Fita amarela - Texto de Otávio Nunes | Márcio ABC

Colaboradores

Fita amarela - Texto de Otávio Nunes

quarta-feira, 19 de setembro de 2007 Texto de

(His­to­ri­nha ba­se­a­da na mú­si­ca Tie a yel­low rib­bon round the ole oak
tree, de 1973, do ame­ri­ca­no Tony Or­lan­do. A can­ção fez su­ces­so no
Bra­sil e no mun­do, gra­va­da pe­lo au­tor e pe­la du­pla de can­to­ras cha­ma­da
Dawn)

Jos­ma­ri­no, co­nhe­ci­do co­mo Bi­go­de, en­trou em sua ce­la e olhou o ca­len­dá­rio. Fal­ta­vam oi­to di­as pa­ra dei­xar a pri­são. Fo­ram lon­gos qua­tro anos por cau­sa de uma ten­ta­ti­va de as­sal­to. Pe­gou ca­ne­ta e ca­der­no e co­me­çou a es­cre­ver uma car­ta pa­ra Ana­lí­sia, sua na­mo­ra­da na épo­ca em que fo­ra pre­so. Nos dois pri­mei­ros anos, re­ce­beu vi­si­tas de­la. De­pois, não mais. Mui­tas mis­si­vas en­vi­a­ra, mas ape­nas du­as fo­ram res­pon­di­das, de ma­nei­ra for­mal, sem emo­ção. Pa­re­ci­am es­cri­tas ape­nas por obri­ga­ção. “Se­rá que ela ain­da me quer? Ca­sou? Tem ou­tro?”, ques­ti­o­na­va Bi­go­de en­quan­to es­cre­via as mal­tra­ça­das li­nhas com sua le­tra dis­for­me.

Na pe­que­na car­ta, a me­nor que ele ha­via es­cri­to até en­tão, in­for­ma­va
ape­nas a da­ta em que iria dei­xar a pri­são e a se­guin­te men­sa­gem: “Se vo­cê ain­da me ama, ain­da me acei­ta de vol­ta, amar­re uma fi­ta ama­re­la na ár­vo­re em fren­te a sua ca­sa. Pas­sa­rei aí de ôni­bus. Se não en­xer­gar ne­nhu­ma fi­ta ama­re­la na ve­lha pai­nei­ra, não des­ce­rei. Se­gui­rei em fren­te pa­ra cui­dar de mi­nha vi­da.”

No dia an­te­ri­or à sua saí­da, foi ao bar­bei­ro. Cor­tou o ca­be­lo e apa­rou o bi­go­de pre­to. Na ma­nhã se­guin­te, des­pe­diu-se dos ami­gos e tam­bém dos que não eram.

Den­tro do ôni­bus, que o le­va­ria à ca­sa de Ana­lí­sia, seu co­ra­ção ba­tia co­mo pan­dei­ro. Du­ran­te os qua­tro anos, o bair­ro ha­via mu­da­do mui­to, bem co­mo o iti­ne­rá­rio do co­le­ti­vo. Ele to­ma­va o mai­or cui­da­do pa­ra ler as pla­cas com os no­mes das ru­as. Em cer­to mo­men­to che­gou a per­gun­tar ao mo­to­ris­ta se re­al­men­te iri­am pas­sar na rua que ele que­ria. “Da­qui a pou­co”, res­pon­deu o ho­mem.

As­sim que o ôni­bus en­trou na rua de Ana­lí­sia, os pas­sa­gei­ros fi­ca­ram sur­pre­sos. To­das as ár­vo­res ti­nham fi­ta ama­re­la amar­ra­da ao tron­co.

E-mail: otanunes@gmail.com « vol­tar

Compartilhe