Es­tou cer­to que sim, co­mo tam­bém es­tou cer­to de que o bra­si­lei­ro não é quem mais gos­ta de fu­te­bol no mun­do. O que, con­seqüen­te­men­te, des­qua­li­fi­ca a afir­ma­ção “‘País do fu­te­bol”. Vou ser mais cla­ro: em se tra­tan­do de con­su­mo de in­for­ma­ções de fu­te­bol, to­ma­mos uma la­va­da de paí­ses co­mo Es­ta­dos Uni­dos e Tur­quia.

Fa­lan­do em mí­dia, te­mos ape­nas um jor­nal diá­rio de­di­ca­do ex­clu­si­va­men­te ao fu­te­bol e ou­tros es­por­tes. Re­vis­ta pe­rió­di­ca de fu­te­bol de cir­cu­la­ção na­ci­o­nal, du­as (Pla­car e Tri­ve­la). Em paí­ses eu­ro­peus, os nú­me­ros são im­pres­si­o­nan­tes. O diá­rio Re­cord, em Por­tu­gal, aca­ba de lan­çar o guia da tem­po­ra­da 2007/08 com 340 pá­gi­nas por ape­nas 3 eu­ros. Es­pan­tei-me tam­bém quan­do vi uma pu­bli­ca­ção men­sal, in­gle­sa, de­di­ca­da ex­clu­si­va­men­te ao fu­te­bol ita­li­a­no!

Cla­ro que não po­de­mos ig­no­rar o bai­xo po­der aqui­si­ti­vo do bra­si­lei­ro mé­dio, que não po­de dei­xar na bi­lhe­te­ria do es­tá­dio 20 re­ais ca­da vez que seu clu­be jo­ga. Ou, se mo­rar em ou­tra ci­da­de, ter um pa­co­te de TV pa­ga com os jo­gos de seu ti­me do co­ra­ção. A con­seqüên­cia dis­so: o bra­si­lei­ro é mal in­for­ma­do so­bre fu­te­bol. Pen­sa que sa­be, mas não sa­be. Quan­tos en­ten­dem de tá­ti­ca? Quan­tos es­ca­la­ri­am, na pon­ta da lín­gua, a for­ma­ção ti­tu­lar da equi­pe pe­la qual tor­ce? Quan­tos sa­bem enu­me­rar os prin­ci­pais tí­tu­los con­quis­ta­dos. A mi­no­ria, ga­ran­to. Quan­do se fa­la de Se­le­ção Bra­si­lei­ra, a coi­sa fi­ca pi­or. Só va­le Co­pa do Mun­do. A mai­o­ria só ou­viu fa­lar do cen­tro­a­van­te Fred quan­do ele mar­cou o se­gun­do gol na vi­tó­ria so­bre a Aus­trá­lia.

O que fal­ta pa­ra mu­dar es­sa re­a­li­da­de? A res­pos­ta tem que vir de ci­ma. De clu­bes or­ga­ni­za­dos, que ge­rem cre­di­bi­li­da­de pa­ra in­ves­ti­do­res. De uma Le­gis­la­ção Es­por­ti­va mais ob­je­ti­va - a atu­al, a Lei Pe­lé, li­ber­tou os jo­ga­do­res, mas não ga­ran­tiu na­da aos clu­bes, que só fa­tu­ram em trans­fe­rên­ci­as abrin­do mão de seus ta­len­tos pre­co­cen­te­men­te (lá vai o Pa­to...). Só as­sim o fu­te­bol vi­ra ne­gó­cio, coi­sa sé­ria, e não o ama­do­ris­mo. Pre­ci­sa­mos tro­car o car­to­la pe­lo exe­cu­ti­vo, de­vi­da­men­te re­mu­ne­ra­do e com me­tas a cum­prir.

Dia des­ses, no Meio & Men­sa­gem, li no­tí­cia de que o Bar­ce­lo­na, da Es­pa­nha, es­tá com for­te pla­ne­ja­men­to de mar­ke­ting pa­ra fa­tu­rar no mer­ca­do bra­si­lei­ro - es­tou cer­to de que vai ga­nhar mais do que qual­quer um de nos­sos clu­bes, que não sa­bem ex­plo­rar su­as mar­cas. Mui­to ga­ro­to de dez anos, ho­je, tor­ce pa­ra o Re­al Ma­drid, não pa­ra o Co­rinthi­ans...

A úni­ca jus­ti­fi­ca­ti­va pa­ra a afir­ma­ção “País do fu­te­bol” que en­con­tro é na cer­te­za de que, se o bra­si­lei­ro não é quem mais con­so­me fu­te­bol, pe­lo me­nos, é quem mais pra­ti­ca. Bas­tam umas mei­as ve­lhas e al­guns me­tros qua­dra­dos, pi­sa­dos por pés des­cal­ços de me­ni­nos que, in­fe­liz­men­te, não têm o mes­mo es­tí­mu­lo pa­ra os ca­der­nos.

E-mail: fernando_bh@yahoo.com.br

Compartilhe