O ve­lho se­na­dor acor­da ce­do e abre a ja­ne­la de sua man­são. Sen­te-se
re­ju­ve­nes­ci­do com os pri­mei­ros rai­os de sol e o ar fres­co e per­fu­ma­do
exa­la­do do seu vas­to jar­dim. Tan­ta fe­li­ci­da­de o in­ci­ta a pro­fe­rir um dis­cur­so em lou­vor da na­tu­re­za, mas na­da diz por ab­so­lu­ta fal­ta de quo­rum na sua ca­sa. A em­pre­ga­da de­ve che­gar em pou­co. En­quan­to is­to, sen­ta-se a sua es­cri­va­ni­nha pa­ra ler o jor­nal.

Ele ain­da é cha­ma­do de se­na­dor, em­bo­ra apo­sen­ta­do das tri­bu­nas, on­de
de­fen­deu em qua­tro man­da­tos con­se­cu­ti­vos, com mui­ta ab­ne­ga­ção, a con­ci­li­a­ção dos in­te­res­ses do Es­ta­do com os do ci­da­dão. Vi­ve so­zi­nho após a mor­te da es­po­sa e seu úni­co fi­lho mo­ra no ex­te­ri­or.

Sua com­pa­nhia mais pró­xi­ma é a em­pre­ga­da Gel­va, que en­tra em ca­sa no
mo­men­to em que ele lê o edi­to­ri­al de seu jor­nal pre­fe­ri­do, um diá­rio mais que cen­te­ná­rio que ir­ra­dia o pen­sa­men­to das pes­so­as le­tra­das, cul­tas e abas­ta­das da so­ci­e­da­de. En­fim, aque­les que con­du­zem com eqüi­da­de a vi­da do po­pu­la­cho.

Gel­va ba­te le­ve­men­te na por­ta e en­tra pa­ra dar bom dia ao pa­trão e re­ce­ber as or­dens. O se­na­dor pas­sa al­gu­mas ins­tru­ções e diz que ela não pre­ci­sa tra­ba­lhar nos pró­xi­mos três di­as, por­que ele irá vi­a­jar, pa­ra par­ti­ci­par de im­por­tan­te se­mi­ná­rio po­lí­ti­co na Ca­pi­tal, on­de en­con­tra­rá seus an­ti­gos ami­gos de par­ti­do. Gel­va sor­ri e agra­de­ce: “mui­to obri­ga­da, se­nhor”.

Os três di­as são sex­ta-fei­ra e fim de se­ma­na. Na noi­te de sá­ba­do, Gel­va e seu com­pa­nhei­ro, um pe­drei­ro que vi­ve de bi­cos, en­tram na man­são e le­vam o com­pu­ta­dor, o apa­re­lho de som e a tor­ra­dei­ra elé­tri­ca.

O se­na­dor só per­ce­be a fal­ta de um apa­re­lho qua­tro di­as de­pois de sua vol­ta, quan­do re­sol­ve ou­vir um dis­co com a mú­si­ca ma­ra­vi­lho­sa Je­sus Ale­gria dos Ho­mens, de Ba­ch, in­ter­pre­ta­da pe­la Sinfô­ni­ca de Ber­lim. Co­mo não sa­be usar com­pu­ta­dor e com­pra tor­ra­da pron­ta, nem deu pe­la fal­ta dos de­mais ele­tro­do­més­ti­cos rou­ba­dos pe­la du­pla.

Per­gun­ta pa­ra Gel­va o que su­ce­de. A em­pre­ga­da, que já pen­sa­va não ser
ques­ti­o­na­da so­bre o su­mi­ço, si­mu­la com­ple­to des­co­nhe­ci­men­to e sur­pre­sa do ca­so. “Ah, meu Deus! O que se­rá que acon­te­ce, se­na­dor?”. E as­sim fi­ca a si­tu­a­ção. Pa­ra apro­vei­tar o mes­mo ver­bo, di­go tam­bém que o se­na­dor fi­ca sem ou­vir a obra-pri­ma de Ba­ch.

Na pró­xi­ma vi­a­gem, o ve­lho de­fen­sor do po­vo pas­sa qua­tro di­as fo­ra, pa­ra as­sis­tir ao ca­sa­men­to do fi­lho do go­ver­na­dor, bem co­mo apro­vei­tar a ca­sa de cam­po da fa­mí­lia do an­fi­trião. Gel­va e seu com­pa­nhei­ro en­tram no­va­men­te na man­são e sur­ru­pi­am a te­le­vi­são pe­que­na, o mi­cro­on­das, um co­lar de pra­ta, que um dia or­na­men­tou o pes­co­ço da fa­le­ci­da es­po­sa do se­na­dor, e a im­pres­so­ra que eles não con­se­gui­ram car­re­gar na pri­mei­ra noi­te, pa­ra for­mar du­pla com o com­pu­ta­dor.

No­va­men­te, o pa­trão de­mo­ra pa­ra no­tar o ocor­ri­do. Tem me­do de me­xer no
mi­cro­on­das, pos­sui qua­tro te­le­vi­sões em ca­sa e, sem sa­ber in­for­má­ti­ca, não pre­ci­sa da im­pres­so­ra. Qua­se uma se­ma­na de­pois, no dia em que sua
mu­lher fa­ria ani­ver­sá­rio, ele abre a ga­ve­ta da cô­mo­da do quar­to on­de guar­da ca­ri­nho­sa­men­te os per­ten­ces que ela usa­va. É a úni­ca da­ta do ano em que o ve­lho se­na­dor ad­mi­ra as pe­ças de sua es­po­sa. Seu co­ra­ção não re­sis­ti­ria a aber­tu­ras cons­tan­tes da ga­ve­ta.

Gel­va, que se co­nhe­ces­se aque­le cos­tu­me do pa­trão não fur­ta­ria o co­lar, fin­ge no­va­men­te es­tar per­ple­xa. “Va­lha-me Deus. O san­gue de Cris­to tem po­der. O que acon­te­ce nes­ta ca­sa se­na­dor?” E as­sim, o ca­so é es­que­ci­do e a ga­ve­ta, fe­cha­da no­va­men­te.

A pró­xi­ma vi­a­gem é mais lon­ga. Quin­ze di­as no ex­te­ri­or, pa­ra vi­si­tar o fi­lho e pe­gar nos bra­ços o ne­ti­nho re­cém-nas­ci­do. Tan­to tem­po dis­po­ní­vel agu­ça o de­se­jo do ca­sal que pla­ne­ja gol­pe mais ou­sa­do: o co­fre que o se­na­dor guar­da atrás do qua­dro de um fa­mo­so pin­tor im­pres­si­o­nis­ta fran­cês. Gel­va ob­ser­va o pa­trão me­xer qua­se to­do dia no co­fre.

Mar­cam o pla­no pa­ra do­min­go, por­que no sá­ba­do o com­pa­nhei­ro de­la en­che­rá uma la­je no bair­ro e de­pois co­me­rá chur­ras­co de car­ne du­ra e be­be­rá ca­cha­ça, co­mo sem­pre ocor­re nes­tes even­tos. Na tar­de de do­min­go, já re­fei­to da far­ra, ele se­le­ci­o­na as fer­ra­men­tas que pre­ci­sa: ta­lha­dei­ra, pon­tei­ra, mar­te­lo, mar­re­ta e fu­ra­dei­ra. Se não con­se­guir per­fu­rar o co­fre pa­ra abri-lo, ti­ra­rá o di­to cu­jo da pa­re­de e o le­va­rá pa­ra ca­sa. É jus­ta­men­te es­ta se­gun­da es­tra­té­gia que ele usa, por­que a bro­ca da fu­ra­dei­ra mos­tra-se in­ca­paz de pe­ne­trar no aço do co­fre.

Cor­rem ho­ras de tra­ba­lho pa­ra que­brar a pa­re­de em vol­ta do co­fre. Co­mo a pro­pri­e­da­de é gran­de, o ba­ru­lho da mar­re­ta na ca­be­ça da ta­lha­dei­ra e da pon­tei­ra não é ou­vi­do por nin­guém. Fi­nal­men­te, o co­fre sol­to. Mas na ho­ra de car­re­gá-lo é um su­fo­co por que é mui­to pe­sa­do.

O ma­ri­do de Gel­va, há­bil ao re­ti­rar o co­fre da pa­re­de, dei­xa es­pa­ço pa­ra re­por o qua­dro de for­ma a ta­par o bu­ra­co. Além dis­so, re­ti­ram o en­tu­lho e lim­pam mui­to bem o lo­cal. Só não le­vam o qua­dro por achá-lo feio. “Es­te pin­tor é mui­to ruim. Não con­si­go en­xer­gar di­rei­to a mu­lher e as flo­res. Acho que é por­que o in­fe­liz só ti­nha uma mão. Tá es­cri­to aqui no can­ti­nho: Ma­net”, co­men­ta a em­pre­ga­da pa­ra seu com­pa­nhei­ro.

Já em ca­sa, o co­fre es­cor­re­ga das mãos do ho­mem e cai no pé de Gel­va, que ur­ra de dor. Com au­xí­lio de um ma­ça­ri­co, abrem e en­con­tram ape­nas ma­ços de pa­pel com te­le­fo­nes, no­mes de em­pre­sas de cons­tru­ção e de pes­so­as, re­ci­bos de de­pó­si­to e ex­tra­tos ban­cá­ri­os em no­me de des­co­nhe­ci­dos e ou­tros do­cu­men­tos em lín­guas es­tra­nhas. En­fim, di­nhei­ro não há.

O se­na­dor vol­ta di­as an­tes do es­pe­ra­do por­que dis­cu­tiu com o ne­to mais ve­lho, que aca­ba de se fi­li­ar a um par­ti­do de es­quer­da. Acos­tu­ma­do às fal­tas de Gel­va, o pa­trão es­pe­ra dois di­as até li­gar pa­ra ela. Do ou­tro la­do da li­nha, sur­pre­sa, ela diz ao se­na­dor que ain­da não foi tra­ba­lhar por­que fra­tu­rou o de­dão do pé es­quer­do. “Fui vi­si­tar meu ma­ri­do nu­ma obra e caiu um ti­jo­lo no meu pé”, jus­ti­fi­ca.

- Tu­do bem Gel­va. Es­pe­ro que vo­cê se re­cu­pe­re lo­go por­que vi­a­jo no­va­men­te se­ma­na que vem.

E-mail: otanunes@gmail.com

Compartilhe