[...] Po­rém me con­quis­tar mes­mo a pon­to de fi­car do­en­do no de­se­jo, só Be­lém me con­quis­tou as­sim. Meu úni­co ide­al de ago­ra em di­an­te é pas­sar uns me­ses mo­ran­do no Gran­de Ho­tel de Be­lém. O di­rei­to de sen­tar na­que­la ter­ras­se em fren­te das man­guei­ras ta­pan­do o Te­a­tro da Paz, sen­tar sem mais na­da, chu­pi­tan­do um sor­ve­te de cu­pu­a­çu, de açaí, vo­cê que co­nhe­ce o mun­do, co­nhe­ce coi­sa me­lhor do que is­so, Ma­nu? Me pa­re­ce im­pos­sí­vel. Olha que te­nho vis­to bem coi­sas es­tu­pen­das. Vi o Rio em to­das as ho­ras e lu­ga­res, vi a Ti­ju­ca e a Stº Te­re­sa de vo­cê, vi a que­da da Ser­ra pa­ra San­tos, vi a tar­de de si­noa em Ou­ro Pre­to e ve­jo ago­ri­nha mes­mo a ma­nhã mais lin­da do Ama­zo­nas. Na­da dis­so que lem­bro com sau­da­des e que me ex­ta­sia sem­pre ver, na­da de­se­jo re­ver co­mo uma pre­ci­são ab­so­lu­ta fa­ta­li­za­da do meu or­ga­nis­mo in­tei­ri­nho. [...]
Que­ro Be­lém co­mo se quer um amor. É in­con­ce­bí­vel o amor que Be­lém des­per­tou em mim. E co­mo já fa­lei, sen­tar de li­nho bran­co de­pois da chu­va na ter­ras­se do Gran­de Ho­tel e tra­gar sor­ve­te, sem von­ta­de, só pa­ra agir.

(Tre­cho da car­ta de Má­rio de An­dra­de
a Ma­nu­el Ban­dei­ra, Ju­nho de 1927)

Má­rio de An­dra­de vi­veu uma in­ten­sa his­tó­ria de amor com Be­lém, a ca­pi­tal do Pa­rá. Es­tar no mer­ca­do Ver o Pe­so, era um dos pro­gra­mas pre­di­le­tos do po­e­ta pau­lis­ta­no. Lá, on­de as pa­la­vras e as idéi­as, em far­tu­ra, dis­pu­tam com os pa­tos, os pei­xes, os in­gre­di­en­tes da ma­ni­ço­ba, o tu­cu­pi, o cu­pu­a­çu, o ba­cu­ri, o açaí, o ar­te­sa­na­to e os cu­ran­dei­ros da flo­res­ta, a pre­fe­rên­cia dos con­su­mi­do­res da sub­je­ti­vi­da­de. Es­cri­to­res sem­pre vol­tam de Be­lém grá­vi­dos.

Tu­ris­ta apren­diz, o au­tor mo­der­nis­ta sou­be con­su­mir o mun­do sub­je­ti­vo da Amazô­nia co­mo pou­cos. As­sim tam­bém o fez Car­los Go­mes. Foi em Be­lém que o nos­so com­po­si­tor mai­or mor­reu. Ho­je ele é lem­bra­do em to­das as noi­tes de es­pe­tá­cu­lo no The­a­tro da Paz. Se­ja qual for o te­ma ou au­tor da pe­ça, ópe­ra ou con­cer­to a ser apre­sen­ta­do, as cor­ti­nas de ve­lu­do ver­me­lho sem­pre se abrem ao som do tre­cho mais fa­mo­so de O Gua­ra­ni. Pu­de con­fe­rir ao as­sis­tir a apre­sen­ta­ção so­lo da so­pra­no pa­ra­en­se Pa­trí­cia de Oli­vei­ra. Na­que­la noi­te, era o úni­co con­vi­da­do a ocu­par o pri­vi­le­gi­a­do ca­ma­ro­te do Se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Cul­tu­ra.

O The­a­tro da Paz é uma das mais be­las ca­sas de es­pe­tá­cu­los do mun­do. Inau­gu­ra­do em 1878 é pra­ti­ca­men­te uma ré­pli­ca do Te­a­tro al­la Sca­la, de Mi­lão. Não é por aca­so que Be­lém tem um dos mais con­cei­tu­a­dos fes­ti­vais de Ópe­ra do país. Mas não era épo­ca de ópe­ra e sim de ora­ção. Es­tá­va­mos na se­ma­na do Cí­rio de Na­za­ré. Há du­zen­tos e quin­ze anos Be­lém ce­le­bra o Cí­rio. E pa­ra mi­nha sur­pre­sa, bem mais que uma ma­ni­fes­ta­ção re­li­gi­o­sa, as fes­ti­vi­da­des re­ve­la­ram-se uma fes­ta cul­tu­ral.

Na vés­pe­ra da mai­or ro­ma­ria ca­tó­li­ca do mun­do, um gru­po de 500 ar­tis­tas de to­das as lin­gua­gens ce­le­bram o Au­to do Cí­rio, um es­pe­tá­cu­lo a céu aber­to que per­cor­re cin­co pon­tos his­tó­ri­cos da ci­da­de fun­da­da em 1616. E com o aval da Aca­de­mia. Ca­be a Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Pa­rá, a con­cep­ção e a pro­du­ção do show que reú­ne te­a­tro, mú­si­ca, dan­ça e ar­tes plás­ti­cas. A tru­pe se apre­sen­ta pa­ra um pú­bli­co de 10 mil pes­so­as nu­ma emo­ci­o­nan­te co­mu­nhão ar­tís­ti­ca.

Em fren­te à ca­te­dral de Be­lém, uma Nos­sa Se­nho­ra ne­gra can­ta pa­ra Oxum e ou­tros ori­xás. Dra­ma, fé e car­na­val se mis­tu­ram pa­ra ho­me­na­ge­ar Nos­sa Se­nho­ra de Na­za­ré, a Rai­nha da Amazô­nia. E foi du­ran­te es­ses di­as sa­cros e pro­fa­nos que che­guei pa­ra ten­tar ser to­ca­do pe­la sub­je­ti­vi­da­de que ha­bi­ta em San­ta Ma­ria de Be­lém do Grão Pa­rá.

Lo­go no pri­mei­ro dia, en­con­trei uma mu­lher com tra­ços in­dí­ge­nas, nua, sen­ta­da na cal­ça­da no cen­tro da ci­da­de sor­rin­do pa­ra o na­da. Ve­lha co­nhe­ci­da dos mo­ra­do­res, já não cha­ma­va mais a aten­ção de nin­guém, só de tu­ris­tas co­mo eu. Pa­re­ce com al­guém, pen­sei. Quem sa­be es­ta­va ali pa­ra lem­brar Ma­cu­naí­ma? Sim, aque­le sor­ri­so ma­ro­to e ar­tei­ro que ela me deu ti­nha um sig­ni­fi­ca­do: sou eu seu bo­bo, Ma­cu­naí­ma! Não con­se­gue me ver den­tro des­te cor­po? Ai, que pre­gui­ça! Ai, que preguiça...Bocejou a mo­le­ca.

E se­gui, en­tão, olhan­do vá­ri­as ve­zes pa­ra trás, in­co­mo­da­do com aque­le Ma­cu­naí­ma dis­far­ça­do de ín­dia. Pro­ta­go­nis­ta ago­ra da mi­nha rap­só­dia. O fe­mi­ni­no de Má­rio de An­dra­de que tão bem se adap­tou ao cli­ma da Amazô­nia até ho­je dá flo­res. Quan­tos Fre­de­ri­cos Pa­ci­ên­cia na fes­ta da Chi­qui­ta!! Fo­lia que co­me­ça as­sim que a pro­cis­são ter­mi­na já na ca­la­da da noi­te. Mas que tam­bém ocor­re pa­ra re­ve­ren­ci­ar a Se­nho­ra de Na­za­ré.

E a Igre­ja não pro­tes­ta. To­le­ra e per­mi­te que ca­da um de­mons­tre, ao seu mo­do, a fé que no do­min­go do Cí­rio, le­va mais de dois mi­lhões de pes­so­as às ru­as de Be­lém. Elas per­cor­rem qua­se qua­tro quilô­me­tros da Ca­te­dral à Ba­sí­li­ca, na pra­ça do San­tuá­rio. Es­te ano, se­te mil de­vo­tos, a mai­o­ria ho­mens, par­ti­ci­pa­ram da ro­ma­ria agar­ra­dos à cor­da mi­la­gro­sa que, na mai­o­ria das ve­zes, fi­ca pre­sa à ber­lin­da que pro­te­ge a ima­gem da san­ta pe­re­gri­na. Mi­lha­res de mãos e de pés des­cal­ços se amon­to­am em tor­no da cor­da. Pe­ga­das da sub­je­ti­vi­da­de. Co­mé­dia di­vi­na? Ca­ça­do­res do Aleph? Per­so­na­gens de Je­an Ge­net? Clo­nes de Qui­xo­te? Gri­los fa­lan­tes de um Bra­sil- Pi­nó­quio? Ma­ca­béas? Gen­te de car­ne e os­so? Qual era mes­mo a re­li­gião de Ma­cu­naí­ma? No Cí­rio, to­da sub­je­ti­vi­da­de é pos­sí­vel. To­das as ma­ni­fes­ta­ções re­li­gi­o­sas, to­das as cren­di­ces, se ren­dem à Ma­ria de Na­za­ré.

E quan­do a ro­ma­ria pas­sa pe­la pra­ça do re­ló­gio, do­a­do pe­los in­gle­ses, a gen­te per­ce­be que aqui o Tem­po an­da pa­ra fren­te, mas tam­bém in­sis­te em vol­tar pa­ra trás. Be­lém é re­fém do pas­sa­do e do seu pró­prio po­der po­lí­ti­co. O pôr do sol nas Do­cas é ines­que­cí­vel as­sim tam­bém co­mo qua­se to­dos os car­tões pos­tais da ci­da­de. Mas ines­que­cí­veis tam­bém são os ra­tos e as ru­as sem re­de de es­go­to que nos re­me­tem a Be­lém da épo­ca do Im­pé­rio. Mu­sa na­ci­o­nal da Bel­le Épo­que. Be­la que po­dia ser ain­da mais be­la. Pri­si­o­nei­ra da His­tó­ria. Co­mo as ví­ti­mas da Sín­dro­me de Es­to­col­mo pre­fe­re vi­ver em paz com seus seqües­tra­do­res. Ador­me­ci­da nos bra­ços da fé.

Su­as len­das e he­róis es­tão mais vi­vos do que se ima­gi­na. Dos he­róis da Re­vo­lu­ção da Ca­ba­na­gem, aos pri­mei­ros ar­tis­tas que se apre­sen­ta­ram no The­a­tro da Paz; de Plá­ci­do, o pes­ca­dor que en­con­trou a ima­gem de Na­za­ré num iga­ra­pé aos ju­deus mar­ro­qui­nos que co­me­ça­ram a che­gar em 1810 e en­ri­que­ce­ram com a pro­du­ção de bor­ra­cha.

Co­mo sem­pre cho­ve pra­ti­ca­men­te to­das as tar­des em Be­lém, an­tes do pri­mei­ro re­ló­gio ser ins­ta­la­do na ca­pi­tal pa­ra­en­se, os mo­ra­do­res mar­ca­vam com­pro­mis­so sem­pre com a tra­di­ci­o­nal per­gun­ta: An­tes ou de­pois da chu­va? Ela ser­via tan­to pa­ra agen­dar reu­niões de ne­gó­ci­os ou fa­mi­li­a­res; co­mo os en­con­tros de ami­za­de ou os amo­ro­sos, fos­sem eles proi­bi­dos ou não.

San­ta chu­va prous­ti­a­na! Que apren­deu a dar ba­nho nas ho­ras, guar­dar se­gre­dos, fa­zer o pa­pel de cu­pi­do, as­sis­tir aos du­e­los, ir­ri­gar as lá­gri­mas dos de­sen­con­tros.

Pro­fa­na chu­va dan­tes­ca, que su­ja o pa­dre, es­ti­mu­la e re­a­li­za os de­se­jos, ali­via o ca­lor in­fer­nal da ci­da­de da Vir­gem de Na­za­ré e que me ins­pi­ra a mar­car os meus en­con­tros com a sub­je­ti­vi­da­de antes,depois e du­ran­te. To­ma­ra por to­da eter­ni­da­de.

E-mail: luciusdemello@uol.com.br

Compartilhe