Colaboradores

O que Nelson faria hoje? - Texto de Fernando BH

sexta-feira, 23 de novembro de 2007 Texto de

A vi­da de Nel­son Ro­dri­gues no sé­cu­lo 21 se­ria mui­to cha­ta. Pri­mei­ro, por­que iria se ir­ri­tar com o po­li­ti­ca­men­te cor­re­to que pre­do­mi­na ho­je. O ci­gar­ro, por exem­plo, com­pa­nhei­ro in­se­pa­rá­vel do an­jo por­no­grá­fi­co: não tem mais o gla­mour da­que­les tem­pos (re­cen­te pes­qui­sa do Da­ta­Fo­lha cons­ta­tou que só 9% dos bra­si­lei­ros vêem char­me nas ba­fo­ra­das). Nel­son de­di­ca­ria li­nhas e li­nhas cri­ti­can­do a pa­tru­lha co­le­ti­va pe­la saú­de. “Ca­da um que cui­de da sua”, vo­ci­fe­ra­ria.

So­bre a mai­or to­le­rân­cia a res­pei­to da se­xu­a­li­da­de, te­nho mi­nhas dú­vi­das. O con­ser­va­dor Nel­son apro­va­ria ca­sais gays em no­ve­las? Es­cre­ve­ria em su­as pe­ças per­so­na­gens ho­mos­se­xu­ais que não ti­ves­sem o es­te­reó­ti­po da pro­mis­cui­da­de? Acho que sim. Quem sou­be li­dar com o ero­tis­mo tão bri­lhan­te­men­te co­mo Nel­son Ro­dri­gues, ha­ve­ria de sa­ber que des­de que se fez a luz o pra­zer não é ex­clu­si­vi­da­de do en­con­tro he­te­ro. Res­ta sa­ber se no fu­te­bol ele ad­mi­ti­ria tal ma­ni­fes­ta­ção...

Aliás, res­ta sa­ber se Nel­son Ro­dri­gues con­ti­nu­a­ria gos­tan­do de fu­te­bol! Seu Flu­mi­nen­se, ape­sar de atu­al cam­peão da Co­pa do Bra­sil, não ins­pi­ra mui­tas ex­cla­ma­ções. Afi­nal, o en­fo­que de su­as crô­ni­cas sem­pre foi a ma­gia do dri­ble e o to­que su­til de atle­tas ele­va­dos à con­di­ção so­brehu­ma­na - que o bom Thi­a­go Ne­ves, o 10 do Flu, es­tá lon­ge de al­can­çar. Acha­ria um dis­pa­ra­te o me­lhor jo­ga­dor em ati­vi­da­de no país ser um go­lei­ro, an­tes aque­la fi­gu­ra me­lan­có­li­ca que faz até mor­rer gra­ma em seu es­pa­ço de atu­a­ção. Re­fei­to do sus­to, po­rém, re­co­nhe­ce­ria em Ro­gé­rio Ce­ni um di­fe­ren­ci­a­do e di­ria que Dun­ga tem uma mi­o­pia mai­or que a sua.

Qua­se dis­pos­to a mu­dar-se pa­ra a Eu­ro­pa, Nel­son fi­ca­ria eu­fó­ri­co com a pos­si­bi­li­da­de de acom­pa­nhar Ro­nal­di­nho, Ka­ká e Ro­bi­nho de per­to, os que ho­je mais se apro­xi­mam da con­di­ção ce­les­ti­al. Dia 17 de ou­tu­bro, a Se­le­ção en­fren­ta o Equa­dor, pe­las Eli­mi­na­tó­ri­as da Co­pa, no Ma­ra­ca­nã, a se­gun­da ca­sa do cro­nis­ta. Não é mais o Es­cre­te (ter­mo de­le que per­so­ni­fi­cou a Se­le­ção), mas con­ti­nua o me­lhor do mun­do. E sem com­ple­xo de vi­ra-la­tas, pois to­dos os jo­ga­do­res têm pe­di­gree: são po­li­glo­tas que vi­si­tam os gran­des mu­seus do Ve­lho Mun­do. Is­so tam­bém o dei­xa­ria pas­mo.

No meio des­sas su­po­si­ções, um pul­ga atrás da ore­lha me diz ain­da, pre­o­cu­pa­da, que é bem pro­vá­vel que ele, pas­si­o­nal co­mo é, vis­se co­e­rên­cia na for­ma de agir de Eu­ri­co Mi­ran­da. Fi­que bem on­de es­tá, Nel­son, na eter­ni­da­de. Até por­que as re­da­ções fo­ram in­va­di­das por mu­lhe­res in­te­li­gen­tes, in­de­pen­den­tes e que, de­fi­ni­ti­va­men­te, não gos­tam de apa­nhar.

E-mail: fernando_bh@yahoo.com.br

Compartilhe