Colaboradores

Coisas que (ainda) não entendo

sexta-feira, 17 de agosto de 2007 Texto de

Uma vez ou­vi al­guém di­zen­do nu­ma me­sa-re­don­da na TV: “Co­mo é que se po­de pen­sar em sal­var ba­lei­as e mi­cos quan­do há tan­ta cri­an­ça aban­do­na­da pre­ci­san­do de aju­da ur­gen­te?” Achei que ti­nha ou­vi­do er­ra­do, mas lo­go de­pois vi que não. A pes­soa con­si­de­ra­va inú­teis quais­quer cam­pa­nhas, ma­ni­fes­tos e ações que não fos­sem di­ri­gi­dos pri­o­ri­ta­ri­a­men­te a cri­an­ças aban­do­na­das. O res­to – os ani­mais em ex­tin­ção, o ecos­sis­te­ma de­te­ri­o­ra­do, os maus tra­tos às ter­ras e às águas do pla­ne­ta e sua des­trui­ção ace­le­ra­da - po­de­ria es­pe­rar até que to­das as cri­an­ças ti­ves­sem si­do aco­lhi­das por uma fa­mí­lia, mo­ran­do nu­ma ca­sa com con­di­ções mí­ni­mas de saú­de e con­for­to, bem tra­ta­das e ali­men­ta­das, co­mo, aliás, to­dos de­se­ja­mos que acon­te­ça.

Até en­ten­di a afli­ção da pes­soa. Afi­nal, à pri­mei­ra vis­ta po­de pa­re­cer um des­per­dí­cio de ener­gia e de tem­po al­guém se dis­por a cui­dar da pre­ser­va­ção de uma es­pé­cie ani­mal em ex­tin­ção ou de uma área de­vas­ta­da pe­las quei­ma­das cri­mi­no­sas, em de­tri­men­to da aten­ção a uma cri­an­ça com ne­ces­si­da­des bá­si­cas. Só que não se ade­re a um mo­vi­men­to des­ses em de­tri­men­to de ou­tro. Da mes­ma for­ma que os mem­bros de uma fa­mí­lia não pa­ram tu­do o que es­tão fa­zen­do por­que es­tá na ho­ra de fa­ze­rem o al­mo­ço. Ca­da um cui­da de um se­tor pa­ra que to­dos pos­sam ter co­mi­da pa­ra o al­mo­ço diá­rio.

Há es­pa­ço e cau­sas de so­bra pra quem qui­ser aju­dar, se en­ga­jar e tra­ba­lhar e as ne­ces­si­da­des são ur­gen­tes e pa­ra­le­las. Por­que quan­do o ra­ci­o­na­men­to de água for uni­ver­sal e obri­ga­tó­rio e as con­di­ções de vi­da por aqui se tor­na­rem hos­tis a to­dos, tam­bém as cri­an­ças se­rão atin­gi­das pe­las con­seqüên­ci­as.

E is­so me re­me­te a ou­tra si­tu­a­ção que (ain­da) não en­ten­do. Por que se fa­la “pre­ci­sa­mos sal­var o pla­ne­ta”, “pre­ser­var a Amazô­nia”, es­sa ou aque­la es­pé­cie ani­mal, co­mo se is­so tu­do fos­se al­go lon­ge de nós, sem ne­nhu­ma re­la­ção di­re­ta? Não se­ria o ca­so de se di­zer “pre­ci­sa­mos pre­ser­var a to­dos nós”? Se en­ten­di bem co­mo fun­ci­o­nam as coi­sas aqui nes­te pla­ne­ta, é tu­do par­te de uma só re­de. Des­de as al­gas do mar até o ar que se res­pi­ra, tu­do es­tá li­ga­do na ca­deia da na­tu­re­za, o ho­mem in­clu­si­ve. Já se sa­be que a des­trui­ção de um só elo afe­ta to­dos os ou­tros, as­sim co­mo a sua pre­ser­va­ção be­ne­fi­cia a to­dos, se­ja nos ali­men­tos, no so­lo, na at­mos­fe­ra, nos ri­os e em tu­do o mais que exis­te.

No iní­cio dos anos 80, o ci­ne­as­ta Lu­la Tor­res fez um cur­ta-me­tra­gem cu­jo tí­tu­lo, em ja­po­nês, sig­ni­fi­ca­va mais ou me­nos “Um mais um não é igual a dois”, jus­ta­men­te se re­fe­rin­do à re­la­ção in­se­pa­rá­vel en­tre o ho­mem e o am­bi­en­te em que ele vi­ve. Jun­tos, não for­ma­ri­am dois uni­ver­sos, mas se­ri­am in­ter­de­pen­den­tes pa­ra so­bre­vi­ver. Por­tan­to, pro­te­ger as cri­an­ças, os ri­os, a ter­ra, a at­mos­fe­ra, as ba­lei­as, as aves e tu­do o que es­tá vi­vo, é ta­re­fa de to­dos e de igual im­por­tân­cia. Se é que en­ten­di bem o que es­tou fa­zen­do aqui nes­te pla­ne­ta.

E-mail: anaflores.rj@terra.com.br

Compartilhe