Colaboradores

óbito - Texto de Thiago Roque

sábado, 15 de dezembro de 2007 Texto de

fa­le­ceu ho­je, em um dia sem sol, sem chu­va, sem ca­lor, nem frio, o amor.
fi­lho da pu­re­za (in me­mo­ri­am) com o pe­ca­do, não há uma ho­ra pre­ci­sa nem cau­sa es­pe­cí­fi­ca pa­ra sua mor­te.
em seu en­ter­ro, mi­lha­res de fiéis acu­mu­la­ram-se em fi­las pa­ra lhe dar o úl­ti­mo adeus. es­se per­so­na­gem acre­di­ta­va em um utó­pi­co mun­do me­lhor – daí a le­gião fer­vo­ro­sa que se­guia seus prin­cí­pi­os e bra­da­va aos se­te ma­res as gló­ri­as que o amor po­de­ria pro­mo­ver na vi­da das pes­so­as.
sua qua­li­da­de mais des­ta­ca­da era a per­se­ve­ran­ça. ape­sar das pro­vas cons­tan­tes que o ve­lho mun­do da­va de ser um lo­cal na­da amis­to­so pa­ra quem pen­sa­va co­mo o amor, es­se re­vo­lu­ci­o­ná­rio res­pi­rou até o úl­ti­mo mi­nu­to seu ide­al.
po­lê­mi­co, o amor co­le­ci­o­na­va sa­bo­res e dis­sa­bo­res por on­de pas­sa­va. Com o tem­po, fãs tor­na­vam-se de­sa­fe­tos; se­gui­do­res pas­sa­vam a ser opo­si­to­res; sim­pa­ti­zan­tes aban­do­na­vam a cau­sa. con­tu­do, ar­ti­cu­la­do e com gran­de po­der de con­ven­ci­men­to, pa­ra ca­da sol­da­do que per­dia, ga­nha­va dois no­vos re­cru­tas.
não à toa, sem ele, gran­des lí­de­res, co­mo o res­pei­to, e gran­des ini­mi­gos, co­mo a in­di­fe­ren­ça, fi­cam sem ho­ri­zon­te.
al­guns acu­sam o amor de ini­ci­ar um ne­o­na­zis­mo no pla­ne­ta: por meio de la­va­gem ce­re­bral, ele reu­nia vo­lun­tá­ri­os dis­pos­tos a dar a vi­da por uma uto­pia di­fun­di­da por es­se ide­a­lis­ta – me­câ­ni­co de pro­fis­são. ou­tros, po­rém, con­si­de­ram o mo­vi­men­to den­tro da cha­ma­da de­mo­cra­cia dos sen­ti­men­tos – já que ha­via tan­to es­pa­ço pa­ra a ig­no­rân­cia e pa­ra a in­to­le­rân­cia, por que o amor não po­de­ria rei­vin­di­car um lu­gar ao sol?
nes­sa gan­gor­ra de opi­niões dis­cre­pan­tes, os go­ver­nos dos con­ti­nen­tes ain­da não de­ci­di­ram se pro­mo­ve­rão o amor a már­tir, re­bel­de, deus ou pro­cu­ra­do pe­lo fbi – reu­ni­dos há cin­co ho­ras, eles não che­gam a um con­sen­so. o po­vo ga­nha as ru­as, ca­da qual com sua opi­nião, e o exér­ci­to já foi cha­ma­do pa­ra ga­ran­tir or­dem às ma­ni­fes­ta­ções.
in­de­pen­den­te­men­te de quais­quer de­ci­sões, é con­sen­so de que o amor é per­so­na­gem úni­co na his­tó­ria até ho­je. ape­sar de seu ví­cio em co­ra­ções pu­ros (uns di­zem que a cau­sa da mor­te se­ria até por over­do­se), ti­nha a for­ça dos gran­des lí­de­res, o ca­ris­ma dos mai­o­res ven­ce­do­res e o apoio das mas­sas.
tu­do is­so, po­rém, não foi su­fi­ci­en­te pa­ra a vi­tó­ria ple­na. re­cen­te­men­te, co­le­ci­o­na­va mais e mais der­ro­tas em sua ca­mi­nha­da, que mi­na­vam, a con­ta-go­tas, seu bem-es­tar. não era se­gre­do que sua saú­de es­ta­va de­bi­li­ta­da há al­gum tem­po, mas sua do­en­ça nun­ca foi re­ve­la­da – nem mes­mo por pai­xão e ten­ta­ção, ir­mãs mais no­vas e bra­ços di­rei­to e es­quer­do do lí­der.
foi en­con­tra­do mor­to no jar­dim de sua ca­sa, dei­ta­do na rel­va, co­mo se es­ti­ves­se a des­can­sar. tal­vez fos­se a ho­ra mes­mo.
se vai dei­xar sau­da­de, nem mes­mo o tem­po, seu me­lhor ami­go, ou­sa di­zer.

E-mail: roque.thiago@hotmail.com

Compartilhe