“Os con­tos das Mil e uma noi­tes po­vo­a­ram a ima­gi­na­ção de sem-nú­me­ro de lei­to­res que, pen­den­tes dos nar­ra­do­res, an­si­a­vam pa­ra sa­ber o que ri­ria acon­te­cer com Sim­bad e Zo­nai­de e, com o mes­mo fô­le­go cur­to, te­mi­am pe­la sor­te de Sche­re­za­de en­tre­gue ao ca­pri­cho do mais cru­el dos ou­vin­tes.” ( es­cri­tor Al­fre­do Bo­si)

An­tes de fa­lar so­bre o ro­man­ce que aca­bei de ler - Vo­zes do De­ser­to (Re­cord, 2005), con­ta­rei bre­ve­men­te uma len­da ori­en­tal - UMA FÁBULA SOBRE A FÁBULA.

Quan­do Deus cri­ou a mu­lher, in­ven­tou a fan­ta­sia. Um dia, a ver­da­de vi­si­tou um gran­de pa­lá­cio, on­de mo­ra­va um sul­tão. Ves­ti­da de um véu trans­pa­ren­te ba­teu na por­ta do pa­lá­cio pa­ra fa­lar com o sul­tão. ” Sou a Ver­da­de! Que­ro fa­lar ao vos­so amo e se­nhor” . O che­fe dos guar­das foi ao grão-vi­zir, dis­se que uma mu­lher qua­se nua que­ria fa­lar com sul­tão. O grão-vi­zir não quis con­ver­sar com a Ver­da­de: “A ver­da­de quer pe­ne­trar nes­se pa­lá­cio! Não! Nun­ca! Que se­ria de mim, que se­ria de to­dos nós, se a ver­da­de aqui en­tras­se? A per­di­ção a des­gra­ça nos­sa. Di­ze-lhe que uma mu­lher nua, des­pu­do­ra­da, não en­tra aqui!...” . O che­fe do guar­das dis­se pa­ra a Ver­da­de que ela não po­dia en­trar no pa­lá­cio, “a tua nu­dez iria ofen­der o ca­li­fa”.

Quan­do deus cri­ou a mu­lher, cri­ou tam­bém a Obs­ti­na­ção. E a ver­da­de per­sis­tiu na vi­si­ta ao pa­lá­cio. Co­briu as pe­re­gri­nais for­mas de um cou­ro gros­sei­ro co­mo os que usam os pas­to­res, e foi no­va­men­te ba­ter à por­ta do sun­tu­o­so pa­lá­cio em que vi­via o glo­ri­o­so se­nhor das ter­ras mul­çu­ma­nas. Ba­teu no­va­men­te na por­ta. O che­fe dos guar­das per­gun­tou quem era. Sou a Acu­sa­ção. Ele foi ao grão-vi­zir. “Se­nhor, uma mu­lher des­co­nhe­ci­da, com cor­po en­vol­to em gros­sei­ras pe­les, de­se­ja fa­lar ao nos­so so­be­ra­no. Cha­ma-se acu­sa­ção”. O grão-vi­zir: “A Acu­sa­ção! Que se­ria de mim, que se­ria de to­dos nós, se a Acu­sa­ção aqui en­tras­se! A per­di­ção, a des­gra­ça nos­sa! Di­ze-lhe que não, não po­de en­trar! Di­ze-lhe que uma mu­lher, sob ves­tes gros­sei­ras de um za­gal, não po­de fa­lar ao nos­so amo e se­nhor!” . De­pois, o che­fe dos guar­das dis­se pa­ra a Acu­sa­ção que ela não po­dia en­trar.

Quan­do deus cri­ou a mu­lher, cri­ou o Ca­pri­cho. E a Ver­da­de en­cheu-se do vi­vo de­se­jo de vi­si­tar o gran­de pa­lá­cio do sul­tão. Ves­tiu-se de riquís­si­mos tra­jes, co­briu-se com jói­as e ador­nos, en­vol­veu o ros­to em um man­to diá­fa­no de se­da e foi ba­ter ou­tra vez à por­ta do pa­lá­cio. “Sou a fá­bu­la”. O che­fe dos guar­das fa­lou com grão-vi­zir. “Uma lin­da e en­can­ta­do­ra mu­lher, ves­ti­da co­mo uma prin­ce­sa, so­li­ci­ta­da au­di­ên­cia de nos­so amo e se­nhor. Cha­ma-se Fá­bu­la!”. O grão-vi­zir: “A fá­bu­la quer en­trar nes­te pa­lá­cio! Alá se­ja lou­va­do! Que en­tre! Ben­di­ta se­ja a en­can­ta­do­ra Fá­bu­la e que ela te­nha, nes­te pa­lá­cio, o aco­lhi­men­to dig­no de uma ver­da­dei­ra rai­nha!” . E, aber­tas de par em par as por­tas do gran­de pa­lá­cio de Bag­dá, a for­mo­sa pe­re­gri­na en­trou. Foi as­sim, sob o as­pec­to de Fá­bu­la, que a ver­da­de con­se­guiu apa­re­cer ao po­de­ro­so ca­li­fa de Bag­dá, o sul­tão.

Né­li­da em Vo­zes do De­ser­to mos­tra os bas­ti­do­res dos con­tos das Mil e uma noi­tes, que são his­tó­ri­as fan­tás­ti­cas in­ven­ta­das e pre­ser­va­das na tra­di­ção oral. Re­ve­la a mu­lher que es­tá por de trás da vi­são mí­ti­ca da fa­mo­sa con­ta­do­ra de his­tó­ria da li­te­ra­tu­ra ori­en­tal, Sche­re­za­de. Ela se co­mu­ni­ca com o Ca­li­fa com a sua ha­bi­li­da­de de con­tar his­tó­ri­as. Al­me­ja en­vol­vê-lo nu­ma teia de sen­su­a­li­da­de atra­vés das pa­la­vras, pa­ra que não ma­te mais as su­as es­po­sas e nem ela mes­ma. A nar­ra­ti­va es­tá na ter­cei­ra pes­soa e co­mo se nar­ra­dor es­ti­ves­se a con­tar oral­men­te as aven­tu­ras da pro­ta­go­nis­ta.

Sche­re­za­de tem co­mo ali­a­das à ir­mã Di­na­zer­de e a es­cra­va Jas­mi­ne. Elas a aju­dam no co­ti­di­a­no do pa­lá­cio e na ela­bo­ra­ção das his­tó­ri­as. A per­so­na­gem prin­ci­pal sem­pre se lem­bra da Fá­ti­ma, uma an­ti­ga em­pre­ga­da que cui­da­va de­la quan­do era pe­que­na e que a en­si­nou a ar­te de fa­bu­lar. Um la­do es­tá a for­ça vi­ril do Ca­li­fa e o seu ódio por to­das as mu­lhe­res, de­vi­do a es­po­sa Sul­ta­na que lhe traiu com um ou­tro ho­mem, no ou­tro es­tá Sche­re­za­de com o dom da pa­la­vra. Ela faz o Ca­li­fa se emo­ci­o­nar e se iden­ti­fi­car com os per­so­na­gens mar­gi­nais, po­bres e com as vo­zes dos po­vos nô­ma­des que vi­vem no de­ser­to. “Sche­re­za­de apren­de a so­bre­vi­ver. As re­gras da vi­da não es­tão es­cri­tas. Ca­be-lhe in­ven­tá-las a ca­da au­ro­ra”. Ao de­cor­rer da nar­ra­ti­va, a in­ti­mi­da­de e as an­gus­ti­as da con­ta­do­ra de his­tó­ri­as, de sua ir­mã Di­na­zer­de e da es­cra­va Jas­mi­ne são ex­pos­tas. Amor, res­pei­to e in­ve­ja se mis­tu­ras nas três per­so­na­gens.

She­re­za­de quer ser li­vre co­mo os per­so­na­gens os quais in­ven­ta, não quer ser apri­si­o­na­da. Co­mo a Ver­da­de da fá­bu­la pos­sui a fan­ta­sia, a obs­ti­na­ção e o ca­pri­cho. Ali­as co­mo o po­vo de Bag­dá e os nô­ma­des do de­ser­to, que ape­sar das ad­ver­si­da­des e ca­pri­cho dos po­de­ro­sos, con­ti­nu­am a fa­bu­lar e a so­nhar. Usam A PALAVRA pa­ra se­me­ar por ge­ra­ções fu­tu­ras seus mi­tos, len­das e cos­tu­mes.

E-mail: dudu.oliva@uol.com.br

Compartilhe