MEMÓRIAS DE MINHAS PUTAS TRISTES, Ga­bri­el Gar­cía Már­quez

“Não de­via fa­zer na­da de mau gos­to, ad­ver­tiu a mu­lher da pou­sa­da ao an­cião Egu­chi. Não de­via co­lo­car o de­do na bo­ca da mu­lher ador­me­ci­da nem ten­tar na­da pa­re­ci­do.” Ya­su­na­ri Kawa­ba­ta (ci­ta­ção re­ti­ra­da do li­vro a ci­ma)

Ga­nhei es­te li­vro de ani­ver­sá­rio. Tex­to en­xu­to e de pou­cos per­so­na­gens. Na mi­nha ig­no­rân­cia fi­quei em dú­vi­da ao gê­ne­ro da his­tó­ria. Foi clas­si­fi­ca­da co­mo ro­man­ce co­lom­bi­a­no e a con­si­de­rei co­mo no­ve­la. O pro­fes­sor da pós me es­cla­re­ceu que na lín­gua es­pa­nho­la não há di­fe­ren­ça en­tre o ro­man­ce e a no­ve­la, di­fe­ren­te da lín­gua por­tu­gue­sa, que clas­si­fi­ca o ro­man­ce co­mo his­tó­ri­as ex­ten­sas e a no­ve­la, nar­ra­ti­vas cur­tas.

Só ha­via li­do dois de Ga­bri­el Gar­cía Már­quez: CEM ANOS DE SOLIDÃO e CRÔNICA DE UMA MORTE AUNCIADA. Achei que o au­tor foi mais des­pre­ten­si­o­so nes­te úl­ti­mo ro­man­ce em re­la­ção aos ou­tros dois. A obra A CASA DAS BELAS ADORMECIDAS de Ya­su­na­ri Kawa­ba­ta ( 1961) ins­pi­rou Már­ques, que fez um con­to com a mes­ma te­má­ti­ca: O avião da be­la ador­me­ci­da (“Do­ze Con­tos Pe­re­gri­nos”, Edi­to­ra Re­cord — Rio de Ja­nei­ro, 1999, pág. 79).

Em MEMÓRIAS DE MINHAS PUTAS TRISTES, um se­nhor de 90 anos, ao se dar con­ta de sua so­li­dão e da de­ca­dên­cia dos va­lo­res de ou­tro­ra, de­ci­de se pre­sen­te­ar com uma noi­te em com­pa­nhia de uma jo­vem vir­gem.

Com o tem­po, co­nhe­ce o ver­da­dei­ro amor pe­la pri­mei­ra vez aos 90 anos. Ob­ser­va a me­ni­na dor­mir, quer cui­dar de­la e ve­lar o seu so­no. O tex­to faz re­fe­rên­ci­as a vá­ri­os con­tos de Per­rault (prin­ci­pal­men­te A Be­la Ador­me­ci­da), A His­tó­ria Sa­gra­da, As mil e uma noi­tes (“nu­ma ver­são de­sin­fe­ta­da pa­ra cri­an­ças”) a “ ... A mon­ta­nha má­gi­ca, que me en­si­nou a en­ten­der os hu­mo­res­de mi­nha mãe des­na­tu­ra­li­za­dos pe­la tí­si­ca” e “ Len­do Os idos de mar­ço en­con­trei uma fra­se si­nis­tra que o au­tor atri­bui a Ju­lio Cé­sar: é im­pos­sí­vel não aca­bar sen­do do jei­to que os ou­tros acre­di­tam que vo­cê é ...”.

O pro­ta­go­nis­ta atra­vés dos pen­sa­men­tos e das lem­bran­ças mos­tra co­mo a li­te­ra­tu­ra lhe aju­dou na for­ma­ção in­di­vi­du­al e exis­ten­ci­al. Era o que se se­gu­ra­va, já que vi­via um pre­sen­te de­ca­den­te na ve­lha ca­sa, o di­nhei­ro e o pres­tí­gio da fa­mí­lia es­ta­va em de­ca­dên­cia e era o úl­ti­mo so­bre­vi­ven­te de sua ge­ra­ção.

A jo­vem De­gal­di­na, co­mo no con­to A Be­la Ador­me­ci­da, pas­sa o tem­po to­do dor­min­do. To­da­via, pai­ra em to­do o tem­po na his­tó­ria. Não pu­de dei­xar de fa­zer uma co­ne­xão com o tex­to NA TERRA DAS FADAS de Bru­no Bet­teheim, o qual ana­li­sa psi­ca­na­li­ti­ca­men­te os per­so­na­gens dos con­tos de fa­das.

“En­quan­to mui­tos con­tos de fa­das fri­sam os gran­des fei­tos que um he­rói de­ve exe­cu­tar an­tes de ser ele mes­mo, A Be­la ador­me­ci­da en­fa­ti­za a con­cen­tra­ção de­mo­ra­da e tranqüi­la que tam­bém é ne­ces­sá­ria pa­ra is­so. Du­ran­te os me­ses que an­te­ce­dem a pri­mei­ra mens­tru­a­ção, e freqüen­te­men­te no pe­río­do ime­di­a­ta­men­te pos­te­ri­or, as me­ni­nas fi­cam pas­si­vas, pa­re­cem so­no­len­tas e re­fu­gi­am-se den­tro de si.”

Mes­mo que ela não se­ja a pro­ta­go­nis­ta, o an­cião vi­veu es­te pe­río­do de so­no­lên­cia, re­la­ci­o­nan­do-se car­nal­men­te e su­per­fi­ci­al­men­te com “as pu­tas” e ou­tras mu­lhe­res. “A Be­la Ador­me­ci­da, que têm co­mo tó­pi­co cen­tral um pe­río­do de pas­si­vi­da­de, per­mi­te ao ado­les­cen­te em flor não se pre­o­cu­par du­ran­te o seu pe­río­do ina­ti­vo: ele apren­de que as coi­sas con­ti­nu­am a acon­te­cer. O fi­nal fe­liz as­se­gu­ra que ela não fi­ca­rá pre­sa per­ma­nen­te­men­te na imo­bi­li­da­de mes­mo que no mo­men­to es­se pe­río­do de qui­e­tu­de pa­re­ça du­rar cem anos.”

Não que­ro di­zer que o au­tor quis di­zer is­to, mas no meu pon­to de vis­ta A Be­la Ador­me­ci­da não é só a ga­ro­ta, mas o an­cião tam­bém - por ha­ver “dor­mi­do” num lon­go pe­río­do e acor­da­do pa­ra vi­ver um gran­de amor. Até en­tão, ele só vi­via de me­mó­ri­as.

E-mail: dudu.oliva@uol.com.br

Compartilhe