Colaboradores

almas – Texto de Thiago Roque

quinta-feira, 9 de agosto de 2007 Texto de

an­tes de se co­nhe­ce­rem, eram duas al­mas pá­li­das, gelo nos lá­bios, co­ra­ção em ritmo de co­ti­di­ano.

coube ao des­tino a mis­são de colocá-las frente a frente. a pai­xão fez o resto.

deu cor a cada uma. trouxe ca­lor, de­sejo, te­são. o co­ra­ção quase pa­rou me­di­ante es­forço fí­sico de suas ba­ti­das em ritmo de fa­zer in­veja a ma­ra­to­nista cam­peão mun­dial.

com o en­con­tro, des­co­bri­ram que não eram com­ple­tas, e sim com­ple­men­ta­res.

se mis­tu­ra­ram uma na ou­tra, en­con­trando, em cada pe­queno mo­vi­mento, mais um grande mo­tivo para amar.

vestiram-se de ale­gria, cal­ça­ram os so­nhos, perfumaram-se com a es­pe­rança. de longe, exa­la­vam bem-querer.

agora, o tempo e a culpa, ca­sal que nunca se en­ten­deu, mas que con­ti­nua junto por ca­pri­cho vo­lá­til e des­ne­ces­sá­rio, de­ci­di­ram que as duas al­mas pre­ci­sam se se­pa­rar.

no iní­cio, elas acre­di­ta­ram que isso não se­ria em­pe­ci­lho. que o amor era força-mor, mo­via mon­ta­nhas com mais fa­ci­li­dade do que as pas­sa­gens da bí­blia.

mas des­co­bri­ram que ele, o amor, é só o in­gre­di­ente má­gico. para re­a­li­zar a ma­gia, era pre­ciso mais.

não sabe onde er­ra­ram. perderam-se. não en­con­tram mais o ca­mi­nho uma da ou­tra. não sa­bem como con­ser­tar. aliás, so­zi­nhas com suas má­goas, não sa­bem mais nada.

só des­co­bri­ram que nem al­mas vol­ta­ram a ser.

se­pa­ra­das e após co­nhe­ce­rem a dor, fo­ram re­bai­xa­das de ní­vel, como cas­tigo di­vino por não lu­ta­rem pelo que po­de­riam ser.

agora, são ape­nas hu­ma­nos.

E-mail: roque.thiago@hotmail.com

Compartilhe