Foi em um es­tá­dio, ou me­lhor, em um clu­be, ou me­lhor, em uma qua­dra de es­por­tes, is­so mes­mo. Afi­nal nem 100 pes­so­as che­ga­ram a ir ao show. Ve­lhos su­ces­sos e mú­si­cos ve­te­ra­nos não é uma com­bi­na­ção que dá cer­to. Os Rol­ling Sto­nes es­tão ga­gás e lo­tan­do até prai­as, vo­cê vai di­zer. É ver­da­de, mais um mo­ti­vo pa­ra en­cher a ca­ra de rai­va.

Até pro­pus pa­ra a gra­va­do­ra um acús­ti­co, es­tá na mo­da es­sa por­ca­ria pa­ra le­van­tar as mú­mi­as da in­dús­tria fo­no­grá­fi­ca. Mi­nha idéia ori­gi­nal foi apre­ci­a­da, mas tem uma fi­la de vovôs na fren­te. Acho que até eu com­ple­tar 80 anos mi­nha ban­da con­se­gue gra­var.

Es­sa in­je­ção de vi­o­li­nos de­sa­fi­na­dos se­ria bem-vin­da por­que mais uma vez foi la­men­tá­vel co­mo ter­mi­nou aque­la apre­sen­ta­ção. Sem bis e nem a pla­téia fa­zen­do ques­tão de pe­dir. A ilu­mi­na­ção e o re­tor­no tam­bém eram uma por­ca­ria. Dou gra­ças a Deus que es­ses fãs co­ra­jo­sos pa­ga­ram o in­gres­so. Eu não pa­ga­ria.

Co­mo lí­der não sou o ca­ra aglu­ti­na­dor da ban­da não, mui­to pe­lo con­trá­rio. Acho que de­vía­mos pa­rar e mon­tar um es­tu­di­o­zi­nho, uma es­co­la de mú­si­ca, ten­tar agen­ci­ar al­gum pir­ra­lho ou pro­du­zir dis­cos, sei lá. Nos­sa len­da vi­va da gui­tar­ra, Ma­teus Faus­to, é que é o en­tu­si­as­ma­do, o ca­ra que até ho­je vi­ve nos anos 70. Às ve­zes te­nho in­ve­ja de­le, ele ain­da faz aque­les so­los in­ter­mi­ná­veis de gui­tar­ra co­mo se fos­sem a mai­or no­vi­da­de do rock’n’roll. É a vi­da... Co­mo pre­ci­sa­mos pa­gar as con­tas e pen­sões ali­men­tí­ci­as e não sa­be­mos fa­zer ou­tra coi­sa, ain­da es­ta­mos na es­tra­da.

Por di­ver­são nem é tan­to mais. Eu não te­nho sa­co pa­ra atu­rar qua­ren­to­na gor­di­nha, com bo­ca de cin­zei­ro e que diz ter co­me­ça­do a na­mo­rar o ex-ma­ri­do me ou­vin­do quan­do mo­ci­nha. Se fos­sem pe­lo me­nos aque­las ca­va­las con­ser­va­das, mas es­sas são ra­ras.

Nes­se úl­ti­mo lu­gar que fi­ze­mos o show mes­mo, ci­da­de in­te­ri­o­ra­na com pou­cos ba­res aber­tos de ma­dru­ga­da, nem tem o que fa­zer. Pa­ga­ram umas cer­ve­jas pa­ra a gen­te num bo­te­co só com ho­mem, não agüen­tei fi­car du­as ho­ras no lu­gar. Nos­so ro­a­die me le­vou no ho­tel e pu­lei na ca­ma pa­ra es­que­cer.

A mer­da é que quem foi rei não per­de a ma­jes­ta­de ou ve­lhos há­bi­tos não po­dem pa­rar, pa­ra ser mais exa­to. Na es­pe­ran­ça de que aque­le ho­tel não fos­se um es­ta­be­le­ci­men­to res­pei­tá­vel li­guei às 3h da ma­nhã na re­cep­ção pe­din­do os ser­vi­ços de uma acom­pa­nhan­te. Não me sur­pre­en­di com a res­pos­ta do por­tei­ro, ‘es­se ho­tel não tra­ba­lha com is­so’, mas fi­quei emo­ci­o­na­do com a pres­ta­ti­vi­da­de do su­jei­to, que se ofe­re­ceu pa­ra olhar no jor­nal lo­cal os anún­ci­os de va­ga­bun­das e des­co­lar umas pa­ra mim.

Um he­do­nis­ta nes­se fim de mun­do, ale­luia! Fi­quei fe­liz com es­sa des­co­ber­ta e o al­to te­or al­coó­li­co no que res­tou do meu cé­re­bro me de­ram a co­ra­gem pa­ra agra­de­cer a gen­ti­le­za e re­tri­buir com ou­tra: cha­mei-o pa­ra vir par­ti­ci­par de uma fes­ti­nha em meu quar­to. Pas­sa­do um tem­po sei que es­se fa­vor ofe­re­ci­do foi na ver­da­de uma fria, pois quem ia que­rer uma bi­cha ve­lha?! Mas não es­ta­va nem aí, só bê­ba­do e a fim de cur­tir com aque­le ca­ra do qual nem lem­bra­va di­rei­to o ros­to.

Após al­guns se­gun­dos de si­lên­cio no te­le­fo­ne o gen­til por­tei­ro res­pon­deu “vai to­mar no cu sua bi­cha” e ba­teu o fo­ne na mi­nha ca­ra. Ho­je agra­de­ço es­se in­fe­liz, afi­nal re­pe­tir mi­nhas ex­pe­ri­ên­ci­as de se­xo li­vre do pas­sa­do com um Se­bas­tião ca­be­ça cha­ta é mui­to fim de car­rei­ra. Aca­bei me con­ten­tan­do com uma no­bre gar­ra­fa de Pre­si­den­te que en­fei­ta­va o pés­si­mo bar do quar­to.

O mais fan­tás­ti­co des­sa apre­sen­ta­ção, po­rém, foi acor­dar de­pois de por­re com Ma­teus Faus­to no meu quar­to to­can­do air gui­tar e so­lan­do com a bo­ca com o pre­tex­to de mos­trar uma no­va mú­si­ca que ti­nha aca­ba­do de com­por no ba­nhei­ro. Ime­di­a­ta­men­te o man­dei a mer­da no ve­lho es­pí­ri­to rock’n’roll e vol­tei a dor­mir.

E-mail: reichaves@hotmail.com

Compartilhe