­nha den­tro do meu car­ro ve­lho e me ques­ti­o­na com ve­e­mên­cia se um dia vou com­prar um ze­ro-quilô­me­tro em vez de ou­tro, de se­gun­da mão.

Mi­nha se­gun­da fi­lha, tam­bém, vi­ve a me apo­quen­tar, mas pe­la mi­nha opi­nião em re­la­ção a seu na­mo­ra­do, o qual eu acho um tre­men­do ma­la-sem-al­ça. Coi­ta­da, é a se­gun­da ten­ta­ti­va de­la em en­con­trar o prín­ci­pe en­can­ta­do. Eu, pai de­sal­ma­do, acho que o in­fe­liz ja­mais dei­xa­rá de ser sa­po, mes­mo com mil bei­jos de­la. Pre­ci­so ur­gen­te­men­te, en­tre­tan­to, fa­zer uma se­gun­da ava­li­a­ção do ra­paz. Pen­san­do bem, até que é um sa­po sim­pá­ti­co. Mas, se abre a bo­ca...

Ou­tro fa­to cons­tran­ge­dor é o far­do da ida­de, que me dei­xa ca­da vez
mais es­que­ci­do. Às ve­zes er­ro até o no­me do meu che­fe. Ain­da bem que na se­gun­da ten­ta­ti­va, de­pois de uma bron­ca, eu cos­tu­mo acer­tar. O
es­que­ci­men­to e dis­tra­ção me cau­sa­ram on­tem mais um enor­me trans­tor­no.
Per­di mi­nha car­tei­ra de iden­ti­da­de e te­rei de ti­rar a se­gun­da via. Até
mes­mo meu ou­vi­do já não ou­ve co­mo an­tes e te­nho de pe­dir à pes­soa que me fa­le uma se­gun­da vez.

Ou­tro mo­ti­vo que ati­ça mi­nha ira é a si­tu­a­ção do país. So­mos tão
des­res­pei­ta­dos to­dos os di­as que pa­re­ce­mos ci­da­dãos de se­gun­da clas­se.
Aliás, es­ta ex­pres­são ou­vi de um pro­fes­sor de So­ci­o­lo­gia que ti­ve na
se­gun­da sé­rie da edu­ca­ção se­cun­dá­ria que ho­je se cha­ma en­si­no mé­dio.
Es­sa dis­ci­pli­na era mi­nha se­gun­da fa­vo­ri­ta, vin­do lo­go de­pois de
His­tó­ria. De­mo­cra­ta con­vic­to e re­pu­bli­ca­no, mais par­la­men­ta­ris­ta que
pre­si­den­ci­a­lis­ta, não gos­to de go­ver­nan­tes que se per­pe­tu­am no po­der.
Re­e­lei­ção? Sim. Mas só pe­la se­gun­da vez.

De­pois de tu­do is­so, só fal­ta­va mes­mo meu ti­me cair pa­ra a se­gun­da di­vi­são.

E-mail: otanunes@gmail.com

Compartilhe