Colaboradores

Competente - Texto de Otávio Nunes

sexta-feira, 16 de novembro de 2007 Texto de

Não gos­to do ad­je­ti­vo com­pe­ten­te. De al­guns me­ses pa­ra cá, na ver­da­de,
mais de ano, pas­sei a evi­tar tal pa­la­vra, bem co­mo su­as de­ri­va­das, pre­fe­rin­do qua­li­fi­ca­do, ca­pa­ci­ta­do, pre­pa­ra­do, ap­to, ex­pe­ri­en­te, co­nhe­ce­dor... “Ora, não é a mes­ma coi­sa”, di­rão al­guns pu­ris­tas, que só en­ten­dem a pa­la­vra no seu sen­ti­do in­di­vi­du­al, de di­ci­o­ná­rio. Ami­gos, o sen­ti­do da pa­la­vra quem dá é o con­tex­to, se­nhor de tu­do.

Pa­ra evi­tar uma pa­la­vra odi­o­sa, mu­do até mes­mo to­da a fra­se ou pa­rá­gra­fo. No com­pu­ta­dor, é mo­le­za. Nos anos dou­ra­dos da Oli­vet­ti era di­fí­cil. Cer­ta fei­ta, fo­ca de re­da­ção, le­vei uma bron­ca do edi­tor que me ame­a­çou: “Vou des­con­tar do seu par­co sa­lá­rio as lau­das jo­ga­das no li­xo”. Co­me­cei a guar­dar lau­das amas­sa­das no bol­so. Meu Deus! Quan­ta coi­sa idi­o­ta fa­ze­mos nes­sa vi­da. Mas vol­te­mos ao ad­je­ti­vo em ques­tão, que na mi­nha in­sig­ni­fi­can­te opi­nião é exe­crá­vel.

É meio di­fí­cil ex­pli­car mi­nha oje­ri­za. Vou ten­tar, en­tre­tan­to.

Com­pe­ten­te me soa um ad­je­ti­vo mo­dis­ta, es­no­be, afe­ta­do, me­ti­do a bes­ta, po­li­ti­ca­men­te cor­re­to, pre­con­cei­tu­o­so, eli­tis­ta, pro­pa­gan­dís­ti­co, ar­que­tei­ro, pe­dan­te e, ufa, mais ma­lha­do que cé­du­la de um re­al. Quan­do ou­ço tal pa­la­vra, me pa­re­ce que a pes­soa que a pro­fe­re faz dis­cur­so, ten­ta ser edu­ca­da ou for­mal. Ou se­ja. Soa co­mo al­go vo­lú­vel, dis­si­mu­la­do.

Na bo­ca dos mar­que­tei­ros e li­be­rais de car­tei­ri­nha, en­tão, com­pe­ten­te é aque­le que deu cer­to, que se deu bem, fi­cou ri­co, fa­mo­so. Às ve­zes, sem im­por­tar os mei­os. En­fim, é o win­ner. O in­com­pe­ten­te é o per­de­dor. É a qua­li­fi­ca­ção que po­lí­ti­cos, em­pre­sá­ri­os e jor­na­lis­tas mais uti­li­zam quan­do que­rem fa­lar de al­guém con­si­de­ra­do ta­lha­do pa­ra de­ter­mi­na­da ati­vi­da­de. Al­guns mais exal­ta­dos che­gam mes­mo a co­men­tar: “Não pres­ta, mas é com­pe­ten­te no que faz”.

Cer­ta fei­ta um che­fe, que não era o mes­mo da lau­da, dis­se-me que eu era in­com­pe­ten­te pa­ra cer­ta fun­ção. Não con­se­gui dor­mir di­rei­to por se­ma­nas. Sen­ti-me ani­qui­la­do co­mo a pul­ga en­tre as unhas. Ho­je, acre­di­to, te­ria um so­no pro­fun­do, sem cul­pa, sem pul­ga e sem lau­da.

E-mail: otanunes@gmail.com

Compartilhe