Colaboradores

Folião por acaso - Texto de Reinaldo Chaves

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007 Texto de

Pa­cí­fi­co sem­pre mo­rou na ave­ni­da Se­te. Um lu­gar que já foi me­lhor no
cen­tro de Sal­va­dor. Quan­do ele era mo­le­que não ti­nha tan­to car­ro e
ca­melô. Era até mais char­mo­so, com cal­ça­men­tos de pa­ra­le­pí­pe­do e
pos­tes de fer­ro. Até o car­na­val, com blo­cos de rua, pa­re­cia ser mais
ami­gá­vel. Não que Pa­cí­fi­co des­fi­las­se, sua re­li­gião não per­mi­tia, mas
gos­ta­va de ver os ami­gos fan­ta­si­a­dos fa­ze­rem pa­pel de pa­lha­ço na rua.
Ele não con­fes­sa, po­rém sen­tia até uma pon­ta de in­ve­ja da­que­la
ale­gria.

Mas o que era amis­to­so e sim­pá­ti­co foi fi­can­do cha­to e ir­ri­tan­te. Os
fo­liões de an­ti­ga­men­te se con­ten­ta­vam ape­nas com uma se­ma­na de
fe­ve­rei­ro pa­ra se ale­grar. A jus­ti­fi­ca­ti­va mui­to an­ti­ga pa­ra a fes­ta,
se es­bal­dar em ale­gria pa­ra de­pois fa­zer pe­ni­tên­cia na Qua­res­ma,
tam­bém agra­da­va Pa­cí­fi­co e ele não li­ga­va mui­to pa­ra a al­ga­zar­ra
no­tur­na. Até que in­ven­ta­ram de bo­tar um car­ro pa­ra pu­xar os fo­liões.

Era mui­to ba­ru­lho pa­ra ele. O po­vo can­tan­do ain­da vá lá, mas
equi­pa­men­to de som no úl­ti­mo vo­lu­me era de­mais. Ou me­lhor, o vo­lu­me ia
au­men­tan­do to­do o ano sem li­mi­tes. E quan­do a ba­gun­ça pas­sou a ter
iní­cio já em ja­nei­ro ele en­ca­rou com se­ri­e­da­de a pos­si­bi­li­da­de de se
mu­dar. O pi­or é que gos­ta­va da ca­sa, mo­ra­va lá há mais de 30 anos,
pri­mei­ro com os pais, de­pois a mu­lher e os dois fi­lhos. Re­sol­veu en­tão
quan­do pos­sí­vel sair de vi­a­gem, nem que fos­se ape­nas pa­ra ou­tro bair­ro
nos di­as de car­na­val den­tro ou fo­ra de épo­ca.

Tra­ba­lha­va nu­ma re­par­ti­ção pú­bli­ca e o che­fe que gos­ta­va de uma far­ra
da­va fol­ga pa­ra to­dos quan­do ti­nha fes­ta na rua ou pe­lo me­nos que o
pa­le­tó de ca­da um des­se ex­pe­di­en­te pa­ra não dar mui­to na vis­ta.
Pa­cí­fi­co es­ta­va sa­tis­fei­to, pas­sou um ano lon­ge do car­na­val. Tran­ca­va
a ca­sa e ia pas­sar uns di­as com pri­mos no in­te­ri­or ou com ami­gos da
igre­ja em Sal­va­dor mes­mo. Só vol­ta­va quan­do o sos­se­go já ti­nha
re­tor­na­do, o má­xi­mo que en­con­trou foi uns be­buns caí­dos na sar­je­ta.

Já tranqüi­lo e es­pe­ran­do re­pe­tir o mes­mo es­que­ma no pró­xi­mo ano que
che­ga­ra, foi sur­pre­en­di­do com a al­ga­zar­ra lo­go na pri­mei­ra se­ma­na de
ja­nei­ro. Era de­mais em to­dos os sen­ti­dos. Co­me­ça­ram a bo­tar mu­lhe­res
qua­se pe­la­das em ci­ma do car­ro de som e ele fla­grou seu fi­lho ca­çu­la
ba­ban­do na cal­ça­da por uma ne­gra de co­xas gros­sas e bun­da gran­de que
re­bo­la­va com as mú­si­cas pro­fa­nas. De ime­di­a­to deu um sa­fa­não na ore­lha
do ra­paz e no dia se­guin­te exi­giu de seu che­fe uma dis­pen­sa na­que­les
di­as de So­do­ma e Go­mor­ra bai­a­nos. Ca­bis­bai­xo o man­da­tá­rio res­pon­deu
que era im­pos­sí­vel. Mes­mo mor­ren­do de von­ta­de de ir pa­ra a rua se
es­bal­dar, ele ha­via re­ce­bi­do or­dens de ci­ma proi­bin­do fol­gas. O no­vo
go­ver­no co­me­ça­ra uma li­nha du­ra com quem re­sol­ves­se en­for­car o ser­vi­ço
pa­ra apro­vei­tar o cha­ma­do aque­ci­men­to pré-car­na­va­les­co.

Sem ter pa­ra on­de ir, Pa­cí­fi­co che­ga­va to­do o dia do tra­ba­lho com o
po­vo se es­pre­men­do na cal­ça­da, pu­lan­do e gri­tan­do. Ele fa­zia jus ao
no­me de ba­tis­mo em sen­ti­do am­plo, era um ver­da­dei­ro bun­da mo­le. Mes­mo
não apro­van­do aqui­lo tu­do por den­tro, ia pa­ra a ca­sa ca­mi­nhan­do, pe­dia
com edu­ca­ção e pa­ci­ên­cia pa­ra os fo­liões da­rem li­cen­ça e le­va­va na
es­por­ti­va os pe­di­dos pa­ra ele en­trar na ba­gun­ça fei­tos por quem ia
en­con­tran­do no ca­mi­nho. “Não pos­so, acor­do ama­nhã ce­do, obri­ga­do,
es­tou can­sa­do, mi­nha re­li­gião não per­mi­te, des­cul­pe”, eram su­as
res­pos­tas pa­cí­fi­cas.

Es­sa via-crú­cis foi se re­pe­tin­do e o po­vo co­me­çou a achar gra­ça.
Cri­a­ram apos­tas pa­ra ver quem con­se­gui­ria pri­mei­ro fa­zer aque­le cren­te
cair de bo­ca no pe­ca­do. Lo­go des­co­bri­ram seu no­me e in­ven­ta­ram o
re­frão: “Vem cá, Pa­cí­fi­co / Vem brin­car com as mu­lher / Dan­çar sem
pa­rar / E be­ber até fi­car ma­lu­co”. Sem pa­la­vras e ver­me­lho ele saiu
cor­ren­do a pri­mei­ra vez que ou­viu is­so. To­dos caí­ram na gar­ga­lha­da.

Ele pas­sou a orar pa­ra is­so ter­mi­nar lo­go, mas só pi­o­rou. O can­tor do
car­ro de som, que já ape­li­da­vam de trio elé­tri­co na­que­la épo­ca, lo­go
sa­cou que a brin­ca­dei­ra fa­zia um bai­ta su­ces­so e re­sol­veu ele mes­mo
can­tar a mú­si­ca de Pa­cí­fi­co. Cri­ou uma me­lo­dia e adi­ci­o­nou mais uns
ver­sos. Pron­to, nos fi­nais de tar­de, na ho­ra que o cor­re­to fun­ci­o­ná­rio
pú­bli­co vol­ta­va do tra­ba­lho, era pos­sí­vel ou­vir sua mú­si­ca a mui­tos
quar­tei­rões de dis­tân­cia.

To­dos ado­ra­vam, can­ta­vam jun­to, pu­la­vam e ba­lan­ça­vam a mão pa­ra o
al­to. O po­bre Pa­cí­fi­co es­ta­va re­sig­na­do, ca­la­dão e de­pri­mi­do. Não via
mais so­lu­ção pa­ra aqui­lo e só es­pe­ra­va o car­na­val ter­mi­nar na sua rua.
Mas ele mal des­con­fi­a­va de que de bo­ca em bo­ca aque­la mú­si­ca es­ta­va
es­tou­ran­do. Ou­tros tri­os elé­tri­cos de Sal­va­dor já to­ca­vam sem pa­rar
sua can­ção e um em­pre­sá­rio es­per­to já ti­nha ar­ran­ja­do um can­tor fa­mo­so
pa­ra gra­vá-la.

A coi­sa che­gou a um pon­to que al­go iné­di­to acon­te­ceu nu­ma ma­nhã.
“Fi­lho de uma pu­ta”, Pa­cí­fi­co ber­rou vá­ri­as ve­zes sem dar ne­nhu­ma
im­por­tân­cia pa­ra quem es­ti­ves­se por per­to em seu tra­ba­lho. Tu­do por­que
um rá­dio do es­cri­tó­rio to­ca­va “Cai de bo­ca Seu Pa­cí­fi­co”, o no­vo
su­ces­so do car­na­val bai­a­no que em­pla­ca­va em to­das as emis­so­ras. Não
con­ten­te em xin­gar ele ain­da ati­rou pe­la ja­ne­la o rá­dio em ple­na rua
Gue­des de Bri­to e saiu ba­ten­do por­tas sem fa­lar com nin­guém.

O ago­ra ira­do Pa­cí­fi­co co­me­ça­ra uma ver­da­dei­ra cru­za­da pa­ra achar o
res­pon­sá­vel por aqui­lo. Pri­mei­ro sa­cu­diu pe­los co­la­ri­nhos o can­tor que
azu­cri­na­va sua vi­da há mais de um mês na sua rua. Com so­no e cha­pa­do,
mas as­sus­ta­do com aque­le cren­te fu­ri­o­so, ele ex­pli­cou rá­pi­do que
ape­nas ti­nha ven­di­do a mú­si­ca pa­ra um em­pre­sá­rio, Xi­qui­nho Fon­ta­na. De
pos­se do en­de­re­ço do es­per­to ele saiu em seu en­cal­ço.

A ma­jes­to­sa fa­cha­da da ca­sa não o in­ti­mi­dou. To­cou a cam­pa­nhai­nha e
pe­diu pa­ra fa­lar com o em­pre­sá­rio, que lo­go man­dou avi­sar que não
es­ta­va, pois não o co­nhe­cia. Não con­ten­te Pa­cí­fi­co dis­se que ia
es­pe­rar o quan­to pre­ci­sas­se. Ou­tra des­cul­pa foi da­da de que o pa­trão
es­ta­va vi­a­jan­do, mas tor­nou a res­pon­der que fi­ca­ria no mes­mo lu­gar e
pe­di­ria pa­ra a es­po­sa tra­zer co­mi­da e um sa­co de dor­mir se pre­ci­sas­se.
Aí o tom en­gros­sou e ame­a­ça­ram cha­mar a po­lí­cia. Pa­cí­fi­co co­me­mo­rou,
dis­se que ti­nha mui­ta coi­sa pa­ra con­tar so­bre uso de mú­si­cas
in­de­vi­das.

Xi­qui­nho, ve­lho de vá­ri­os tram­bi­ques, fi­cou pre­o­cu­pa­do quan­do lhe
con­ta­ram o que o ma­lu­co na fren­te de sua ca­sa es­ta­va fa­lan­do. Man­dou
seu se­cre­tá­rio con­ver­sar com o ho­mem e sa­ber o que que­ria. Ao sa­ber o
que era per­ce­beu que ti­nha si­do pas­sa­do pa­ra trás, o au­tor da mú­si­ca
ti­nha lhe ga­ran­ti­do que o Seu Pa­cí­fi­co era um tio ran­zin­za de­le que
não gos­ta­va de car­na­val e ti­nha até mor­ri­do já. Pu­to da vi­da li­gou
pa­ra con­fir­mar a his­tó­ria com o com­po­si­tor ma­lan­dro e pro­me­teu que na
noi­te de Sal­va­dor ele não ia to­car nun­ca mais.

Foi en­ca­rar o ver­da­dei­ro Pa­cí­fi­co e de ca­ra ofe­re­ceu uma mi­xa­ria pa­ra
ele ca­lar a bo­ca e es­que­cer a his­tó­ria de­pois de as­si­nar um pa­pel
pro­me­ten­do não en­trar com ne­nhum ti­po de pro­ces­so. O ho­mem ira­do
es­ta­va ago­ra ofen­di­do. Dis­se que era um fun­ci­o­ná­rio pú­bli­co
in­cor­rup­tí­vel há mais de vin­te anos e que não era ton­to, sa­bia que seu
no­me foi usa­do in­de­vi­da­men­te e exi­gia que sua mú­si­ca fos­se ba­ni­da das
rá­di­os. Xi­qui­nho ain­da ten­tou en­ro­lar, di­zen­do que aqui­lo es­ta­va com
chei­ro de sa­fa­de­za, o Pa­cí­fi­co da mú­si­ca po­dia ser qual­quer pes­soa.
Fir­me ele res­pon­deu que ti­nha mui­tas tes­te­mu­nhas na sua rua que vi­ram
a mú­si­ca ser fei­ta pa­ra ele.

En­cur­ra­la­do o em­pre­sá­rio fi­cou man­so. Pri­mei­ro ofe­re­ceu um whisky
pa­ra o ago­ra con­vi­da­do da ca­sa, mas que pron­ta­men­te foi re­jei­ta­do.
De­pois au­men­tou sua ofer­ta, uma, du­as, três ve­zes e fez até o
im­pen­sá­vel, ofe­re­ceu par­ti­ci­pa­ção no lu­cro da mú­si­ca co­mo um dos
au­to­res da can­ção. Pa­cí­fi­co re­jei­tou tu­do ve­e­men­te­men­te e já es­ta­va se
le­van­tan­do pa­ra sair pro­cu­rar seu ad­vo­ga­do quan­do Xi­qui­nho pe­diu, por
fa­vor, pa­ra ele fi­car mais um pou­co.

Sem so­lu­ção, já que aque­le ho­mem era di­fe­ren­te dos otá­ri­os me­ti­dos a
es­per­to que ele su­bor­na­va to­dos os me­ses, te­ve que im­pro­vi­sar. A lá­bia
co­me­çou com uma per­gun­ta: a his­tó­ria da mú­si­ca era ver­da­dei­ra e por
que ele não gos­ta­va de car­na­val? Pa­cí­fi­co gos­tou da aten­ção pa­ra com
ele e con­tou tu­do so­bre sua ca­sa e o per­cur­so do car­na­val na sua rua,
des­de a sim­pa­tia até o ódio. Men­tin­do des­ca­ra­da­men­te, Xi­qui­nho dis­se
que sen­tia mui­to por seus cons­tran­gi­men­tos e que re­al­men­te al­guns
fo­liões exa­ge­ra­vam na do­se não res­pei­tan­do os evan­gé­li­cos.

Mas aí pa­ra seu es­pan­to o pró­prio Pa­cí­fi­co in­ter­rom­peu a lo­ro­ta e
co­me­çou a de­fen­der o car­na­val. Dis­se que era uma tra­di­ção ale­gre da
sua ter­ra, não que­ria nun­ca aca­bar com aqui­lo e dis­se que até gos­ta­va
de ver o po­vo fe­liz. Xi­qui­nho viu lo­go uma opor­tu­ni­da­de no ar e
re­sol­veu ar­ris­car. Pro­me­teu ti­rar a mú­si­ca da dis­cór­dia do ar, mas
an­tes dis­se que que­ria le­vá-lo pa­ra sen­tir es­sa emo­ção da ale­gria do
po­vo. Con­vi­dou ele pa­ra su­bir num trio elé­tri­co.

Ao ou­vir is­so Pa­cí­fi­co sor­riu e dis­se um não qua­se sem con­vic­ção
ne­nhu­ma. Com mais uma in­sis­ti­da o em­pre­sá­rio ex­pli­cou que po­de­ri­am ir
na­que­la tar­de mes­mo, no mo­men­to que fa­la­vam já ha­via fo­liões na rua.
Era sem com­pro­mis­so, ele po­dia ir lá e de­ci­dir na ho­ra. Ga­ran­tiu que
se­ria mui­to bem re­ce­bi­do, era um trio elé­tri­co de ami­gos. Re­lu­tan­do um
pou­co Pa­cí­fi­co foi pa­ra a ba­gun­ça. Es­ta­va de ter­no e gra­va­ta e no meio
da mul­ti­dão foi sen­do em­pur­ra­do até che­gar su­a­do na es­ca­da do car­ro de
som.

Já no al­to, mui­to tí­mi­do ele re­ce­beu abra­ços e bei­jos de to­da a
ban­da, que ha­via si­do avi­sa­da do con­vi­da­do ilus­tre. Quan­do o som
co­me­çou e o pú­bli­co res­pon­deu tam­bém com mui­to ba­ru­lho, era pos­sí­vel
per­ce­ber um le­ve sor­ri­so nos lá­bi­os de Pa­cí­fi­co. Ele es­ta­va com os
olhos fi­xos pa­ra bai­xo, ob­ser­van­do as pes­so­as dan­çan­do. Xi­qui­nho,
pró­xi­mo de­le, fez ques­tão de no­tar bem seu com­por­ta­men­to e viu que seu
pé es­quer­do ba­tia dis­cre­ta­men­te. Da­que­la vez nem as mu­lhe­res pe­la­das o
ir­ri­ta­ram. Ele es­ta­va fe­liz na­que­la fes­ta e sen­tia-se tam­bém o cen­tro
das aten­ções em ci­ma do trio elé­tri­co.

Xi­qui­nho re­sol­veu ar­ris­car tu­do e an­tes de co­me­çar a pró­xi­ma mú­si­ca
co­chi­chou uma or­dem no ou­vi­do do vo­ca­lis­ta. O po­vo co­me­çou a vi­brar
com “Cai de bo­ca Seu Pa­cí­fi­co”. O ho­me­na­ge­a­do afrou­xou o nó da
gra­va­ta, co­me­çou a sor­rir mais e mais até dar uma gar­ga­lha­da quan­do
ou­viu e viu cen­te­nas de vo­zes can­tan­do seu no­me. O de­se­jo an­ti­go dos
fo­liões da ave­ni­da Se­te pa­re­cia es­tar sen­do re­a­li­za­do fi­nal­men­te.

De­pois da mú­si­ca o can­tor te­ve a pre­sen­ça de es­pí­ri­to de apre­sen­tar
Pa­cí­fi­co pa­ra seu pú­bli­co, que foi ova­ci­o­na­do. Mui­to con­ten­te e já sem
pa­le­tó e gra­va­ta o ho­mem de meia ida­de sur­pre­en­deu a to­dos pe­din­do um
bis da sua can­ção e des­sa vez com ele pró­prio nos te­cla­dos. Pa­cí­fi­co
ha­via apren­di­do a to­car na igre­ja exe­cu­tan­do mú­si­cas gos­pels des­de
cri­an­ça, nem pre­ci­sou de aju­da pa­ra seu pri­mei­ro show, co­mo era mú­si­co
ex­pe­ri­en­te e já ou­vi­ra sua mú­si­ca de­ze­nas de ve­zes, ele ha­via
apre­en­di­do e de­co­ra­do de ou­vi­do to­das as no­tas.

Foi um su­ces­so, mui­to me­lhor que o te­cla­dis­ta ti­tu­lar. O pú­bli­co
ado­rou sua per­for­man­ce e seu jei­tão in­gê­nuo. Coi­sa que Xi­qui­nho não
era nem um pou­qui­nho. Na mes­ma ho­ra ele en­cheu a bo­la da no­va es­tre­la
do car­na­val bai­a­no e propôs shows diá­ri­os pa­ra ele e a gra­va­ção de um
dis­co, ló­gi­co com a mai­or dos lu­cros pa­ra o em­pre­sá­rio. Pa­cí­fi­co
es­ta­va no céu, ou me­lhor, no in­fer­no das fes­tas car­na­va­les­cas, mas
acei­tou fe­liz. No dia se­guin­te, pas­sou na sua re­par­ti­ção pú­bli­ca pa­ra
pe­dir de­mis­são, se des­pe­dir e di­zer que ia pa­ra a far­ra en­quan­to seus
co­le­gas te­ri­am que fi­car ra­lan­do. E, cla­ro, trou­xe um no­vo rá­dio pa­ra
que ou­vis­sem su­as mú­si­cas to­dos os di­as.

E-mail: reichaves@hotmail.com

Compartilhe