Colaboradores

De repente - Texto de Dudu Oliva

domingo, 18 de novembro de 2007 Texto de

DE REPENTE

Atra­vés da ja­ne­la pro­te­gi­da por uma gra­de e com vi­dros re­ves­ti­dos de in­su­fil­me ve­jo os pom­bos vo­an­do pa­ra lá e pa­ra cá; o ven­to ba­lan­ça os fi­os dos pos­tes e as fo­lhas das ár­vo­res. Um pas­sa­ri­nho se equi­li­bra num des­tes fi­os ao la­do da car­ca­ça de uma pi­pa. As cons­tru­ções ca­da vez mais al­tas não per­mi­tem ob­ser­var o mor­ro, on­de an­ti­ga­men­te a pri­mei­ra coi­sa que eu mi­ra­va era o ver­de in­ten­so.

NASCER DO SOL

O guer­rei­ro com a es­pa­da olha as mon­ta­nhas, sen­te uma pon­ta­da de es­pe­ran­ça. Uma do­na-de-ca­sa com a lou­ça olha as mon­ta­nhas, sen­te uma pon­ta­da de es­pe­ran­ça. Um pa­dre com o cru­ci­fi­xo olha as mon­ta­nhas, sen­te uma pon­ta­da de es­pe­ran­ça. Uma cri­an­ça com o ur­si­nho de pe­lú­cia olha as mon­ta­nhas, sen­te uma pon­ta­da de es­pe­ran­ça. Uma ce­na, qua­tro mo­men­tos e o mes­mo sen­ti­men­to.

E-mail: dudu.oliva@uol.com.br

Compartilhe