Contos

Boletim de ocorrência

quinta-feira, 16 de agosto de 2007 Texto de

1

Com cer­ta di­fi­cul­da­de, ela se vi­rou pa­ra o meu la­do e me pre­gou um olhar de fo­me, mas não era o olhar las­ci­vo, não era a fo­me de sem­pre. Era ou­tra fo­me... Eu po­de­ria co­me­çar as­sim. Ou di­zen­do que o fo­ci­nho frio da va­ca res­va­lan­do em mi­nha bun­da nua me fez au­men­tar o rit­mo do se­xo. E que por con­ta des­se con­ta­to ines­pe­ra­do e inu­si­ta­do, tam­bém mor­di in­vo­lun­ta­ri­a­men­te o pes­co­ço de Jú­lia... Tam­bém se­ria ade­qua­do no iní­cio con­fes­sar que as his­tó­ri­as que se pas­sam no mar e em seus ar­re­do­res com­põem meu re­per­tó­rio fa­vo­ri­to. “O ve­lho e o mar”, “Moby Dick”, “No co­ra­ção do mar” e “A car­ta es­fé­ri­ca” es­tão en­tre meus li­vros pre­fe­ri­dos...

No en­tan­to, a des­pei­to de to­das as si­tu­a­ções aci­ma se ade­qua­rem per­fei­ta­men­te a es­te meu re­la­to (sim, é ape­nas um re­la­to, pois ape­nas dis­so sou ca­paz), não é as­sim que vou co­me­çar.

Nes­te prin­cí­pio, que­ro tra­çar al­gu­mas li­nhas que com­bi­nem mais com nos­sas per­so­na­li­da­des e com nos­so mo­der­no es­ti­lo de vi­da, que tal­vez se apre­sen­tem co­mo um de­sa­fio a vo­cê, em­bo­ra sai­ba­mos que qual­quer res­pos­ta de sua par­te a al­go as­sim nun­ca pas­sa­rá de um sim­ples pen­sa­men­to, no má­xi­mo um res­mun­go qual­quer. Mas, as­sim mes­mo, aí vai.

Vo­cê po­de di­zer que já fez se­xo em mil lu­ga­res, em tan­tas po­si­ções que até per­deu a con­ta; vo­cê po­de con­tar quan­tas van­ta­gens qui­ser; en­tre­tan­to, es­te­ja cer­to dis­to: di­fi­cil­men­te vo­cê le­vou su­as aven­tu­ras a fron­tei­ras tão ar­ris­ca­das e ex­ci­tan­tes ca­pa­zes de, num só ins­tan­te, trans­for­mar pra­zer em dor, eu­fo­ria em frus­tra­ção, fe­li­ci­da­de em tra­gé­dia, vi­da em mor­te.

Di­to is­so, de­te­nho-me a um de­ta­lhe bas­tan­te ín­ti­mo, mas que a es­ta al­tu­ra dos acon­te­ci­men­tos, já pou­co me im­por­ta que vo­cê sai­ba: às ve­zes, acho que Jú­lia es­tá mui­to pró­xi­ma de ser uma nin­fo­ma­nía­ca. Em ou­tras, pas­sa pe­la mi­nha ca­be­ça a cer­te­za de sua ab­so­lu­ta nor­ma­li­da­de, já que seus atos se tra­tam na­da mais na­da me­nos do que a ex­ten­são de de­se­jos en­car­ce­ra­dos na men­te da mai­o­ria das mu­lhe­res, ge­ral­men­te de­sen­co­ra­ja­das pe­la vi­da a as­su­mir tais ati­tu­des.

Pois é ela quem dá as car­tas em nos­sa re­la­ção. Não sei di­zer se is­so acon­te­ce por­que ela é mais ve­lha ou se es­se as­pec­to na­da tem a ver com sua as­cen­dên­cia so­bre mim e na ver­da­de a ex­pli­ca­ção sur­ge sim­ples­men­te a par­tir da con­jun­ção de nos­sos es­pí­ri­tos, o de­la mais ex­pan­si­vo e de­ci­di­do, o meu um tan­to ca­ren­te de es­tí­mu­lo pa­ra fi­nal­men­te pe­gar fo­go.

Nós nos co­nhe­ce­mos no ano pas­sa­do, nas fé­ri­as de ju­lho, num cru­zei­ro pe­lo Atlân­ti­co, e des­de en­tão ti­ve­mos a cer­te­za da ne­ces­si­da­de de fi­car­mos jun­tos. A gen­te se ama mui­to, cer­to? Eu es­ta­va com meus pais e ela, com ami­gos. Foi ali, no­te bem: no mar, que tu­do co­me­çou.

Hou­ve uma atra­ção ir­re­sis­tí­vel à pri­mei­ra vis­ta. Eu me lem­bro que es­tá­va­mos à bei­ra da pis­ci­na, o na­vio con­tor­nan­do len­ta­men­te a cos­ta, o sol fer­ven­do o am­bi­en­te, quan­do tro­ca­mos uns olha­res e, en­tão, ne­nhum dos dois te­ve co­mo es­ca­par.

Eu sei que os ami­gos de­la an­da­ram de go­za­ção co­mi­go por cau­sa de mi­nha pou­ca ida­de, mas dei de om­bros e, com cer­te­za, ela tam­bém. De­vo di­zer aqui que des­de os quin­ze ou de­zes­seis anos eu pos­so me con­si­de­rar um ho­mem fei­to. A pre­sen­ça de uma ga­ro­ta de 22 anos à épo­ca em que eu ti­nha 18 não meu as­sus­tou nem um pou­co.

Se­ria pre­ci­pi­ta­ção lhe con­tar o que se pas­sou lo­go na pri­mei­ra noi­te em que nos co­nhe­ce­mos? Bom, nós tran­sa­mos nu­ma bei­ra­da do na­vio, ba­nha­dos por um pá­li­do lu­ar. Ló­gi­co que nós po­día­mos ter ido à ca­bi­ne de­la, mas não. Des­de aque­le mo­men­to, sen­ti a ex­ci­ta­ção de fa­zer se­xo pe­ri­go­sa­men­te.

De­pois, em ter­ra, fo­ram tan­tas es­ca­pa­das ab­sur­das que o con­teú­do da­ria um li­vro eró­ti­co. Vou ci­tar ape­nas al­gu­mas, ne­ces­sá­ri­as pa­ra que vo­cê com­pre­en­da o que nos le­vou a es­ta ter­rí­vel si­tu­a­ção.

Jú­lia é apai­xo­na­da por es­por­tes, qua­se sem­pre ra­di­cais, e a ca­da no­va si­tu­a­ção vi­vi­da, ela su­ge­re que in­clu­a­mos o se­xo no ro­tei­ro. E as­sim já es­ti­ve­mos em meio à su­jei­ra de um cur­ral, on­de aque­la va­ca bran­ca de fo­ci­nho frio bis­bi­lho­tou mi­nha bun­da; em ci­ma de uma ár­vo­re com as pes­so­as pas­se­an­do lo­go abai­xo; no lom­bo de um ca­va­lo nu­ma tri­lha eqües­tre; den­tro de um ji­pe em ple­no ra­li; num sal­to de pá­ra-que­das, os dois nus lá em ci­ma.

To­das es­sas ex­pe­ri­ên­ci­as, ga­ran­to, aca­ba­ram bem. Es­ta úl­ti­ma, no en­tan­to, es­ta à qual me de­te­rei em se­gui­da, foi a que nos jo­gou nes­te pe­sa­de­lo que, à mão, e num ve­lho ca­der­no de ano­ta­ções que por­ven­tu­ra car­re­go em mi­nha mo­chi­la, ten­ta­rei des­cre­ver, em­bo­ra sem sa­ber que pro­vei­to vo­cê pos­sa ti­rar dis­so.

2

Há uma se­ma­na, Jú­lia me pro­cu­rou es­ba­fo­ri­da: des­co­bri­ra por aca­so, por meio de um ami­go, um lu­gar fan­tás­ti­co pa­ra pra­ti­car ra­pel. Ela é ma­lu­ca por ra­pel e, tal­vez por is­so, tal­vez por cau­sa des­se ím­pe­to amo­ro­so que nos une, de uns tem­pos pa­ra cá eu tam­bém pas­sei a gos­tar. Ela me olhou as­sim, as­sim, com um jei­to ma­ro­to que lo­go me fez com­pre­en­der o ta­ma­nho in­te­res­se.

Por con­ta dos lu­ga­res qua­se sem­pre bas­tan­te freqüen­ta­dos pe­los adep­tos des­sa prá­ti­ca es­por­ti­va, ja­mais ti­ve­mos a chan­ce de “ba­ti­zar”, co­mo ela cos­tu­ma di­zer, es­se ti­po de aven­tu­ra. Mui­to de­pres­sa, ex­pli­cou-me que o lu­gar des­co­ber­to por ela se tra­ta­va de um pa­re­dão nu­ma ilha a uns vin­te quilô­me­tros da ci­da­de, mas que fi­ca­va a pou­ca dis­tân­cia da cos­ta.

Uma ilha? Não sei di­zer o porquê, mas, ape­sar da ex­ci­ta­ção que me do­mi­nou quan­do pen­sei em fa­zer se­xo com Jú­lia pen­du­ra­do nu­ma cor­da, um cer­to re­ceio tam­bém se apo­de­rou de mim quan­do ima­gi­nei a ne­ces­si­da­de de nos iso­lar­mos nu­ma ilha. Ló­gi­co que mi­nha na­mo­ra­da, to­da cheia de lá­bia, não de­mo­rou nem um pou­co a me con­ven­cer. Além do mais, eu não po­de­ria im­pe­di-la ca­so ela qui­ses­se ir só. Nos­sa re­la­ção mo­der­na, li­vre de amar­ras hi­pó­cri­tas di­ta­das pe­la so­ci­e­da­de an­ti­qua­da, im­pe­de na­tu­ral­men­te es­se ti­po de com­por­ta­men­to pos­ses­si­vo de um ou de ou­tro. Tam­pou­co po­de­ria fi­car lon­ge de­la nu­ma aven­tu­ra des­sa. Que­ro es­tar com ela nos gran­des mo­men­tos de sua vi­da, e nin­guém me­lhor do que eu pa­ra sa­ber que es­sas aven­tu­ras fa­zem par­te, ao me­nos ho­je em dia, de seus mo­men­tos mais im­por­tan­tes.

Na an­te­vés­pe­ra de Na­tal, saí­mos bem ce­do, o sol ain­da des­pon­tan­do bem fra­co no ho­ri­zon­te. Pe­lo jei­to, o dia se­ria de tem­po bom. Me­nos mau, pen­sei sem di­zer is­so a ela. Na ver­da­de, nun­ca me sen­ti à von­ta­de pa­ra de­mons­trar qual­quer ti­po de he­si­ta­ção a uma pes­soa tão de­ci­di­da co­mo Jú­lia. Além dis­so, eu não que­ria es­tra­gar a per­fei­ção de nos­sa quí­mi­ca. Nun­ca um ou ou­tro re­jei­tou pro­pos­ta pa­ra qual­quer aven­tu­ra. So­mos mui­to avan­ça­dos pa­ra ce­der a bo­ba­gens co­mo pres­sen­ti­men­tos ou te­mo­res in­fun­da­dos.

No dia an­te­ri­or, tam­bém com a aju­da do tal ami­go, ela já ha­via alu­ga­do um bar­co por te­le­fo­ne num lu­ga­re­jo per­to da ilha. Che­ga­mos lá em mi­nha mo­to. Um su­jei­to de pou­cas aten­ções pe­diu o di­nhei­ro adi­an­ta­do e in­di­cou on­de o bo­te es­ta­va an­co­ra­do. Aliás, um bar­qui­nho que não me ins­pi­rou a me­nor con­fi­an­ça, mas a ilho­ta pa­re­cia re­al­men­te ser bem pró­xi­ma à cos­ta e is­so afas­tou ou­tros pen­sa­men­tos ruins de mi­nha men­te.

O mar es­ta­va sim­ples­men­te cal­mo. O sol, mui­to quen­te. Dei­xa­mos a mo­to num es­ta­ci­o­na­men­to pró­xi­mo, ati­ra­mos nos­sa tra­lha so­bre a em­bar­ca­ção e ru­ma­mos pa­ra a ilha. Já bem per­to, Jú­lia sol­tou um gri­to de eu­fo­ria. Po­dia-se ver que o pe­nhas­co era fa­bu­lo­so: do to­po, pen­dia um pa­re­dão qua­se na ver­ti­cal, ex­ce­len­te pa­ra o ra­pel. Mais abai­xo, que­bra­va-se em ro­chas co­ber­tas por lon­gas fo­lha­gens e de cu­jas fen­das, em vá­ri­os pon­tos, es­cor­ri­am fi­os de água, to­dos bri­lhan­tes à luz so­lar, até o so­pé, on­de as on­das se es­pa­ti­fa­vam com cer­to ba­ru­lho.

Cal­cu­lei: ha­ve­ria ali, so­man­do-se a des­ci­da ver­ti­cal ao res­tan­te, uns du­zen­tos me­tros de ex­ten­são, em­bo­ra a al­tu­ra não che­gas­se a tan­to. Pro­cu­ra­mos um aces­so ade­qua­do ao bar­qui­nho e em pou­cos mi­nu­tos es­tá­va­mos pi­san­do ter­ra fir­me fo­ra do con­ti­nen­te. Não pa­re­cia ha­ver gen­te. E is­so era bom.

A ilha é pe­que­na, qua­se se com­ple­ta com a mas­sa de pe­dra que com­põe o mon­te. En­tre as pri­mei­ras ro­chas e o mar, con­tam-se não mais que dez pas­sos, e as­sim mes­mo na par­te mais aces­sí­vel, a les­te. O pa­re­dão, na par­te oes­te, mer­gu­lha di­re­to na água.

De­pois de ajei­tar­mos o bar­co, fo­mos pro­cu­rar uma pas­sa­gem aces­sí­vel à su­bi­da, e a en­con­tra­mos fa­cil­men­te. Em quin­ze mi­nu­tos, no má­xi­mo, che­ga­mos ao cu­me.

Des­cul­pe-me se avan­ço rá­pi­do em de­ma­sia, omi­tin­do pas­sa­gens que po­de­ri­am ilus­trar ain­da mais a nos­sa re­la­ção de ab­so­lu­ta pai­xão e de­se­jo, mas tam­bém pen­so ser um equí­vo­co im­por a es­te re­la­to con­tor­nos de exa­ge­ra­do ero­tis­mo. Bas­ta a vo­cê sa­ber is­to: o jei­to que nos ama­mos es­ta­be­le­ce en­tre nós um vín­cu­lo que ex­clui tu­do o mais ao nos­so re­dor.

Es­ta aven­tu­ra, sai­ba vo­cê, co­me­çou e con­ti­nua sem que nos­sas fa­mí­li­as des­con­fi­em des­te pro­pó­si­to. Mas is­so tam­bém po­de ser per­fei­ta­men­te dis­pen­sá­vel à sua lei­tu­ra. Nes­te ins­tan­te, acre­di­to ser mais ho­nes­to lhe con­fes­sar al­go cru­ci­al ao tex­to: se es­cre­vo mui­to, cer­ta­men­te me fal­ta­rá o pa­pel.

3

Pe­lo meio da ma­nhã, de­pois de ava­li­ar­mos as con­di­ções cli­má­ti­cas, o re­le­vo do pa­re­dão e a com­po­si­ção de su­as ro­chas, meu âni­mo cres­ceu bas­tan­te. Ao con­trá­rio do que eu ima­gi­na­ra em se­gre­do, po­día­mos des­cer em to­tal se­gu­ran­ça. Nis­so, olhei lá lon­ge e ob­ser­vei um na­vio dos gran­des. Ele na­ve­ga­va ru­mo ao al­to mar, com­pon­do uma pai­sa­gem bo­ni­ta num ho­ri­zon­te in­cri­vel­men­te cla­ro. Sen­ti uma imen­sa fe­li­ci­da­de por es­tar ali com a pes­soa que eu amo.

Pas­sa­mos a con­fe­rir nos­sos equi­pa­men­tos. As cor­das, os mos­que­tões, os frei­os oi­to, as ca­dei­ri­nhas, tu­do em or­dem. À me­di­da que nos apron­tá­va­mos, uma ex­ci­ta­ção ex­tra cres­cia em nós. Fi­quei ima­gi­nan­do co­mo se­ria ex­tra­or­di­ná­rio tran­sar ali, acom­pa­nhan­do o le­ve ba­lan­ço das cor­das, vis­lum­bran­do o mar aber­to à nos­sa fren­te, sen­tin­do na pe­le a bri­sa mor­na e res­pi­ran­do o ma­ru­lho.

To­dos es­ses as­pec­tos eram es­ti­mu­lan­tes de­mais pa­ra nos man­ter­mos no to­po. En­tão, co­me­ça­mos a des­cer. Nos­sa in­ten­ção era es­ca­lar a ex­ten­são ver­ti­cal do pa­re­dão e só “ba­ti­zar” o ra­pel quan­do a in­cli­na­ção das ro­chas se tor­nas­se um pou­co mais fa­vo­rá­vel ao nos­so pro­je­to. Fo­mos tra­ba­lhan­do la­do a la­do. A vi­são re­al­men­te mos­tra­va-se exu­be­ran­te. Tal­vez es­se te­nha si­do um dos mo­ti­vos pa­ra nos­sa de­sa­ten­ção num mo­men­to cru­ci­al da es­ca­la­da.

Pou­co an­tes de con­cluir­mos a pri­mei­ra fa­se da des­ci­da, um nó mal fei­to rom­peu-se no equi­pa­men­to de Jú­lia e ela cer­ta­men­te iria abai­xo ca­so não es­ti­vés­se­mos tão pró­xi­mos. Num rá­pi­do im­pul­so eu a am­pa­rei jun­to ao pa­re­dão, mas des­sa vez foi a mi­nha cor­da que não su­por­tou sus­ten­tar os dois. Coi­sa de ama­do­res, com to­da a cer­te­za.

A ver­da­de é que des­de o iní­cio, des­de que fi­ze­mos as pri­mei­ras aven­tu­ras de ra­pel, nun­ca nos de­di­ca­mos a apren­der mi­nu­ci­o­sa­men­te as téc­ni­cas dos nós, tam­pou­co ou­vi­mos as re­co­men­da­ções so­bre a qua­li­da­de ne­ces­sá­ria aos equi­pa­men­tos. En­fim, pa­ga­mos o pre­ço.

Quan­do num se­gun­do per­ce­bi que des­li­za­ría­mos coi­sa de dois ou três me­tros até a jun­ção do pa­re­dão ver­ti­cal com vá­ri­as ou­tras ro­chas que ini­ci­a­vam um de­cli­ve mais ame­no, on­de cer­ta­men­te po­de­ría­mos fre­ar a que­da, se­gu­rei o cor­po de Jú­lia com to­da a mi­nha for­ça. Cal­cu­lei que o má­xi­mo que po­de­ria nos acon­te­cer era uma ou ou­tra fra­tu­ra de mem­bro, o que àque­la al­tu­ra não se­ria ne­nhu­ma tra­gé­dia.

Es­cor­re­ga­mos re­al­men­te os pou­cos me­tros até as ro­chas sem nos fe­rir gra­ve­men­te, mas o ca­so é que não pa­ra­mos ali. Na­que­le pon­to, as ro­chas es­ta­vam úmi­das, im­preg­na­das de um lo­do ver­de li­so que co­la­bo­rou pa­ra nos man­dar ain­da mais abai­xo. Con­for­me es­cor­re­gá­va­mos, ten­tá­va­mos en­con­trar apoio em pe­que­nos ga­lhos que às ve­zes des­pon­ta­vam por en­tre as jun­ções das ro­chas, mas não foi pos­sí­vel.

De re­pen­te, sen­ti­mos al­go abrir-se sob nos­sos pés. Pe­que­nos ci­pós co­bri­am a en­tra­da de uma gru­ta e não nos bar­ra­ram a pas­sa­gem. Por ali, en­tra­mos e, atra­vés de pa­re­des mui­to es­cor­re­ga­di­as, fo­mos dar no fun­do. Mi­nu­tos após a que­da, quan­do nos cer­ti­fi­ca­mos de que os fe­ri­men­tos à pri­mei­ra vis­ta não eram gra­ves, pro­cu­rei ati­nar pa­ra a si­tu­a­ção. E era a se­guin­te: tí­nha­mos caí­do nu­ma gru­ta for­ma­da en­tre ro­chas que se jun­ta­vam abai­xo do pa­re­dão ver­ti­cal. Da en­tra­da do bu­ra­co até o mar não res­ta­ri­am mais que vin­te me­tros de al­tu­ra. No en­tan­to, o fun­do da gru­ta fi­ca a cer­ca de dez me­tros abai­xo des­sa en­tra­da. Is­so le­vou-me a cal­cu­lar que ou­tros dez me­tros, tal­vez até me­nos, se­pa­ram o fun­do da gru­ta do ní­vel do mar. Es­sa era a po­si­ção em que nos en­con­trá­va­mos quan­do caí­mos, há três di­as. De lá pa­ra cá, a po­si­ção con­ti­nu­ou a mes­ma. Aqui es­ta­mos, no mes­mo lu­gar.

4

Vo­cê de­ve es­tar se per­gun­tan­do: mas co­mo? Fi­ca­ram pre­sos nu­ma gru­ta? Lo­go no pri­mei­ro dia, ten­tei de­ses­pe­ra­da­men­te su­bir até a en­tra­da, em­bo­ra só nos res­tas­se mi­nha mo­chi­la, que sal­vei da que­da e on­de não ha­via cor­das e equi­pa­men­tos su­fi­ci­en­tes pa­ra qual­quer es­ca­la­da. Pro­cu­rei su­bir à unha, mas as pa­re­des des­tas ro­chas são li­sas co­mo sa­bão.

O má­xi­mo que con­se­gui foi che­gar à me­ta­de do ca­mi­nho, de on­de ber­rei até fi­car rou­co na es­pe­ran­ça de que al­guém pu­des­se me ou­vir. Tam­bém re­co­lhe­mos vá­ri­as pe­dras pe­que­nas e as ati­ra­mos pe­la bo­ca da gru­ta. Cer­ta­men­te, elas des­li­za­ram até o mar e fi­ze­ram al­gum ba­ru­lho, mas pe­lo jei­to não ha­via nin­guém pa­ra per­ce­ber al­go as­sim.

Nos­sos te­le­fo­nes ce­lu­la­res per­de­ram-se du­ran­te o aci­den­te. Na­da nos res­ta além de al­guns bis­coi­tos que es­ta­mos eco­no­mi­zan­do di­an­te de nos­sa ter­rí­vel si­tu­a­ção. Eu ti­nha al­gu­mas fru­tas na mo­chi­la, mas já as co­me­mos. Uma sor­te foi ter en­con­tra­do, nu­ma pe­que­na gre­ta de nos­sa pri­são, um fio de água do­ce que es­cor­re em go­tas. Lam­be-se mui­to ali na ten­ta­ti­va de ma­tar a se­de, mas o gos­to ab­sor­vi­do da água e da ro­cha não é dos me­lho­res. Além do quê, é de­pri­men­te ob­ser­var Jú­lia, e ela a mim, pas­sar ho­ras a fio à es­pe­ra das go­tas que ro­lam len­ta­men­te.

Bus­ca­mos apu­rar a au­di­ção es­pe­ran­do ou­vir al­gum bar­co que pos­sa che­gar à ilha, mas o ruí­do das on­das que­bran­do-se na cos­ta ro­cho­sa im­pe­de que te­nha­mos no­ção do que pos­sa es­tar se pas­san­do lá fo­ra.

On­tem à noi­te, de­pois de lem­brar­mos que era Na­tal e que nos­sas fa­mí­li­as de­ve­ri­am es­tar à nos­sa pro­cu­ra, pen­sei nu­ma hi­pó­te­se que me de­ses­pe­rou. Es­con­di de Jú­lia, mas não é di­fí­cil ima­gi­nar que aque­le su­jei­to mal en­ca­ra­do do bar­co já po­de­ria nos ter sal­va­do ca­so ti­ves­se bo­as in­ten­ções. Se não vol­ta­mos no mes­mo dia, co­mo é que ele não deu con­ta de al­go es­tra­nho? Ou­tra coi­sa: em três di­as, nin­guém te­ria vin­do à ilha e vis­to nos­so bar­co?

Ima­gi­no que o des­gra­ça­do te­nha vin­do e, não nos en­con­tran­do fa­cil­men­te, le­vou em­bo­ra a em­bar­ca­ção. Pen­so tam­bém que ele po­de ter fi­ca­do com mi­nha mo­to. Es­sa gen­te é ca­paz de tu­do.

Jú­lia cho­ra mui­to. Co­mo três di­as são ca­pa­zes de mu­dar uma pes­soa! Con­fes­so que is­so tem me ir­ri­ta­do um pou­co, em­bo­ra eu pro­cu­re não de­mons­trar. Ja­mais pre­vi que ela po­de­ria ab­di­car tão fa­cil­men­te de sua per­so­na­li­da­de for­te e de­ci­di­da.

Ago­ra há pou­co, com cer­ta di­fi­cul­da­de, ela se vi­rou pa­ra o meu la­do e me pre­gou um olhar de fo­me, mas não era o olhar las­ci­vo, não era a fo­me de sem­pre. Era ou­tra fo­me. Ela quer co­mer, eu tam­bém. Dei a ela um dos úl­ti­mos bis­coi­tos. Acho que só te­mos mais dois, que co­me­re­mos mais tar­de, à noi­te, quan­do a luz do dia, que já co­me­ça a se es­vair, aban­do­nar no­va­men­te es­te bu­ra­co. Aliás, já é di­fí­cil en­xer­gar es­tas le­tras. Por is­so, con­ti­nu­a­rei ama­nhã.

5

QUARTO DIA

Acor­dei sem sa­ber on­de es­ta­va, com uma in­su­por­tá­vel von­ta­de de co­mer. On­tem à noi­te, co­mo ha­via es­cri­to, aca­ba­mos com nos­sa ra­ção. Não há mais na­da pa­ra co­mer aqui. Tam­bém in­co­mo­dam os cor­tes e le­sões cau­sa­dos pe­lo aci­den­te, e a la­mú­ria in­ter­mi­ten­te de mi­nha na­mo­ra­da.

An­tes que ela des­per­tas­se, fi­quei olhan­do pa­ra seu ros­to can­sa­do, en­quan­to um mau pen­sa­men­to se apro­xi­mou: se não fos­se por su­as lou­cu­ras, nos­sa si­tu­a­ção se­ria ou­tra. Por al­guns ins­tan­tes me abor­re­ci. Os ca­pri­chos de­la! Sem­pre os ca­pri­chos de­la! E ago­ra aí, des­sa ma­nei­ra, to­da cho­ro­sa...

De­pois, quan­do ela co­me­çou a se me­xer, sen­ti cer­ta cul­pa. Que bo­ba­gem! Se eu a acom­pa­nho nes­sas aven­tu­ras é por­que tam­bém é meu de­se­jo. Du­ran­te o dia, es­ti­ve­mos nos re­ve­zan­do en­tre a água mi­se­rá­vel que bro­ta da pa­re­de e as ter­rí­veis có­li­cas pro­vo­ca­das pe­la fal­ta de ali­men­ta­ção.

Mais uma vez, ten­tei su­bir na di­re­ção da en­tra­da da gru­ta, mas em vão. Pi­or ain­da: des­co­bri que es­tou bem mais fra­co do que nos ou­tros di­as. De­pois de al­gum es­for­ço, sen­ti que meus bra­ços e mi­nhas per­nas tre­mi­am bas­tan­te. Tam­bém re­pe­ti­mos o ri­tu­al de to­das as ma­nhãs ao gri­tar­mos fei­to lou­cos es­pe­ran­do que al­guém nos ou­ça lá fo­ra, mas na­da. Da mes­ma ma­nei­ra, sen­ti­mos nos­sas vo­zes mais fra­cas e um can­sa­ço exa­ge­ra­do após o es­for­ço. Pas­sa­mos qua­se a tar­de to­da sen­ta­dos, en­cos­ta­dos um ao ou­tro, sem nem mes­mo con­ver­sar­mos, pro­cu­ran­do re­ter o má­xi­mo de ener­gia pos­sí­vel.

6

QUINTO DIA

Fui acor­da­do pe­los gri­tos de Jú­lia. O mar cal­mo per­mi­tiu, se­gun­do ela, ou­vir o ba­ru­lho de um mo­tor de bar­co, tal­vez o nos­so pró­prio sen­do rou­ba­do, sei lá. Po­bre­zi­nha, seus gri­tos ser­vi­ram pa­ra me acor­dar, mas ja­mais se­ri­am ou­vi­dos por quem quer que fos­se. Não eram mais gri­tos, eram ape­nas guin­chos, guin­chos de­ses­pe­ra­dos.

Acho que por con­ta do es­for­ço, ela vol­tou a dor­mir. Pa­ra mim, foi um alí­vio. Não pos­so me con­for­mar com es­sa fra­que­za emo­ci­o­nal de Jú­lia. Ela não pa­re­ce ser a mu­lher que eu co­nhe­ço tão bem. Se é pa­ra es­tar as­sim, por que em­pre­en­deu es­ta aven­tu­ra? Por que nos ar­ris­cou des­sa for­ma?

Ho­je não ten­tei su­bir até a bo­ca da gru­ta. Meu âni­mo mal me per­mi­te ir até o fio d’água que es­cor­re com ava­re­za. Jú­lia pe­diu-me que lhe trou­xes­se água na bo­ca. Fiz que não a ou­vi. Deu-me von­ta­de de di­zer-lhe pou­cas e bo­as, ou­tra vez aque­le de­se­jo de des­pe­jar so­bre ela meu de­sa­ba­fo guar­da­do, di­zer-lhe que de­ve­ria ter si­do mais co­me­di­da em su­as ações, coi­sas as­sim. Ras­guei um pe­da­ço de mi­nha rou­pa e o en­so­pei com a água bar­ren­ta. Jú­lia me agra­de­ceu. Seus olhos es­tão tris­tes.

7

SEXTO DIA

Não sei di­zer se o dia es­tá nu­bla­do ou se mi­nha vi­são já não cor­res­pon­de à nor­ma­li­da­de. Di­go ape­nas que es­tá mais es­cu­ro aqui den­tro. Há pou­co, uma pom­ba sen­tou, aris­ca, num dos ci­pós que atra­ves­sam lá em ci­ma a bo­ca da gru­ta. Jú­lia a viu e num ím­pe­to er­gueu-se com os olhos es­bu­ga­lha­dos. Cu­ri­o­sa­men­te, quan­do vi o pás­sa­ro, sur­giu-me uma idéia na­da no­va, a do pom­bo-cor­reio, mas lo­go es­sa bo­ba­gem dis­si­pou-se. As in­ten­ções de Jú­lia eram mais ra­zoá­veis. Se hou­ves­se um mo­do de atrair aque­le pe­da­ço de car­ne, nós o co­me­ría­mos de bom gra­do. Nem me ar­ris­co a di­zer que an­tes lhe ar­ran­ca­ría­mos as pe­nas.

8

OUTRO DIA

Dor­mi­mos um tem­po que não mais po­de­mos me­dir. Era noi­te e de­pois já era noi­te ou­tra vez ou tal­vez ain­da a mes­ma, não sa­be­mos ao cer­to, em­bo­ra nes­te mo­men­to te­nha­mos cer­te­za de que es­ta­mos no pe­río­do da tar­de, pois a luz do sol ilu­mi­na di­re­ta­men­te a par­te su­pe­ri­or in­ter­na da gru­ta. Sen­do o pa­re­dão vol­ta­do pa­ra oes­te, o sol vai na des­cen­den­te.

Jú­lia an­da di­zen­do pa­la­vras in­cer­tas, des­co­ne­xas, de­pois vol­ta à cons­ci­ên­cia, al­te­ra pe­río­dos de juí­zo e in­sen­sa­tez. Ho­je não re­sis­ti à ten­ta­ção e lhe dis­se o que ti­nha von­ta­de. Pa­ra re­su­mir, que ela é a cul­pa­da de tu­do is­to. Se eu não ti­ves­se co­nhe­ci­do cer­tas pes­so­as...

No en­tan­to, meu es­for­ço pa­ra acu­sá-la foi em vão. Ela pa­re­ceu não ter com­pre­en­di­do. Fi­quei ima­gi­nan­do se tam­bém não es­tou na mes­ma si­tu­a­ção. Quem sa­be? Em ou­tra opor­tu­ni­da­de, vol­tei à car­ga, re­pe­ti as re­pri­men­das. Des­sa vez, ela en­ten­deu. Tan­to é que me res­pon­deu com cha­te­a­ções. Cha­mou-me de ga­ro­to mi­ma­do, ve­ja se po­de! Em res­pos­ta, dis­se-lhe que en­tão, ao me con­si­de­rar um ga­ro­to mi­ma­do, ela mos­tra­va to­tal des­co­nhe­ci­men­to a meu res­pei­to. Can­sa­da, ela ata­lhou: tal­vez.

9

NOVO DIA

Des­per­tei com me­do. Vi Jú­lia sen­ta­da, bem per­to de mim, co­mo se es­ti­ves­se ve­lan­do meu so­no, os olhos vi­dra­dos. Com a fo­me so­be­ra­na ru­man­do pa­ra a ina­ni­ção, pas­sou-me pe­la ca­be­ça al­go que não te­nho co­ra­gem de con­fes­sar. Tal­vez es­se tam­bém fos­se o pen­sa­men­to de­la na­que­la ho­ra.

A par­tir da­li, eu ten­to evi­tar que o so­no me pe­gue an­tes de­la. De­cer­to, ela tam­bém faz es­for­ço se­me­lhan­te. Per­doe-me se omi­to tan­tas coi­sas, in­clu­si­ve nos­sos freqüen­tes de­sen­ten­di­men­tos e o ódio cres­cen­te que nu­tri­mos um pe­lo ou­tro, o que tor­na ain­da mais in­su­por­tá­vel es­ta pri­são, mas o ca­so é que le­vo ho­ras pa­ra fir­mar-me so­bre as le­tras. Qua­se não pos­so mais vê-las. Pa­ra es­cre­ver to­dos os de­sa­fo­ros di­tos a mim, se­ri­am ne­ces­sá­ri­as ain­da mui­tas fo­lhas em bran­co.

Con­to-lhe ape­nas es­te: diz ela que eu me per­mi­to à sub­mis­são por­que não te­nho ca­rá­ter, pois se o ti­ves­se não dei­xa­ria de me in­co­mo­dar com os na­mo­ra­dos que ela ar­ran­ja sob meu na­riz. Que na­mo­ra­dos? Mi­nhas pou­cas for­ças não me ca­pa­ci­tam a agre­di-la, a es­fo­lá-la vi­va. Con­ten­to-me em ata­cá-la a so­cos e pon­ta­pés, mas ape­nas men­tal­men­te.

10

MAIS UM DIA

Jú­lia ain­da não acor­dou, en­quan­to en­fren­to do­lo­ri­das con­tra­ções. Uma ab­sur­da ân­sia de vô­mi­to me faz ro­lar no chão da gru­ta. Não te­nho na­da a jo­gar fo­ra. Os pou­cos mi­nu­tos em que a dor de­sa­pa­re­ce re­pre­sen­tam qua­se um pra­zer. Es­ta noi­te pas­sa­da, acor­dei com o lu­ar bem so­bre a en­tra­da. Por um cer­to tem­po, a luz pas­se­ou pe­lo fun­do da gru­ta, ilu­mi­nan­do nós dois. Sen­tei-me e olhei pa­ra nos­sos cor­pos su­jos, ma­chu­ca­dos e qua­se imó­veis. Um tre­mor sú­bi­to lem­brou-me de uma coi­sa que até en­tão eu não ha­via con­si­de­ra­do: es­ta­mos mor­ren­do.

ÚLTIMO DIA

Não pos­so di­zer que es­te se­rá o úl­ti­mo dia de nos­sas vi­das, mas com to­da cer­te­za se­rá o úl­ti­mo des­te re­la­to. Os mo­ti­vos são dois. Um vo­cê já sa­be: mal pos­so agüen­tar com a ca­ne­ta. O ou­tro é que o pa­pel es­tá no fim. Fa­ço ape­nas mais es­ta ob­ser­va­ção, apro­vei­tan­do-me de um ra­ro ins­tan­te de lu­ci­dez: per­de­mos o con­tro­le de nos­sas ações, aos pou­cos es­ta­mos nos ma­tan­do um ao ou­tro, às ve­zes de­bai­xo de um in­sa­no pra­zer. Pen­so em con­se­guir ma­tá-la an­tes pa­ra po­der fa­zer se­xo com ela de­pois. Se não for pos­sí­vel, vou co­mê-la de ou­tro mo­do.

a)Tom Me­ne­zes Gan­du­ar

11

10 DE JANEIRO (MANHÃ)

Che­ga­ram-me às mãos ho­je es­tes pa­péis. As­si­na­dos por To­más An­to­nio Me­ne­zes Gan­du­ar, as­si­na­tu­ra re­co­nhe­ci­da pe­la fa­mí­lia. Jul­guei tra­tar-se de mais uma de su­as lou­cu­ras. To­más con­ta ho­je 24 anos e vi­ve tra­zen­do pro­ble­mas à fa­mí­lia. Ele mes­mo en­vi­ou o tex­to ao dis­tri­to, co­mo se faz a um con­cur­so de li­te­ra­tu­ra ou al­go as­sim. Pe­di que vi­es­se e ele lo­go aten­deu ao cha­ma­do. Com um sor­ri­so in­sa­no, sen­tou-se à mi­nha fren­te e dis­se-me ter ti­ra­do um pe­so das cos­tas.

- Cin­co anos não pas­sam num dia, dou­tor.

Ca­lei-me por um mo­men­to. Ele es­ta­va di­fe­ren­te das ou­tras ve­zes.

- Não é uma boa his­tó­ria, dou­tor? Eu a fa­bri­quei...

Não ne­go: sen­ti um alí­vio. Per­gun­tei-lhe por que en­vi­ar um tex­to as­sim à po­lí­cia. E ele, sé­rio:

- Pa­ra o se­nhor dar fé, dou­tor. Que­ro que o se­nhor fa­ça um bo­le­tim de ocor­rên­cia ca­pri­cha­do.

E as­sim eu fiz.

BO nº 814/2004

De­le­ga­do: Plá­ci­do An­tu­nes Fe­lin­to
Agen­te plan­to­nis­ta: Gra­ci­e­la Mar­que­zal Ori­en­te
Na­tu­re­za da ocor­rên­cia: du­plo ho­mi­cí­dio
Da­ta: 10/01/2004
Lo­cal: Ilha do Mon­te
Ho­ra da co­mu­ni­ca­ção: 10h.

INDICIADO:
To­más An­to­nio Me­ne­zes Gan­du­ar
Doc. Ident. nº: 15.611.518
Pai: Ju­ve­nal As­tor Gan­du­ar
Mãe: Jo­se­fa Ja­cin­to Gan­du­ar
Cor: bran­ca
Ida­de: 24 anos
Es­ta­do Ci­vil: sol­tei­ro
Pro­fis­são: es­tu­dan­te
Na­ci­o­na­li­da­de: bra­si­lei­ra
Na­tu­ral: Natal/RN
Re­si­dên­cia: Rua dos Fa­raós, 132, Bair­ro No­va En­se­a­da

VÍTIMAS:
Jú­lia Cu­nha de Vol­tair
Nes­tor Do­na­te­lo Sou­za
Obs: da­dos se­rão pes­qui­sa­dos.

TESTEMUNHAS:
1)Juvenal As­tor Gan­du­ar, re­si­den­te na Rua dos Fa­raós, 132, Bair­ro No­va En­se­a­da, RG 999.638.209 SSP/RN.
2)Josefa Ja­cin­to Gan­du­ar, re­si­den­te na Rua dos Fa­raós, 132, Bair­ro No­va En­se­a­da, RG 803.740.500 SSP/RN.

HISTÓRICO:
Re­la­ta o pró­prio in­di­ci­a­do que em de­zem­bro de 1998 sou­be atra­vés de Jú­lia Cu­nha de Vol­tair que ela e o na­mo­ra­do, Nes­tor Do­na­te­lo Sou­za, que eram seus ami­gos, iri­am par­ti­ci­par no dia 23 da­que­le mês de uma aven­tu­ra ti­da por ra­pel. Es­cla­re­ce que co­nhe­ceu Jú­lia an­tes de Do­na­te­lo, sen­do que ela apre­sen­tou um ao ou­tro. Ex­pli­ca o denunciante/indiciado que o ra­pel se tra­ta de uma prá­ti­ca es­por­ti­va em que o pra­ti­can­te uti­li­za-se de cor­das e ou­tros equi­pa­men­tos pa­ra es­ca­lar mon­ta­nhas, pa­re­dões ou re­le­vos des­sa es­pé­cie. De­cla­ra que, por in­di­ca­ção sua, os dois ami­gos ci­ta­dos di­ri­gi­ram-se à Ilha do Mon­te, uti­li­zan­do-se de um bar­co alu­ga­do. Co­mo no dia de Na­tal, ele não os en­con­tras­se e su­as fa­mí­li­as não sou­bes­sem in­for­mar seu pa­ra­dei­ro, es­cla­re­ce que no dia 26 de de­zem­bro se di­ri­giu ao lo­cal des­cri­to, do qual ti­nha pré­vio co­nhe­ci­men­to, por ter es­ta­do na ilha dois ou três anos an­tes. De­cla­ra que um pi­lo­to de alu­guel le­vou-o até a ilha e que tão lo­go che­gou a seu des­ti­no, en­con­trou o bar­co dos ami­gos em meio à ve­ge­ta­ção e en­tão dis­pen­sou o pi­lo­to. Em se­gui­da pas­sou a es­ca­lar o mon­te que pra­ti­ca­men­te to­ma to­da a ex­ten­são da ilha. Lem­bra que no to­po ha­via mar­cas da pas­sa­gem dos dois ami­gos por ali e que lo­go pô­de ob­ser­var par­tes dos equi­pa­men­tos na ba­se do mon­te. De­cla­ra que se pre­pa­rou com o equi­pa­men­to pró­prio que le­va­va e des­ceu pe­lo pa­re­dão até ou­vir os gri­tos de Jú­lia e de Nes­tor, e que não foi di­fí­cil en­con­trá-los. Es­cla­re­ce que após per­gun­tar-lhes se es­ta­vam bem, a pri­mei­ra idéia que te­ve foi içá-los, mas que, pen­san­do me­lhor, re­sol­veu brin­car um pou­co com os dois, ame­a­çan­do dei­xá-los ali mes­mo até o Ano No­vo. In­for­ma que no iní­cio os ami­gos pen­sa­ram se tra­tar de uma brin­ca­dei­ra, mas ele lo­go fez ques­tão de as­se­gu­rar que não era uma brin­ca­dei­ra, em­bo­ra ain­da fos­se uma brin­ca­dei­ra. De­cla­ra que de­pois de al­guns mi­nu­tos, te­ve a idéia que le­vou a ca­bo em se­gui­da. Dei­xou os dois ami­gos pre­sos na gru­ta, lim­pou to­da a área pa­ra que se al­guém apa­re­ces­se na ilha não des­con­fi­as­se de na­da, de­vol­veu o bar­co à bar­ra­ca de alu­guel com a des­cul­pa de que os ami­gos ha­vi­am so­li­ci­ta­do is­so a ele e de­pois, du­ran­te vá­ri­os di­as, vi­si­tou os dois com a pro­mes­sa de li­ber­tá-los as­sim que o ami­go de no­me Nes­tor lhe es­cre­ves­se apon­ta­men­tos so­bre sua re­la­ção com Jú­lia. Afir­ma ter per­gun­ta­do a Nes­tor se ha­via pa­pel e ca­ne­ta com eles. Es­cla­re­ce so­bre es­se as­sun­to que não que­ria lhes dar qual­quer ob­je­to, com re­ceio de que mais tar­de so­fres­se qual­quer ti­po de acu­sa­ção. De­cla­ra que to­dos os di­as es­pe­ra­va o ami­go Nes­tor con­cluir a re­da­ção pa­ra que, atra­vés de um gan­cho com ara­me, ele iças­se o pa­pel até a en­tra­da da gru­ta. Que avi­sou a Nes­tor co­nhe­cer Jú­lia e ele pró­prio há um bom tem­po e que por is­so não se atre­ves­se a es­cre­ver bo­ba­gens ou men­ti­ras. Que se is­so acon­te­ces­se, ele não da­va ga­ran­tia al­gu­ma aos dois. Quan­do os ami­gos já se en­con­tra­vam em si­tu­a­ção de­ses­pe­ra­do­ra, es­cla­re­ce que foi pre­ci­so ace­nar a Nes­tor com pães e fru­tas pa­ra que ele se dis­pu­ses­se a con­ti­nu­ar es­cre­ven­do. De­cla­ra ain­da que não se sen­te cul­pa­do pe­lo cri­me, pois os dois ami­gos a que se re­fe­re vi­vi­am em ou­tro mun­do e pre­ci­sa­vam cair na re­a­li­da­de. Es­cla­re­ce que pen­sa­va em li­ber­tá-los, mas quan­do de­ci­diu por to­mar a ati­tu­de já era tar­de de­mais. Per­gun­ta­do pe­lo de­le­ga­do se Jú­lia al­gu­ma vez foi sua na­mo­ra­da, es­cla­re­ce que sim. De­cla­ra que es­sa foi a pri­mei­ra e úni­ca vez que agiu des­sa for­ma. So­bre o tex­to en­vi­a­do à po­lí­cia, afir­ma tra­tar-se de có­pia dos ori­gi­nais es­cri­tos pe­lo ami­go Nes­tor, os quais ele tam­bém en­tre­ga à res­pon­sa­bi­li­da­de po­li­ci­al. Na­da mais.

EXAMES REQUISITADOS:
Psi­quiá­tri­co.

Ela­bo­ra­do por Gra­ci­e­la Mar­que­zal Ori­en­te ( Mat. 003.989/91) - Agen­te de Po­lí­cia de plan­tão
10 de ja­nei­ro de 2004.

10 DE JANEIRO (TARDE)

Uma equi­pe de in­ves­ti­ga­do­res le­vou To­más à Ilha do Mon­te. Lá, nu­ma gru­ta com­ple­ta­men­te ocul­ta­da pe­la ve­ge­ta­ção que co­bria sua en­tra­da, acha­ram as os­sa­das de Jú­lia Cu­nha de Vol­tair e Nes­tor Do­na­te­lo Sou­za, da­dos co­mo de­sa­pa­re­ci­dos ha­via três anos. As os­sa­das en­con­tra­vam-se lon­ge uma da ou­tra. Sen­ta­das, es­ta­vam en­cos­ta­das a pa­re­des ex­tre­mas, ca­da qual com um ca­ni­ve­te pre­so à mão di­rei­ta, en­ca­ran­do-se, co­mo se ain­da pu­des­sem vi­gi­ar-se mu­tu­a­men­te.

a)Plácido An­tu­nes Fe­lin­to
De­le­ga­do de Po­lí­cia

Compartilhe