Contos

Dores nas costas

domingo, 21 de outubro de 2007 Texto de

I

Ou­tro dia, apa­re­ceu-me lá no con­sul­tó­rio, pe­lo meio da tar­de, um tal Sil­vé­rio. Mi­nha cli­en­te­la ge­ral­men­te é fi­xa, não por ou­tra coi­sa, se­não pe­lo de­ta­lhe de a mi­nha agen­da vi­ver lo­ta­da. Pa­ra di­zer a ver­da­de, te­nho con­sul­tas mar­ca­das pa­ra os pró­xi­mos seis me­ses. Por is­so mes­mo, quan­do sur­ge al­gum no­vo pa­ci­en­te, é na­tu­ral ali­men­tar uma cer­ta cu­ri­o­si­da­de. Con­tu­do, quan­do ele en­trou, am­bos não pu­de­mos evi­tar bo­as ri­sa­das. O fa­to é que já nos co­nhe­cía­mos, em­bo­ra não ti­vés­se­mos li­ga­do nos­sos no­mes às res­pec­ti­vas pes­so­as. Eu o ti­nha por Sil­va e ele me tra­ta­va por Dou­tor Ju­ca. São es­ses os ape­li­dos pe­los quais cos­tu­mam se di­ri­gir a nós, in­clu­si­ve no edi­fí­cio on­de mo­ra­mos, coin­ci­den­te­men­te no sé­ti­mo. Não era pa­ra rir? – “En­tão o no­me do se­nhor é João Car­los? Pu­xa, po­de­ria ser Jo­ca, não é? “ Bem, cla­ro que, em meio a ou­tras ri­sa­das, ex­pli­quei a ele que aqui­lo era coi­sa de fa­mí­lia, ape­li­do da­do pe­lo avô, en­fim, es­ses por­me­no­res de pou­co in­te­res­se a es­te ca­so. De­pois de a po­ei­ra bai­xar, a sur­pre­sa fi­can­do pa­ra trás, pas­sa­mos a con­ver­sar o que re­al­men­te ca­bia a um mé­di­co e um pa­ci­en­te.

- Mas, di­ga-me, Sil­va, is­to é, Sil­vé­rio, em que eu pos­so aju­dá-lo?

- Po­de con­ti­nu­ar me cha­man­do por Sil­va, dou­tor, por fa­vor. Olha, qua­se que eu não con­si­go a con­sul­ta. Acho que a mo­ça mar­cou por­que não agüen­ta­va mais mi­nha in­sis­tên­cia. De qual­quer ma­nei­ra, eu agra­de­ço mui­to. E vou pro­cu­rar não to­mar mui­to tem­po. Ela dis­se que mi­nha con­sul­ta é o que vo­cês cha­mam de “en­cai­xe”, é is­so?

- Po­de fi­car à von­ta­de, Sil­va. Se a con­sul­ta foi mar­ca­da, meu ob­je­ti­vo é fa­zer o me­lhor pe­lo pa­ci­en­te, ain­da mais por vo­cê, um vi­zi­nho.

- Bom, dou­tor, eu vim por­que mi­nhas cos­tas es­tão em pan­da­re­cos. Ago­ra até que es­tá dan­do pa­ra fa­lar e an­dar, mas tem ho­ra que nem dei­ta­do é pos­sí­vel.

O Sil­va, um ho­mem pe­los seus cinqüen­ta e pou­cos anos, fa­zia ter­rí­veis ca­re­tas de­bai­xo de um vas­to bi­go­de e pro­cu­ra­va, sem con­se­guir, le­var uma das mãos às cos­tas, en­quan­to ten­ta­va ex­pli­car seu pro­ble­ma. Em­bo­ra ali, à mi­nha fren­te, ele es­ti­ves­se apa­ren­te­men­te bem, su­as quei­xas eram de ar­re­pi­ar. Às ve­zes, pa­re­cia até exa­ge­rar. Eu pro­cu­rei dar um des­con­to a es­ses exa­ge­ros. Sei co­mo é fi­car so­zi­nho num apar­ta­men­to nes­ta ida­de. As­sim co­mo ele, tam­bém sou di­vor­ci­a­do e di­vi­do meu es­pa­ço com ví­ci­os e neu­ro­ses im­pla­cá­veis. Pen­sei: se ele não ti­ver com quem se la­mu­ri­ar, o mé­di­co de­le pre­ci­sa su­por­tar is­so, afi­nal to­do mé­di­co de­ve ter tam­bém uma pre­dis­po­si­ção a psi­có­lo­go. En­tão, le­van­tei-me e pe­di que ele ti­ras­se a ca­mi­sa e que se sen­tas­se à ca­ma. An­tes de tra­tar es­pe­ci­fi­ca­men­te de su­as cos­tas, eu pre­ci­sa­va ver se tu­do ia bem com ele em ter­mos ge­rais. De­pois de aus­cul­tá-lo, exa­mi­nan­do sua res­pi­ra­ção e seus ba­ti­men­tos car­día­cos, cons­ta­tei que a prin­cí­pio su­as con­di­ções não eram ruins, não ha­via in­dí­ci­os de pneu­mo­nia ou do­en­ças que pu­des­sem cau­sar as ter­rí­veis do­res que ele di­zia sen­tir. Sen­ta­mo-nos no­va­men­te, pa­ra que eu fi­zes­se o di­ag­nós­ti­co. Pa­ra is­so, te­nho por há­bi­to con­ver­sar bas­tan­te com o pa­ci­en­te, ana­li­sar su­as con­di­ções de vi­da, su­as ati­vi­da­des fí­si­cas, in­cluin­do aí a pos­tu­ra, en­fim, gos­to de ve­ri­fi­car de­ta­lha­da­men­te co­mo vi­ve a pes­soa e, só a par­tir daí, co­me­çar a tra­çar prog­nós­ti­cos so­bre a ori­gem do pro­ble­ma.

- Vo­cê cos­tu­ma pra­ti­car al­gum es­por­te, Sil­va?

- Olha, con­fes­so que ul­ti­ma­men­te es­tou meio pa­ra­dão. O se­nhor sa­be, sou re­pre­sen­tan­te co­mer­ci­al autô­no­mo, mas te­nho to­das as vi­si­tas pre­vi­a­men­te agen­da­das e ho­je em dia não me pas­sam mui­ta coi­sa. Nos di­as em que vi­si­to os cli­en­tes, vou de car­ro, ou se­ja, sen­ta­do; che­go ao lo­cal, es­pe­ro sen­ta­do; en­tro pa­ra ne­go­ci­ar, sou con­vi­da­do a me sen­tar; vol­to sen­ta­do, che­go em ca­sa e me sen­to pa­ra ver TV ou pa­ra co­mer. Quan­do não saio pa­ra tra­ba­lhar, é pi­or, fi­co ain­da mais tem­po sen­ta­do. De vez em quan­do, des­ço pa­ra dar umas vol­tas, mas é pou­ca coi­sa...

- Vo­cê sa­be que is­so não é na­da bom pa­ra a nos­sa ida­de, não é?

- A gen­te aca­ba se aco­mo­dan­do, só na ho­ra em que as coi­sas se com­pli­cam é que se pro­cu­ra um mé­di­co.

- Não é só is­so, Sil­va. Ló­gi­co que sem­pre é acon­se­lhá­vel con­sul­tar um mé­di­co, mas a pre­ven­ção tam­bém é fun­da­men­tal. O se­den­ta­ris­mo é uma ver­da­dei­ra ar­ma apon­ta­da pa­ra nos­so co­ra­ção, nos­sa ca­be­ça, nos­sa prós­ta­ta, en­fim, pa­ra nos­sa vi­da.

Es­tá­va­mos con­ver­san­do as­sim, o que jul­go im­por­tan­te pa­ra o pro­ces­so de cons­ci­en­ti­za­ção do pa­ci­en­te, quan­do de re­pen­te fiz a per­gun­ta que ori­gi­nou es­ta his­tó­ria.

- Bem, mas há quan­to tem­po vo­cê não pro­cu­ra um mé­di­co, hein Sil­va? Es­sa dor sur­giu ago­ra ou vem de lon­ge?

- Não me lem­bro de ter ido a um mé­di­co nos úl­ti­mos dez anos, pe­lo me­nos. Acho que a úl­ti­ma vez foi pa­ra ti­rar a ve­sí­cu­la. Ago­ra, es­sa dor, dou­tor, es­sa dor vem des­de que eu acor­dei com o leão me pi­san­do, faz uns três di­as.

II

Por um ins­tan­te, achei não ter com­pre­en­di­do a ex­pli­ca­ção de meu pa­ci­en­te. Per­ma­ne­ci ca­la­do, olhan­do pa­ra ele, e ele ba­lan­çan­do a ca­be­ça afir­ma­ti­va­men­te.

- Co­mo as­sim? Não en­ten­di, Sil­va.

En­tão, ele me fi­tou com bas­tan­te na­tu­ra­li­da­de e in­sis­tiu na jus­ti­fi­ca­ti­va.

- Eu não ti­nha es­sa dor, Dou­tor Ju­ca. Co­me­çou se­gun­da-fei­ra, de­pois que o leão me pi­sou.

Aque­le es­tá­gio de nos­so diá­lo­go exi­gia ra­pi­dez de meus neurô­ni­os. Sem de­mo­ra, eu pre­ci­sa­va ava­li­ar as pos­si­bi­li­da­des que le­va­vam meu pa­ci­en­te a agir da­que­la ma­nei­ra. Se a prin­cí­pio, eu ima­gi­na­ra tra­tar-se de uma brin­ca­dei­ra, na­da mais in­di­ca­va que as­sim o fos­se. O Sil­va es­ta­va sen­ta­do di­an­te de mim com ex­pres­são gra­ve, a fi­si­o­no­mia do pa­ci­en­te que es­tá em bus­ca de res­pos­tas pa­ra seu pro­ble­ma. Pro­cu­rei, en­tão, ga­nhar tem­po, ana­li­sar me­lhor sua jus­ti­fi­ca­ti­va pa­ra as do­res nas cos­tas, em­bo­ra in­ti­ma­men­te me sen­tis­se cons­tran­gi­do por ali­men­tar uma con­ver­sa as­sim.

- E co­mo foi is­so, Sil­va?

- Eu es­ta­va dei­ta­do de bru­ços. Só con­si­go dor­mir as­sim. É até en­gra­ça­do di­zer, mas eu so­nha­va com uma des­sas lu­tas de sumô e ti­nha um ja­po­nês mui­to gor­do sen­ta­do em mi­nhas cos­tas, eu não agüen­ta­va mais. Foi quan­do acor­dei com a pa­ta do leão em ci­ma de mim...

Pou­cos che­ga­ri­am a uma con­clu­são di­fe­ren­te da mi­nha: o Sil­va en­lou­que­ce­ra ou no mí­ni­mo tor­na­ra-se ví­ti­ma de uma per­tur­ba­ção men­tal. Ime­di­a­ta­men­te, me vi na obri­ga­ção de aju­dá-lo, mas eu pre­ci­sa­va pen­sar num mo­do sem di­zer a ele mi­nhas sus­pei­tas. Sa­bia-se lá o ti­po de re­a­ção de meu pa­ci­en­te di­an­te de uma no­tí­cia des­sa. Pe­di a ele pa­ra dei­tar-se no­va­men­te e exa­mi­nei su­as cos­tas, en­quan­to pla­ne­ja­va o me­lhor a ser fei­to. Por fim, re­cei­tei-lhe al­guns re­la­xan­tes mus­cu­la­res e mar­quei o re­tor­no pa­ra da­li a uma se­ma­na, pra­zo su­fi­ci­en­te pa­ra en­con­trar uma saí­da. Eu co­nhe­cia al­guns bons psi­qui­a­tras e re­cor­re­ria a eles pa­ra acon­se­lhar-me.

Pas­sa­ram-se dois di­as. Cu­ri­o­so e pre­o­cu­pa­do, pro­cu­rei fi­car aten­to ao com­por­ta­men­to do Sil­va no edi­fí­cio on­de mo­rá­va­mos. Mas nes­sas qua­ren­ta e oi­to ho­ras, não o vi uma vez se­quer. En­tão, coi­sas ter­rí­veis co­me­ça­ram a ator­men­tar-me. Ele te­ria pi­o­ra­do? Tal­vez ti­ves­se si­do um er­ro aguar­dar uma se­ma­na. Eu de­ve­ria tê-lo en­vi­a­do a um psi­qui­a­tra na mes­ma ho­ra. Fui ter com o por­tei­ro.

- Vo­cê tem vis­to o Sil­va, do sé­ti­mo?

- Sim se­nhor, Dou­tor Ju­ca. O Seu Sil­va saiu faz coi­sa de meia ho­ra.

A in­for­ma­ção tranqüi­li­zou-me, mas ape­nas em par­te. Quan­do en­ca­fi­fo com um pro­ble­ma, não sos­se­go até vê-lo re­sol­vi­do, prin­ci­pal­men­te quan­do diz res­pei­to à mi­nha res­pon­sa­bi­li­da­de pro­fis­si­o­nal. À noi­ti­nha, ao vol­tar do con­sul­tó­rio, mi­nha in­ten­ção era es­pe­rá-lo na re­cep­ção ou, ca­so já ti­ves­se che­ga­do, pro­cu­rá-lo em seu apar­ta­men­to. Que­ria ao me­nos ob­ser­vá-lo de per­to, cons­ta­tar se sua per­tur­ba­ção ha­via pro­gre­di­do. Tu­do is­so, en­tre­tan­to, tor­nou-se des­ne­ces­sá­rio. Lo­go ao en­trar, en­con­trei o Sil­va dei­xan­do o pré­dio.

- Olá, Sil­va! Vai sair?

- Vou apro­vei­tar a sex­ta-fei­ra, dou­tor, to­mar uns cho­pes com os ami­gos.

- E as do­res nas cos­tas? Vo­cê me­lho­rou?

- Até que sim, dou­tor. Já es­tou qua­se bom.

Nis­so, não sei di­zer o mo­ti­vo, quem sa­be o alí­vio de per­ce­ber a nor­ma­li­da­de em seu com­por­ta­men­to, fiz-lhe uma per­gun­ta cu­jo te­or de cer­ta for­ma com­pe­liu-me an­tes mes­mo de con­cluí-la. Fran­ca­men­te, não sei de on­de ti­rei aque­la bes­tei­ra, uma es­pé­cie de brin­ca­dei­ra de mau gos­to.

- E o leão, vo­cê o viu ou­tra vez?

- Aca­bei de des­cer com ele no ele­va­dor. Até lo­go, dou­tor, já es­tão bu­zi­nan­do pa­ra mim.

III

Es­tá mes­mo me­lhor, pen­sei. Quem tão ra­pi­da­men­te re­tru­ca com sar­cas­mo a uma iro­nia ba­ra­ta não de­ve es­tar as­sim mui­to lou­co. Bem, me­nos mal. Co­mo fa­ço to­das as noi­tes, cum­pri­men­tei o por­tei­ro e me di­ri­gi ao ele­va­dor, já fu­çan­do em mi­nhas coi­sas à pro­cu­ra da cha­ve do apar­ta­men­to. Nes­se meio tem­po, fui en­tran­do no ele­va­dor, ain­da com a va­li­se aber­ta, até res­ga­tar de lá o mo­lho de cha­ves. Aper­tei o se­te e fe­chei a ma­le­ta. Quan­do fui ajei­tar meus ócu­los, dei-me con­ta de al­go ao meu la­do. Pus-me atô­ni­to: era o leão. Per­ma­ne­ci es­tá­ti­co, a não ser pe­lo le­ve tre­mor de meus mem­bros. Fi­xei o olhar no pai­nel dos nú­me­ros. Es­tá­va­mos no ter­cei­ro. Uma go­ta de su­or dei­xou o cou­ro ca­be­lu­do, atra­ves­sou a ex­tre­mi­da­de da so­bran­ce­lha, pas­sou pe­lo olho, es­cor­reu con­tor­nan­do o na­riz, até ser cap­tu­ra­da por mi­nha lín­gua se­ca. Pas­sa­mos pe­lo quar­to an­dar e che­gá­va­mos ao quin­to, a luz no pai­nel es­ta­va ace­sa. O ele­va­dor re­du­ziu a ve­lo­ci­da­de. De tra­vés, per­ce­bi-lhe ba­lan­çar a ore­lha e mo­vi­men­tar le­ve­men­te a ca­be­ça, co­mo fa­zem os ani­mais pa­ra ex­pul­sar os mos­qui­tos. Por um ins­tan­te, ame­a­cei um ber­ro, mas a gar­gan­ta tra­va­da abor­tou qual­quer pos­si­bi­li­da­de de som. A por­ta abriu-se no quin­to an­dar. Nin­guém do la­do de fo­ra. A por­ta fe­chou-se. Fal­ta­vam só dois. Mais al­guns se­gun­dos e eu po­de­ria fi­nal­men­te res­pi­rar ou­tra vez. O pai­nel ilu­mi­nou o sex­to. O bi­cho le­van­tou-se abrup­ta­men­te. Nes­sa ho­ra, sen­ti-me um ve­lho me­re­ce­dor de pi­e­da­de ao per­ce­ber a uri­na mo­lhan­do-me por bai­xo das cal­ças, até en­char­car uma das mei­as. Deus, o se­nhor es­tá aí? Aque­les mí­se­ros se­gun­dos, en­tre um an­dar e ou­tro, ser­vi­ram-me pa­ra aban­do­nar cinqüen­ta e seis anos de fer­re­nha in­cre­du­li­da­de. Pe­di a Deus pe­la mi­nha vi­da. Ape­nas não ajo­e­lhei pa­ra evi­tar cha­mar a aten­ção de meu com­pa­nhei­ro de vi­a­gem. En­fim, o sé­ti­mo. A por­ta es­can­ca­rou-se. Co­mo um robô, ten­tei an­dar sem mo­ver-me de­mais. Pi­sei no chão do cor­re­dor e um se­gun­do após, ou­vi o ele­va­dor fe­char-se atrás de mim.

Cam­ba­le­ei até mi­nha por­ta, com di­fi­cul­da­de en­cai­xei a cha­ve no tam­bor. Ar­ras­tei-me à sa­la, pre­ven­do um ata­que car­día­co, mas em vez de li­gar pa­ra um hos­pi­tal ou pa­ra o res­ga­te, te­le­fo­nei pa­ra o Cor­po de Bom­bei­ros. Mi­nha voz qua­se não saía.

- É uma emer­gên­cia, por fa­vor. Há um leão no ele­va­dor de meu pré­dio.

Do ou­tro la­do da li­nha, um si­lên­cio man­te­ve-se por al­guns ins­tan­tes.

- Es­cu­ta aqui, en­gra­ça­di­nho: sua sor­te é es­tar­mos, exa­ta­men­te ago­ra, com pro­ble­mas no sis­te­ma de iden­ti­fi­ca­ção de cha­ma­das. Vá pro­cu­rar al­go me­lhor pa­ra fa­zer, ok?

E des­li­gou. Sim, ha­via um leão no pré­dio, pas­se­an­do de ele­va­dor, e o su­jei­to dos bom­bei­ros des­li­ga­ra o te­le­fo­ne na mi­nha ca­ra. Ten­tei res­pi­rar com cal­ma, re­cu­pe­rar o fô­le­go. Fi­quei sen­ta­do por apro­xi­ma­da­men­te dez mi­nu­tos. Só en­tão pu­de vol­tar a ser ra­ci­o­nal. Se­ria mes­mo um leão no ele­va­dor? Eu não es­ta­ria per­tur­ba­do com o ca­so do Sil­va? Em­bo­ra fos­se uma ta­ma­nha coin­ci­dên­cia, se as neu­ro­ses de­le eram ca­pa­zes de le­vá-lo a ima­gi­nar-se com um leão so­bre as cos­tas, por que eu não po­de­ria tam­bém so­frer uma alu­ci­na­ção se­me­lhan­te? Be­bi uma do­se de uís­que pa­ra re­la­xar. De­pois, dei-me con­ta da rou­pa úmi­da de uri­na. To­mei um ba­nho rá­pi­do, não ti­nha pa­ci­ên­cia pa­ra na­da. Que ab­sur­do aqui­lo tu­do! Era pre­ci­so uma res­pos­ta, ou eu iria en­lou­que­cer de ver­da­de. Fui no­va­men­te até o cor­re­dor, cha­mei o ele­va­dor, a por­ta abriu-se. Na­da. En­trei e aper­tei o T. Eu fa­la­ria com o por­tei­ro, quem sa­be ele ti­ves­se ou­vi­do al­gum co­men­tá­rio a res­pei­to des­sas vi­sões, quem sa­be ou­tros mo­ra­do­res, uma alu­ci­na­ção co­le­ti­va? Em vez de des­cer, o ele­va­dor su­biu. Foi até o úl­ti­mo an­dar, o vi­gé­si­mo. Nin­guém à es­pe­ra. Mas, quan­do a fo­lha de aço co­me­çou a des­li­zar pa­ra fe­char-se, per­ce­bi num re­lan­ce al­go es­tra­nho. Se­gu­rei a por­ta e saí ao cor­re­dor. O du­plex es­ta­va aber­to e de lá exa­la­va um chei­ro ruim. Nas pon­tas dos pés, dei cin­co ou seis pas­sos e com cui­da­do em­pur­rei a por­ta, bem de­va­gar. O ce­ná­rio dan­tes­co cau­sou-me ver­ti­gem e tu­do es­cu­re­ceu-se à mi­nha fren­te. Es­co­rei-me à pa­re­de pa­ra não cair. Tão lo­go re­cu­pe­rei-me, fui ao in­ter­fo­ne e gri­tei por so­cor­ro. Dois se­gu­ran­ças su­bi­ram de­pres­sa e, en­tão, cha­ma­mos a po­lí­cia.

Na sa­la enor­me do apar­ta­men­to, so­bre os jo­gos de es­to­fa­dos, me­sas, ca­dei­ras e de­mais mó­veis, se­guia-se um ras­tro de san­gue e res­tos de cor­pos. Um dos quar­tos, o mai­or, abri­ga­va uma jau­la em pra­ti­ca­men­te to­da sua ex­ten­são. Cer­ca de meio me­tro a se­pa­ra­va das pa­re­des, es­tas pre­pa­ra­das com uma for­ra­gem es­pe­ci­al. Cui­da­dos acús­ti­cos im­pe­di­am a pro­pa­ga­ção de qual­quer som, mes­mo o ru­gi­do de um leão. A de­co­ra­ção, por sua vez, era fan­tás­ti­ca. O po­bre bi­cho pre­so cer­ta­men­te ima­gi­na­va-se nu­ma sel­va, tal a qua­li­da­de das pin­tu­ras. A in­ves­ti­ga­ção po­li­ci­al re­ve­lou o se­guin­te: os mo­ra­do­res do du­plex, um ca­sal de avan­ça­da ida­de, cri­a­ram o leão des­de pe­que­no. Vá­ri­os ál­buns de fo­tos e ví­de­os fo­ram ane­xa­dos ao pro­ces­so. Pe­lo jei­to, acom­pa­nhar o cres­ci­men­to e o dia-a-dia do ani­mal con­fi­gu­ra­va-se no gran­de di­ver­ti­men­to dos ve­lhi­nhos. Aliás, eles não ti­nham fi­lhos e nun­ca re­ce­bi­am vi­si­tas. Se­gun­do os por­tei­ros, qua­se não saíam, mas as en­co­men­das che­ga­vam cons­tan­te­men­te, en­tre elas de­cer­to mui­ta car­ne pa­ra a di­e­ta do leão. Quan­do os po­li­ci­ais cer­ti­fi­ca­ram-se do in­crí­vel acon­te­ci­men­to, os bom­bei­ros e a de­fe­sa ci­vil fo­ram cha­ma­dos, e os mo­ra­do­res, re­ti­ra­dos. Pas­sa­mos acor­da­dos uma lon­ga noi­te. No fim, nem si­nal do no­bre fe­lí­deo. Sim­ples­men­te, ele de­sa­pa­re­ceu.

No dia se­guin­te, mui­to ce­do, uma de mi­nhas fi­lhas veio vi­si­tar-me. Eu não avi­sa­ra nin­guém da fa­mí­lia so­bre o epi­só­dio. Si­tu­a­ções des­se ti­po só de­vem ser ex­pli­ca­das pes­so­al­men­te. Por te­le­fo­ne, pa­re­cem tro­tes ou brin­ca­dei­ras bo­bas. Ou, na pi­or das hi­pó­te­ses, po­de­ri­am to­mar-me co­mo lou­co. Não foi es­sa mi­nha re­a­ção a res­pei­to do Sil­va? Bem, pre­ci­sei re­pe­tir a his­tó­ria umas cem ve­zes pa­ra mi­nha ne­ta de seis anos. Mas o fiz com pra­zer, man­ten­do pe­lo má­xi­mo de tem­po pos­sí­vel aque­le bri­lho em seus olhos, o bri­lho pro­vo­ca­do pe­la ima­gi­na­ção de ter o avô me­ti­do nu­ma aven­tu­ra pa­re­ci­da com os de­se­nhos ani­ma­dos e os li­vros ilus­tra­dos de seu mun­di­nho. Quan­do fi­nal­men­te can­sou-se, ela me olhou com to­da sua ino­cên­cia e per­gun­tou on­de es­ta­va o leão ago­ra. Foi uma óti­ma per­gun­ta. On­de es­ta­ria o leão ago­ra? Na ver­da­de, nun­ca o en­con­tra­ram.

- Vovô, ele po­de es­tar por aí, pas­se­an­do na rua...

Mui­tas ve­zes ou­vi di­zer so­bre os bons re­sul­ta­dos da sim­pli­ci­da­de di­an­te do que se faz com­ple­xo. Não em ra­ras oca­siões fi­ca­mos per­ple­xos quan­do nos apa­re­cem pro­ble­mas gra­ves e pos­te­ri­or­men­te des­co­bri­mos pa­ra eles res­pos­tas ad­vin­das de pro­ce­di­men­tos ba­nais. Pois bem. A so­lu­ção en­con­tra­da por mi­nha ne­ta não é de to­do des­ca­bi­da. Se a mul­ti­dão pas­san­te des­tas nos­sas ru­as api­nha­das pa­re­ce aper­fei­ço­ar-se no exer­cí­cio do iso­la­men­to, ig­no­ran­do mes­mo a pró­pria es­sên­cia de sua com­po­si­ção; se es­sa mul­ti­dão adi­an­ta-se nu­ma mar­cha a ca­da dia mais sub­mis­sa aos in­te­res­ses ab­so­lu­ta­men­te in­di­vi­du­ais em de­tri­men­to do pro­vei­to co­mum; se ela é há­bil no des­pre­zo às su­as bei­ra­das car­co­mi­das, por que, en­tão, em seu seio não po­de es­tar, in­có­lu­me, o leão fu­gi­ti­vo do apar­ta­men­to dos ve­lhi­nhos? Ele de­vo­ra uns e, por sua ca­pa­ci­da­de de in­ti­mi­dar, cor­rom­pe ou­tros – os que se­guem em fren­te, em­bo­ta­dos, jun­tos e ao mes­mo tem­po sós, os que olham e não vêem. É lá que es­tá o leão.

Compartilhe