Colaboradores

Descobrindo a pólvora

sábado, 15 de dezembro de 2007 Texto de

An­tes tar­de do que tar­de de­mais. Nem sem­pre dá pa­ra pro­ces­sar em tem­po re­al tu­do o que a vi­da apre­sen­ta em to­das as nu­an­ces de cin­za que per­mei­am as ver­da­des apa­ren­te­men­te ab­so­lu­tas do pre­to ou bran­co. Mes­mo as­sim, ao lon­go do meu tra­je­to por es­tas ban­das da vi­da, vou de­va­gar­zi­nho con­se­guin­do cap­tar aqui e ali al­gu­mas coi­sas que me im­pres­si­o­nam, me cho­cam ou me en­can­tam. Tu­do pes­so­al e su­jei­to a dis­cor­dân­ci­as, ben­za­deus. Prin­ci­pal­men­te es­tas úl­ti­mas des­co­ber­tas.

Sem­pre ou­vi que ci­ne­ma, li­te­ra­tu­ra, te­a­tro e ar­tes em ge­ral não têm po­der su­fi­ci­en­te pa­ra pro­vo­car uma re­vo­lu­ção ou mu­dan­ças ra­di­cais na vi­da de al­guém, a não ser o go­zo es­té­ti­co. Não é ver­da­de. Mu­dam, sim, e de­pen­den­do do grau de im­pac­to, até vi­ram o trem ao con­trá­rio e ele pas­sa a an­dar com a lo­co­mo­ti­va atrás. Vão me di­zer que re­vo­lu­ções po­lí­ti­cas, mu­dan­ças na vi­da, que­bra de pa­ra­dig­mas acon­te­cem do na­da? Di­fí­cil acre­di­tar. Por trás de mu­dan­ças po­de até es­tar uma tra­gé­dia pes­so­al, mas elas cer­ta­men­te tam­bém nas­cem da ob­ser­va­ção do que acon­te­ce, in­cluí­dos aí de­ter­mi­na­dos fil­mes, li­vros es­pe­ci­ais, cer­tas mú­si­cas, uma pe­ça que te faz vol­tar vá­ri­as ve­zes ao te­a­tro pa­ra re­vê-la, con­ver­sas com pes­so­as cri­a­ti­vas e in­te­res­san­tes. Co­mo fa­zem bem es­ses en­con­tros e co­mo me­xem o cal­do! E tu­do pe­la sen­si­bi­li­da­de de pes­so­as es­pe­ci­ais ou de ar­tis­tas de to­dos os ti­pos que a par­tir de um de­ter­mi­na­do mo­men­to da nos­sa vi­da se tor­nam ines­que­cí­veis.

Tam­bém des­co­bri que ra­rís­si­mas pes­so­as, tal­vez du­as ou três no mun­do, re­al­men­te sa­bem o sig­ni­fi­ca­do de se­gre­do. Se não qui­ser que nin­guém sai­ba o seu, não o con­te pa­ra nin­guém. Sim­ples as­sim. Mes­mo uma ami­ga de fé, sa­ben­do que vo­cê só es­tá fa­lan­do por­que pre­ci­sa com­par­ti­lhar al­gu­ma si­tu­a­ção pes­so­al su­fo­can­te, po­de achar que co­men­tar com o com­pa­nhei­ro, com a fi­lha ou com ou­tro ami­go de fé não che­ga a ser trai­ção da con­fi­an­ça, pe­lo grau de in­ti­mi­da­de en­tre eles. Mas é. Es­sas ou­tras pes­so­as não fo­ram es­co­lha sua pa­ra com­par­ti­lha­rem o as­sun­to. Apren­dam is­so, ami­gos de fé, ca­sa­dos ou sol­tei­ros.

Ou­tra coi­sa: ex­pres­sões con­si­de­ra­das po­li­ti­ca­men­te cor­re­tas em ge­ral me so­am bem dis­cri­mi­na­tó­ri­as. Por que uma pes­soa ne­gra de­ve ser des­cri­ta co­mo afro-des­cen­den­te, e não ne­gra, se as pes­so­as bran­cas são cha­ma­das de bran­cas e não de lu­so-des­cen­den­tes ou cau­ca­si­a­no-des­cen­den­tes? Não é uma ma­nei­ra de dis­cri­mi­nar o ne­gro mos­tran­do que há ne­ces­si­da­de de in­ven­tar um ter­mo subs­ti­tu­to pa­ra a sua cor? E a de­no­mi­na­ção “de­fi­ci­en­te vi­su­al” não pe­sa mais que “ce­go”? “Pes­so­as com ne­ces­si­da­des es­pe­ci­ais” é o ter­mo con­si­de­ra­do ade­qua­do pa­ra ca­sos de de­fi­ci­ên­cia, mas tam­bém po­de­ria se re­fe­rir a um men­di­go em far­ra­pos, es­que­ci­do pe­lo mun­do, su­jo e mal­chei­ro­so, dor­min­do so­bre um pa­pe­lão na cal­ça­da. Não sei, tal­vez os dis­cri­mi­na­dos sai­bam me­lhor co­mo se sen­tem com es­ses ape­li­dos es­tra­nhos e su­pos­ta­men­te cor­re­tos. A mim dão má im­pres­são.

E o que eu nun­ca pen­sei que fos­se le­var tan­to tem­po pa­ra des­co­brir e que to­dos os co­me­do­res de bom­bom já de­vem sa­ber há mi­lê­ni­os, é que o pa­pel que en­vol­ve o Se­re­na­ta de Amor traz no seu in­te­ri­or du­as fra­ses que fa­lam de amor, com­pa­nhei­ris­mo, ami­za­de, pla­nos etc. Ime­di­a­ta­men­te elas me re­me­te­ram a uns ca­der­nos que, no meu tem­po de co­lé­gio, as me­ni­nas pas­sa­vam pe­los ami­gos pa­ra eles es­cre­ve­rem men­sa­gens e fra­ses pa­ra a do­na do ca­der­no. O tom da­que­las men­sa­gens era mais ou me­nos o mes­mo das fra­ses do Se­re­na­ta. Uma que li no pa­pel­zi­nho ama­re­lo no dia da des­co­ber­ta foi: “Tu­do o que é bom du­ra o tem­po ne­ces­sá­rio pa­ra ser ines­que­cí­vel”, dan­do um dri­ble da­na­do de bom na fra­se ori­gi­nal, pes­si­mis­ta, que diz que tu­do o que é bom du­ra pou­co. Sei não, mas es­sa mi­nha no­va le­va de des­co­ber­tas tem tu­do pa­ra se tor­nar ines­que­cí­vel. Mes­mo que to­das elas se­jam sim­ples des­co­ber­tas da pól­vo­ra pa­ra ou­tros.

E-mail: anaflores.rj@terra.com.br

Compartilhe